Pular para o conteúdo principal

Destaques

4 Quotes de Penny Dreadful

“Eu não contaria isso à Srta. Ives. Afinal, quem quer saber que é caçada pelo diabo?” “Você recebeu um grande poder. Um dia você a usará e tomará seu lugar predito sobre esses animais mortais. Você sabe em seu coração que estou falando a verdade, admita”; “Todos nós somos duas coisas de certa forma. Anjo e diabo, luz e escuridão”; “Eu amo tempestades. Primordial. Cada pedacinho de civilização se foi. Toda verdade saindo ” . Leia também:  Resenha: O Tarô da Deusa Tríplice – Isha Lerner   Twin Flames – Nikki Rowe   Dica de livro:  O Tarô de Marselha Revelado   Twin Flames: Chamas gêmeas devoradas pelo ouroboros – Ben Oliveira   6 Quotes de Penny Dreadful: Vanessa Ives   6 Conselhos para Bruxos Iniciantes – Ben Oliveira   *Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror  Escrita Maldita , publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano:  O Círculo (Vol.1)  e  O Livro (Vol. 2) , disponíveis no  Wattpad  e na loja Kindle. Me acompanhe na

67 jornalistas foram mortos em 2012, segundo Comitê para a Proteção dos Jornalistas


O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) publicou que em 2012 foram mortos 67 jornalistas em 20 diferentes países, com motivos confirmados. A organização independente sem fins lucrativos promove a liberdade de imprensa no mundo.

Pontos mais escuros apontam os países onde mais jornalistas morreram.
Foto: Reprodução / Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

Segundo o CPJ, entre os quatro países onde aconteceram mais assassinatos de jornalistas em 2012 estão Síria (28), Somália (12), Paquistão (7) e Brasil (4). Além de países nos quais foram contabilizadas uma morte neste ano, como Rússia, Tailândia, Nigéria, Egito, Índia, Irã, Equador, México, Bangladesh, Bahrein, Colômbia, Tanzânia, Camboja, Indonésia, Filipinas e Líbano.

Os jornalistas cobriam os seguintes gêneros: Política (64%), Guerra (51%), Direitos Humanos (42%), Crime (16%), Cultura (15%), Corrupção (13%), Negócios (9%) e Esportes (3%).

Das 67 mortes, houve 100% de impunidade nos casos de assassinato. A maioria dos jornalistas eram homens (96%) e morreram em territórios locais (94%). Os grupos políticos são suspeitos em 47% dos casos, seguidos por fontes desconhecidas, facções criminosas, funcionários do governo, residentes locais, oficiais militares e força paralimitar.

Ano passado foram assassinados 47 jornalistas e desde 1992 até os dias atuais foram registradas as mortes de 962 jornalistas pelo Comitê para a Proteção dos Jornalistas.

Comentários

Mais lidas da semana