Pular para o conteúdo principal

Destaques

Um Conto Taiwanês de Duas Cidades: Série de romance e drama explora raízes, sonhos e amores

Uma série de romance e drama sobre duas mulheres conectadas por suas raízes de Taiwan, mas que seguiram caminhos bem diferentes e com personalidades moldadas pelas cidades em que viveram: enquanto uma cresceu em San Francisco, nos Estados Unidos, a outra passou a vida inteira em Taipei. A série A Taiwanese Tale of Two Cities (Um Conto Taiwanês de Duas Cidades, 2018) balanceia os idiomas e experiências culturais dos dois países, criando uma experiência prazerosa para quem deseja visitar ambos destinos turísticos. Essa produção taiwanesa foi um dos achados na Netflix . A mulher que nunca saiu do país, abraça as raízes da medicina chinesa e por causa do seu histórico de saúde frágil abriu mão de muitas coisas fora de sua zona de conforto, Lee Nien-Nien (Tammy Chen) que coincidentemente sonhava em conhecer San Francisco, acaba conhecendo a taiwanesa-americana Josephine Huang (Peggy Tseng), que embora tivesse curiosidades sobre sua origem, passou praticamente a vida toda nos Estados Unidos

Resenha: Anna e o Beijo Francês - Stephanie Perkins


Texto: Ben Oliveira

Anna e o Beijo Francês é o nome do livro escrito por Stephanie Perkins, publicado no Brasil em 2011 pela editora Novo Conceito e conta a história de uma adolescente norte-americana que é obrigada pelos pais a estudar em um colégio e morar na Cidade da Luz, em Paris.

Os primeiros momentos de Anna na nova cidade e no novo colégio foram péssimos para a garota. Ela teve que aprender a falar francês, se virar longe de sua família e se adaptar com os costumes diferentes.

Ao longo do livro o leitor se envolve com a história da protagonista e acompanha a evolução e os dramas da jovem Anna em um colégio voltado para americanos em Paris, desde as primeiras amizades até o seu progresso com os estudos.

Meredith, St. Clair, Josh e Rashimi fazem parte do novo grupo de amigos que Anna conheceu. E apesar de estar cada vez mais ligada a eles, a garota continua com saudades de sua terra natal, sua família, melhor amiga e do garoto com quem tinha se envolvido, mas não o suficiente para chamar de namorado.

Anna se vê presa em uma situação desconfortável ao se sentir atraída por St. Clair, o garoto do colégio pelo qual muitas garotas se apaixonam, incluindo sua amiga Meredith. Além de ser objeto de paixão de uma de suas melhores amigas, o jovem já tem namorada, Ellie, uma garota que costumava ser amiga do grupo em que Anna convive.

Mergulhe em um colégio parisiense e viva junto com Anna os seus dramas relacionados à amizade e primeiro amor. Assim como a maioria dos estudantes de intercâmbio, Anna descobre que seu lar não é mais na sua cidade natal. Apaixonada, para a jovem, Paris também não é onde pertence. "É possível que lar seja uma pessoa e não um lugar?", declara.

Se eu pudesse definir o livro em algumas palavras seriam: dramas adolescentes, romance e "La Vie", a vida francesa. Ao ler a obra, o leitor é teletransportado para a sua adolescência em um país fascinante, como a França, e consegue aprender um pouco mais sobre a língua, a importância das traduções, literatura e cinema, um dos gostos da protagonista que vive assistindo filmes e fazendo críticas, e é claro, sobre alguns dos pontos turísticos da cidade.

Aos que já visitaram Paris, a vontade de retornar à cidade aumenta; e aos que ainda não conhecem, Anna e o Beijo Francês é um convite irresistível à Cidade da Luz, nem que seja ao folhear as páginas do livro e se imaginar em uma das cidades mais encantadoras do mundo.

Comentários

Mais lidas da semana