sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Acadêmicos criam documentário sobre espetáculo do Dançurbana

Texto: Ben Oliveira

Acadêmicos de Comunicação Social da Universidade Católica Dom Bosco, Fernanda Calixto Hygor Benevides, Mariane Narciso, Camilla Moreira, Caroline Maciel e Lays Mendonça produziram um videodocumentário sobre o espetáculo Singulares criado pela Cia. Dançurbana de Campo Grande (MS).

Durante o videodocumentário, o diretor e coreógrafo da Cia. Dançurbana, Marcos Mattos explicou que o espetáculo Singulares foi feito em comemoração aos 10 anos do Dançurbana e aborda a convergência de histórias e vivências dos intérpretes, suas origens, suas transformações de diferentes fases da vida, a sexualidade e a dependência e relação entre os integrantes.

O documentário foi produzido para o Festival Universitário Audiovisual, conhecido como FUÁ, e traz imagens dos bailarinos do grupo Dançurbana ensaiando a coreografia de Singulares e falando sobre de onde surgiu a ideia do espetáculo.



O acadêmico Hygor Benevides comentou que a ideia surgiu quando ele e Fernanda Calixto conversaram sobre fazer um videodocumentário sobre dança e ela sugeriu a Cia. Dançurbana. O que atraiu a atenção e deixou o acadêmico curioso foi uma cena do espetáculo, na qual os dançarinos da companhia dançam de salto-alto. "Começamos a pensar : porque não um documentário sobre isso?", comenta Hygor Benevides.
"O processo de produção foi divertido, iniciamos com a ideia de fazer um documentário sobre como é um processo de criação de um espetáculo de dança, mas acabei gostando muito do caminho que o Singulares foi tomando e achei mais interessante explicar o espetáculo no documentário pois teria mais sentido", explica Fernanda Calixto.

"Singulares" tem o mesmo nome do espetáculo criado pela Cia. Dançurbana e foi o primeiro documentário criado pelos acadêmicos de Comunicação Social da UCDB, portanto os mesmos não tiveram muitas facilidades na hora de produzi-lo. Para Hygor Benevides, a facilidade foi a de estar num grupo com pessoas comprometidas e que queriam ver um bom trabalho. "O Dançurbana também facilitou muito. Eles nos permitiram assistir, filmar e fotografar os ensaios", conta o acadêmico. Entre as dificuldades apontadas estavam os horários de gravação por conta da necessidade de estudar para as provas da universidade, compromissos e o prazo para a entrega do vídeo.

O salto-alto representa as transformações vivenciadas pelos
intérpretes do espetáculo. Foto: Mariane Narciso.

Fernanda Calixto contou que antes de montar o roteiro tiveram que ler bastante sobre o espetáculo, por meio dos conteúdos publicados no blog da Cia. Dançurbana. "E então veio a ideia de seguir a sequência do Singulares, explicando cena por cena com base no que eu conversei com o Marco Mattos e com o que nós já tínhamos lido", esclarece.

"Penso que a importância de se produzir documentários sobre dança é a de mostrar ao público que cada um dos bailarinos, seja da Cia. Dançurbana, ou de qualquer outra cia, se esforçam muito para produzir um trabalho. Eles não estão ali só por lazer, estão porque querem reconhecimentos, pois é a vida deles, é o que gostam de fazer e o que fazem de melhor. A dança também é um trabalho e os bailarinos batalham todos os dias para que as outras pessoas também vejam a dança como trabalho. Então a partir de documentários sobre dança as pessoas podem ter uma visão diferente, pode haver uma quebra do pré-conceito que elas constroem", justifica Fernanda Calixto.

"É importante mostrar para as pessoas que dançar não é algo simples, existe muito estudo, técnica e ensaios. Muitas pessoas pensam que os bailarinos apenas sobem no palco e dançam, mas não é só isso. Queríamos mostrar que por trás de cada passo existe um significado", declara Hygor Benevides.

No documentário são mostrados os ensaios do espetáculo "Singulares". Foto: Mariane Narciso.

O vídeo não foi selecionado como finalista do FUÁ, mas os jovens contaram que pretendem participar novamente do festival no ano que vem. Fernanda Calixto contou que por ser o primeiro trabalho e pela falta de experiência a chance de não ganhar era grande. "Foi realmente uma pena nosso trabalho não ter sido selecionado, pois nós nos empenhamos muito para produzi-lo, mas não fiquei triste nem desanimada quando soube que ele não passou. A primeira coisa que me veio à cabeça foi tentar novamente", compartilha Fernanda. Hygor Benevides contou que ficou chateado e irritado, mas depois passou. O acadêmico está comprando novos equipamentos, lendo mais, asssitindo documentários e filmes para ter referências. "Acredito que isso vá me ajudar a produzir melhor", conclui.

Dançurbana − Fundada em 2002, em Campo Grande (MS), a Cia. Dançurbana tinha a formação inicial composta por jovens que se destacavam como participantes de projetos sociais de dança de rua dos bairros de Campo Grande. Atualmente a Cia. é formada por jovens, criadores intérpretes à procura de uma dança que levante questões a partir dos anseios e desejos de seus integrantes.

O percurso da Cia. é marcado pela busca da definição de uma identidade, a partir de uma “ressignificação” do movimento Hip Hop e uma dança cuja estética se baseia na cultura Hip Hop, com um pensamento contemporâneo.

A Cia. Dançurbana está localizada na Rua Barão do Rio Branco, 1441 - Centro, em Campo Grande - MS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários Recentes

Me acompanhe no Instagram