Pular para o conteúdo principal

Destaques

12 Graphic Novels que você precisa ler

Começou como uma forma de experimentação na leitura. Apesar de gostar de tirinhas, nunca tinha me aventurado pelo universo das graphic novels, como aconteceu há alguns anos – pelo menos, não de forma que me interessasse.

Percebo que cada vez mais pessoas estão se interessando pelos diferentes formatos de narrativas. Acho válida toda forma de contação de histórias e acredito que elas podem criar experiências complementares. Há espaço para todos gostos.


Com doze indicações de leitura, dá para ler um livro por mês ou ler todos em um só mês, dependendo do ritmo de leitura e da fome por histórias de cada um. Entre temáticas mais sociais e outras mais fantasiosas, as graphic novels podem ser uma porta de entrada para outros livros, como podem ocupar um espaço central no coração de quem é aficionado por histórias ilustradas.

Histórias que podem ir muito além de um passa-tempo, como se acreditava antigamente, mas também proporcionar reflexões sobre a vida, juntando o melhor dos dois mundos: d…

A Invenção de Hugo Cabret

A Invenção de Hugo Cabret é um filme sobre sonhos, propósitos, amor ao cinema e como uma vida sem paixão pelo que faz, esperança e transformações podem fazer com que uma pessoa viva, ou melhor sobreviva, miserável.

Lançado em 2011, Hugo – título original do filme – foi dirigido por Martin Scorsese e tem como protagonistas Hugo Cabret (Asa Butterfield), Isabelle (Chloë Grace Moretz), Ben Kigsley (Georges Méliès) e Sacha Baron Cohen (Inspetor da Estação).

Filho de um relojoeiro, Hugo perde o seu pai em um incêndio e um autômato achado – uma espécie de robô da época, lembrando que o filme se passa em Paris, nos anos de 1930 –, se torna uma missão para o menino. Hugo fica procurando pelas peças corretas para fazer o boneco mecânico funcionar novamente e quem sabe, receber uma mensagem do seu pai.

Entre os dias de solidão, roubando comidas e brinquedos para conseguir as peças que precisava, consertando os relógios da estação e tentando escapar do inspetor da estação – um homem obcecado por mandar crianças para o orfanato –, o jovem Hugo vê no autômato um propósito. O garoto precisa trabalhar com Georges para recuperar sua caderneta de anotações.

Com a ajuda de Isabelle, a afilhada de Georges Méliès, o dono de uma banca de brinquedos na estação, Hugo consegue a última coisa que faltava para fazer o autômato funcionar: uma chave no formato de coração.

Quando o boneco finalmente funciona, Hugo imagina que o mesmo está quebrado. Com um desenho feito pela máquina, o jovem tenta encontrar o significado e descobre que o dono da banca de brinquedos, George Méliès, na verdade é um ex-mágico e cineasta responsável pela produção de centenas de filmes.

Hugo é um convite para um mundo movido pelos desejos. Seja pela linda fotografia do filme, mostrando alguns dos cenários de Paris; trilha sonora emocionante; pelo roteiro, atuações e mensagens por trás da história, A Invenção de Hugo Cabret proporciona aproximadamente duas horas de uma viagem, literalmente, para o mundo do cinema.

Comentários

Mais lidas da semana