Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Mídia étnica cresce nos Estados Unidos


No dia 27 de novembro de 2012 o Observatório da Imprensa publicou uma entrevista feita com Paulo Rogério Nunes, um publicitário selecionado para uma bolsa de estudos de aperfeiçoamento de carreira nos Estados Unidos, na qual ele compartilha as experiências vividas e aprendizados no país e aborda o crescimento da mídia étnica.

A entrevista foi realizada pelo jornalista Paulo Lima via e-mail e apesar de bem extensa, vale a pena ser lida. O entrevistado conta alguns dos projetos desenvolvidos como bolsista, o modelo de comunicação norte-americano, a mídia voltada para o público negro e a educação.

Confira a entrevista na íntegra: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed722_nos_eua_a_midia_etnica_cresce_mais_que_a_tradicional

Comentários

Mais lidas da semana