Pular para o conteúdo principal

Destaques

Livros: Paixão pela leitura, hiperfoco autista e profissão de escritor

Então, hoje é Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor. Comemoro de forma dupla, como escritor e leitor.


Muita gente me acompanha, mas não me conhece. Alguns vieram recentemente por causa das campanhas de conscientização do autismo.

Outros não faziam ideia de que sou autista/Asperger, afinal, descobri de forma tardia, só aos 29 anos, e no Brasil, muitos profissionais não entendem sobre Síndrome de Asperger, autistas com altas habilidades e camaleões – logo, eu evito julgar quem é leigo no assunto, já que temos um problema estrutural, muitas vezes, associado à falta de leitura e ao desinteresse pela educação.

Se você trabalha na área, no entanto, eu julgo (e muito), afinal, é seu trabalho estar atualizado e não ficar espalhando mitos, preconceitos e mentiras sobre o espectro autista. Já deixei várias indicações de leitura sobre o autismo no meu blog e nas redes sociais.

Mas hoje quero falar sobre algo importante, sobre como os livros mudaram minha vida. Como escritor e alguém que l…

Finais de estórias e relacionamentos

Texto: Ben Oliveira

Encerrar uma estória é mais ou menos como terminar um relacionamento. Você não consegue dizer se se esforçou ao máximo ou se poderia ter feito algo a mais.

Você começa o texto de uma forma, coloca uma palavra aqui, outra ali, imagina um final, mas quando chega o momento de colocar o último ponto final, percebe que a estória ganhou vida própria e nada é como você tinha pensado.

De repente, você está pensando como é que foi deixar aquilo acontecer. Até notar que algumas coisas fogem ao seu controle. Falou demais, de menos, pensou muito, viveu pouco... Aproveitou à sua maneira.

No primeiro dia você se sente um pouco triste. Todo aquele tempo destinado a escrever os capítulos daquela estória se esgotou. Você está olhando para o papel e ainda não caiu a ficha do que aconteceu. Secretamente você desejou que aquilo nunca pudesse acabar.

Após um dia, você relê o texto e acredita que poderia mudar algumas passagens. Talvez tinha alguma frase dita fora do lugar, alguma descrição mal feita, algum pensamento incompreendido. Você se vê mergulhado em águas negras, atormentado por dúvidas e visões relacionadas aos seus ideais.

O terceiro dia é aquele em que você decide o que fará ou não com a estória. Ela está boa? Era o que você pretendia contar? Para te ajudar, você pede para outra pessoa lê-la e não fica surpreso quando vê que ela também está insegura para te dar uma resposta.

Ficar preso naquela indecisão não estava te fazendo bem. Decidiu confrontar os seus medos, suas verdades, sua preguiça. Teria duas escolhas para fazer: ou continuaria revisando aquela estória ou a terminaria de vez. De uma coisa você estava certo, não importava qual caminho seguisse, ainda não acharia que ela estava boa o suficiente ou pronta para se desapegar.

É... Relacionamentos são mais parecidos com estórias do que imaginamos.

Comentários

  1. Ter um amor seria importante, mas se você não conseguiu, se a vida não deu AINDA, ou se a circunstância disse: esse não é o momento.

    Então... Pare, reflita e escreva os próximos capítulos de sua história.

    Mas não tenha dúvidas o amor chegará, talvez de maneira branda, paradoxal, incoerente, todavia amor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana