Pular para o conteúdo principal

Destaques

Espectro Autista: Reflexão sobre conscientização do autismo

Vez ou outra eu recebo mensagens de pessoas pedindo ajuda sobre como trazer mais conscientização em lugares nos quais pouco se sabe sobre autismo. Nem toda cidade tem especialista em autismo, isso é um fato que todo mundo que já precisou de um, sabe como é. Minha dica é: compre/arrecade livros ATUALIZADOS sobre o assunto e/ou livros de ficção (com personagens autistas) e/ou livros escritos por autistas. Recomendo firmemente a literatura, já que a leitura trabalha a empatia e fica mais fácil dos neurotípicos entenderem como é estar 'na nossa pele', mesmo que por alguns minutos.


Não vai dar livro desatualizado, que é um desserviço. Já tem muita desinformação no Brasil. Eu poderia fazer uma lista sobre todos absurdos que leio, mas não vou.

Enfim, não dá para fugir da leitura. Infelizmente, muitos conteúdos brasileiros estão defasados, outros logo vão estar por causa das alterações do CID11 do Espectro Autista [só entra em vigor em 2022]. Tem muita coisa boa produzida pela comunid…

Resenha: Anna e o Beijo Francês - Stephanie Perkins


Texto: Ben Oliveira

Anna e o Beijo Francês é o nome do livro escrito por Stephanie Perkins, publicado no Brasil em 2011 pela editora Novo Conceito e conta a história de uma adolescente norte-americana que é obrigada pelos pais a estudar em um colégio e morar na Cidade da Luz, em Paris.

Os primeiros momentos de Anna na nova cidade e no novo colégio foram péssimos para a garota. Ela teve que aprender a falar francês, se virar longe de sua família e se adaptar com os costumes diferentes.

Ao longo do livro o leitor se envolve com a história da protagonista e acompanha a evolução e os dramas da jovem Anna em um colégio voltado para americanos em Paris, desde as primeiras amizades até o seu progresso com os estudos.

Meredith, St. Clair, Josh e Rashimi fazem parte do novo grupo de amigos que Anna conheceu. E apesar de estar cada vez mais ligada a eles, a garota continua com saudades de sua terra natal, sua família, melhor amiga e do garoto com quem tinha se envolvido, mas não o suficiente para chamar de namorado.

Anna se vê presa em uma situação desconfortável ao se sentir atraída por St. Clair, o garoto do colégio pelo qual muitas garotas se apaixonam, incluindo sua amiga Meredith. Além de ser objeto de paixão de uma de suas melhores amigas, o jovem já tem namorada, Ellie, uma garota que costumava ser amiga do grupo em que Anna convive.

Mergulhe em um colégio parisiense e viva junto com Anna os seus dramas relacionados à amizade e primeiro amor. Assim como a maioria dos estudantes de intercâmbio, Anna descobre que seu lar não é mais na sua cidade natal. Apaixonada, para a jovem, Paris também não é onde pertence. "É possível que lar seja uma pessoa e não um lugar?", declara.

Se eu pudesse definir o livro em algumas palavras seriam: dramas adolescentes, romance e "La Vie", a vida francesa. Ao ler a obra, o leitor é teletransportado para a sua adolescência em um país fascinante, como a França, e consegue aprender um pouco mais sobre a língua, a importância das traduções, literatura e cinema, um dos gostos da protagonista que vive assistindo filmes e fazendo críticas, e é claro, sobre alguns dos pontos turísticos da cidade.

Aos que já visitaram Paris, a vontade de retornar à cidade aumenta; e aos que ainda não conhecem, Anna e o Beijo Francês é um convite irresistível à Cidade da Luz, nem que seja ao folhear as páginas do livro e se imaginar em uma das cidades mais encantadoras do mundo.

Comentários

Mais lidas da semana