Pular para o conteúdo principal

Destaques

Subdiagnóstico de autismo, números e incoerências

O brasileiro é muito individualista. Ao mesmo tempo que vejo pessoas reclamando que os números do Censo vão dar abaixo por causa dos subdiagnósticos de autismo, já vi muita gente acusando pessoas com laudo fingirem que eram autistas.


Como explicar a volatilidade? Nem tento entender o que se passa na mente do brasileiro.

Os discursos são sempre contraditórios. Por causa de polarização, todo mundo sai perdendo.

Já vi até gente dizendo que o laudo é só um papel. Se é só um papel, a pessoa, então, não precisa de um diagnóstico? Logo, por que ser contabilizada? Sejam mais coerentes nos discursos.

Incoerências dos brasileiros sobre subdiagnósticos:

– Já vi gente acusando autista de fingir, mesmo a pessoa tendo laudo;

– Já vi gente se posicionando contra diagnóstico precoce, achando que seria ruim, desconhecendo a questão da plasticidade cerebral;

– Já vi gente dizendo que autismo nem deveria ter CID;

– Já vi gente dizendo que o outro não é autista, só porque sabe argumentar e é diferente do …

Jornalismo Esportivo é abordado em palestra na UCDB


*Texto: Ben Oliveira

Na manhã desta quinta-feira, 8 de novembro de 2012,o jornalista da TV Morena, Átilla Eugênio ministrou uma palestra sobre Jornalismo Esportivo em Campo Grande (MS), no auditório da biblioteca da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), durante o evento PropUP - Eleve suas ideias.

Jornalista Átilla Eugênio esclareceu dúvidas relacionadas
ao jornalismo esportivo. Foto: Hygor Benevides.
Átilla Eugênio explicou que para trabalhar com jornalismo esportivo é preciso gostar de esportes. "Eu só faço esporte com gosto porque eu gosto. Eu me identifico", declarou o jornalista.

Segundo o palestrante, o desenvolvimento tecnológico, os usuários conectados e a preocupação da mídia possibilitou a divulgação de notícias instantâneas e aumentou o contato com o público. "Conseguimos ganhar uma gama de imagens e transmitir", justifica. Para Átilla, o esporte aliado ao marketing e ao entretenimentou ganhou peso. "A transmissão que era um espetáculo, virou um megaepetáculo", acredita.

A partir dos anos 2000, Átilla Eugênio explicou que os jornalistas ganharam uma oportunidade de falar e explorar melhorar os assuntos. O jornalista comparou, por exemplo, Léo Batista (considerado o mais antigo apresentador em atividade na televisão brasileira) e Tadeu Schmidt representantes de diferentes épocas do jornalismo esportivo e com suas respectivas linguagens, sendo uma certinha, quadrada e comportada e a  outra divertida, natural e intimista.

"O esporte no dia-a-dia requer um pouco de atenção", argumenta Átilla Eugênio. O palestrante orientou que é possível se diferenciar através da pesquisa de estatísticas, lembrança de datas importantes e descoberta de histórias.

Além de responder as dúvidas dos acadêmicos de Comunicação Social e profissionais de jornalismo presentes no evento, Átilla Eugêneio recomendou aos universitários a aproveitarem a estrutura e equipamentos da instituição para criar produtos criativos.

O PropUP - Eleve suas ideias foi organizado pelo curso de Publicidade e Propaganda da UCDB e pela Agência Experimental Mais Comunicação.

Comentários

Mais lidas da semana