Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Corpos Ocultos – Caroline Kepnes

Segundo livro da série Você (YOU) , adaptada para a Netflix ,  Corpos Ocultos (Hidden Bodies) narra a mudança do psicopata Joe Goldberg de Nova Iorque para Los Angeles e tem uma pegada mais ácida e mais fluida do que o primeiro livro. No Brasil, o livro da Caroline Kepnes foi traduzido por Ryta Vinagre e publicado pela Editora Rocco , em 2019. Compre o livro Corpos Ocultos (Caroline Kepnes):  https://amzn.to/3o64zLs Embora a ficção não seja parâmetro para acompanhar o desenvolvimento de serial killers , Corpos Ocultos revela tanto os padrões de comportamento de Joe e as similaridades e diferenças entre as mulheres por quem ele fica obcecado, como o perigoso fascínio que assassinos desenvolvem quando cometem seus crimes, escapam impunes e seja por necessidade ou prazer, se sentem no controle a ponto de repetirem seus atos. Perseguidor e possessivo, entre os gatilhos para o modo de agir violento de Joe está a rejeição por figuras femininas pelas quais ele desenvolve uma paixão obsessiv

67 jornalistas foram mortos em 2012, segundo Comitê para a Proteção dos Jornalistas


O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) publicou que em 2012 foram mortos 67 jornalistas em 20 diferentes países, com motivos confirmados. A organização independente sem fins lucrativos promove a liberdade de imprensa no mundo.

Pontos mais escuros apontam os países onde mais jornalistas morreram.
Foto: Reprodução / Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

Segundo o CPJ, entre os quatro países onde aconteceram mais assassinatos de jornalistas em 2012 estão Síria (28), Somália (12), Paquistão (7) e Brasil (4). Além de países nos quais foram contabilizadas uma morte neste ano, como Rússia, Tailândia, Nigéria, Egito, Índia, Irã, Equador, México, Bangladesh, Bahrein, Colômbia, Tanzânia, Camboja, Indonésia, Filipinas e Líbano.

Os jornalistas cobriam os seguintes gêneros: Política (64%), Guerra (51%), Direitos Humanos (42%), Crime (16%), Cultura (15%), Corrupção (13%), Negócios (9%) e Esportes (3%).

Das 67 mortes, houve 100% de impunidade nos casos de assassinato. A maioria dos jornalistas eram homens (96%) e morreram em territórios locais (94%). Os grupos políticos são suspeitos em 47% dos casos, seguidos por fontes desconhecidas, facções criminosas, funcionários do governo, residentes locais, oficiais militares e força paralimitar.

Ano passado foram assassinados 47 jornalistas e desde 1992 até os dias atuais foram registradas as mortes de 962 jornalistas pelo Comitê para a Proteção dos Jornalistas.

Comentários

Mais lidas da semana