Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Neurociências, ajustes e discussões que vão além do social

O céu de um autista pode ser o inferno do outro. Somos diferentes em todos critérios. Cada caso é um caso.



Comparar um autista como eu, que sou camaleão e tenho autonomia com um que precise de mais apoio e tenha mais limitações sensoriais não seria justo.

Eu ressalto que todo autista deve lembrar disso quando produzir conteúdo. Não adianta achar que existe um modelo único de inclusão, se ao priorizar algumas coisas, você deixa de lado outras. Por isso, abordar a questão do autismo é algo muito complexo. Da mesma forma, que não existe um personagem da ficção ou uma pessoa autista que vai representar o espectro autista inteiro.

Os ajustes que são feitos para alguns, podem ser desajustes para outros. Por isso dizemos que existem vários autismos, independente do grau.
Do mesmo modo que não existem dois autistas iguais, não existem dois aspies iguais (pessoas com Síndrome de Asperger); não existem dois aspies com superdotação iguais (pessoas com Dupla Excepcionalidade). Somos todos diferent…

A Invenção de Hugo Cabret

A Invenção de Hugo Cabret é um filme sobre sonhos, propósitos, amor ao cinema e como uma vida sem paixão pelo que faz, esperança e transformações podem fazer com que uma pessoa viva, ou melhor sobreviva, miserável.

Lançado em 2011, Hugo – título original do filme – foi dirigido por Martin Scorsese e tem como protagonistas Hugo Cabret (Asa Butterfield), Isabelle (Chloë Grace Moretz), Ben Kigsley (Georges Méliès) e Sacha Baron Cohen (Inspetor da Estação).

Filho de um relojoeiro, Hugo perde o seu pai em um incêndio e um autômato achado – uma espécie de robô da época, lembrando que o filme se passa em Paris, nos anos de 1930 –, se torna uma missão para o menino. Hugo fica procurando pelas peças corretas para fazer o boneco mecânico funcionar novamente e quem sabe, receber uma mensagem do seu pai.

Entre os dias de solidão, roubando comidas e brinquedos para conseguir as peças que precisava, consertando os relógios da estação e tentando escapar do inspetor da estação – um homem obcecado por mandar crianças para o orfanato –, o jovem Hugo vê no autômato um propósito. O garoto precisa trabalhar com Georges para recuperar sua caderneta de anotações.

Com a ajuda de Isabelle, a afilhada de Georges Méliès, o dono de uma banca de brinquedos na estação, Hugo consegue a última coisa que faltava para fazer o autômato funcionar: uma chave no formato de coração.

Quando o boneco finalmente funciona, Hugo imagina que o mesmo está quebrado. Com um desenho feito pela máquina, o jovem tenta encontrar o significado e descobre que o dono da banca de brinquedos, George Méliès, na verdade é um ex-mágico e cineasta responsável pela produção de centenas de filmes.

Hugo é um convite para um mundo movido pelos desejos. Seja pela linda fotografia do filme, mostrando alguns dos cenários de Paris; trilha sonora emocionante; pelo roteiro, atuações e mensagens por trás da história, A Invenção de Hugo Cabret proporciona aproximadamente duas horas de uma viagem, literalmente, para o mundo do cinema.

Comentários

Mais lidas da semana