Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Candyman – Clive Barker

Um presente para os leitores de Clive Barker, assim é a edição para colecionadores de Candyman, publicada pela editora DarkSide Books, em janeiro de 2019, com tradução de Eduardo Alves e posfácio de Carlos Primati.


Encontre o livro Candyman (Clive Barker): https://amzn.to/2ZdA32y

Candyman (The Forbidden) é um conto, portanto a leitura é enxuta, mas envolvente, e transporta o leitor para o clima de lendas urbanas. Embora já não sejam mais comuns na tradição oral e tenham ganhado o ambiente virtual, histórias sobre acontecimentos assustadores e questionáveis fazem parte da existência humana.

Com uma atmosfera sombria e mais urbana, Clive Barker leva o leitor ao gueto, onde a violência e a criminalidade por si só já contrastam com a realidade de outros bairros da cidade e acabam tão banalizadas que a história faz a personagem principal, Helen, se interessar pelo caso contado por uma das moradoras.

“E as histórias que contaram para ela – seriam confissões de crimes não cometidos, relatos do …

A Invenção de Hugo Cabret

A Invenção de Hugo Cabret é um filme sobre sonhos, propósitos, amor ao cinema e como uma vida sem paixão pelo que faz, esperança e transformações podem fazer com que uma pessoa viva, ou melhor sobreviva, miserável.

Lançado em 2011, Hugo – título original do filme – foi dirigido por Martin Scorsese e tem como protagonistas Hugo Cabret (Asa Butterfield), Isabelle (Chloë Grace Moretz), Ben Kigsley (Georges Méliès) e Sacha Baron Cohen (Inspetor da Estação).

Filho de um relojoeiro, Hugo perde o seu pai em um incêndio e um autômato achado – uma espécie de robô da época, lembrando que o filme se passa em Paris, nos anos de 1930 –, se torna uma missão para o menino. Hugo fica procurando pelas peças corretas para fazer o boneco mecânico funcionar novamente e quem sabe, receber uma mensagem do seu pai.

Entre os dias de solidão, roubando comidas e brinquedos para conseguir as peças que precisava, consertando os relógios da estação e tentando escapar do inspetor da estação – um homem obcecado por mandar crianças para o orfanato –, o jovem Hugo vê no autômato um propósito. O garoto precisa trabalhar com Georges para recuperar sua caderneta de anotações.

Com a ajuda de Isabelle, a afilhada de Georges Méliès, o dono de uma banca de brinquedos na estação, Hugo consegue a última coisa que faltava para fazer o autômato funcionar: uma chave no formato de coração.

Quando o boneco finalmente funciona, Hugo imagina que o mesmo está quebrado. Com um desenho feito pela máquina, o jovem tenta encontrar o significado e descobre que o dono da banca de brinquedos, George Méliès, na verdade é um ex-mágico e cineasta responsável pela produção de centenas de filmes.

Hugo é um convite para um mundo movido pelos desejos. Seja pela linda fotografia do filme, mostrando alguns dos cenários de Paris; trilha sonora emocionante; pelo roteiro, atuações e mensagens por trás da história, A Invenção de Hugo Cabret proporciona aproximadamente duas horas de uma viagem, literalmente, para o mundo do cinema.

Comentários

Mais lidas da semana