Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Resenha: Anna e o Beijo Francês - Stephanie Perkins


Texto: Ben Oliveira

Anna e o Beijo Francês é o nome do livro escrito por Stephanie Perkins, publicado no Brasil em 2011 pela editora Novo Conceito e conta a história de uma adolescente norte-americana que é obrigada pelos pais a estudar em um colégio e morar na Cidade da Luz, em Paris.

Os primeiros momentos de Anna na nova cidade e no novo colégio foram péssimos para a garota. Ela teve que aprender a falar francês, se virar longe de sua família e se adaptar com os costumes diferentes.

Ao longo do livro o leitor se envolve com a história da protagonista e acompanha a evolução e os dramas da jovem Anna em um colégio voltado para americanos em Paris, desde as primeiras amizades até o seu progresso com os estudos.

Meredith, St. Clair, Josh e Rashimi fazem parte do novo grupo de amigos que Anna conheceu. E apesar de estar cada vez mais ligada a eles, a garota continua com saudades de sua terra natal, sua família, melhor amiga e do garoto com quem tinha se envolvido, mas não o suficiente para chamar de namorado.

Anna se vê presa em uma situação desconfortável ao se sentir atraída por St. Clair, o garoto do colégio pelo qual muitas garotas se apaixonam, incluindo sua amiga Meredith. Além de ser objeto de paixão de uma de suas melhores amigas, o jovem já tem namorada, Ellie, uma garota que costumava ser amiga do grupo em que Anna convive.

Mergulhe em um colégio parisiense e viva junto com Anna os seus dramas relacionados à amizade e primeiro amor. Assim como a maioria dos estudantes de intercâmbio, Anna descobre que seu lar não é mais na sua cidade natal. Apaixonada, para a jovem, Paris também não é onde pertence. "É possível que lar seja uma pessoa e não um lugar?", declara.

Se eu pudesse definir o livro em algumas palavras seriam: dramas adolescentes, romance e "La Vie", a vida francesa. Ao ler a obra, o leitor é teletransportado para a sua adolescência em um país fascinante, como a França, e consegue aprender um pouco mais sobre a língua, a importância das traduções, literatura e cinema, um dos gostos da protagonista que vive assistindo filmes e fazendo críticas, e é claro, sobre alguns dos pontos turísticos da cidade.

Aos que já visitaram Paris, a vontade de retornar à cidade aumenta; e aos que ainda não conhecem, Anna e o Beijo Francês é um convite irresistível à Cidade da Luz, nem que seja ao folhear as páginas do livro e se imaginar em uma das cidades mais encantadoras do mundo.

Comentários

Mais lidas da semana