Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Neurociências, ajustes e discussões que vão além do social

O céu de um autista pode ser o inferno do outro. Somos diferentes em todos critérios. Cada caso é um caso.



Comparar um autista como eu, que sou camaleão e tenho autonomia com um que precise de mais apoio e tenha mais limitações sensoriais não seria justo.

Eu ressalto que todo autista deve lembrar disso quando produzir conteúdo. Não adianta achar que existe um modelo único de inclusão, se ao priorizar algumas coisas, você deixa de lado outras. Por isso, abordar a questão do autismo é algo muito complexo. Da mesma forma, que não existe um personagem da ficção ou uma pessoa autista que vai representar o espectro autista inteiro.

Os ajustes que são feitos para alguns, podem ser desajustes para outros. Por isso dizemos que existem vários autismos, independente do grau.
Do mesmo modo que não existem dois autistas iguais, não existem dois aspies iguais (pessoas com Síndrome de Asperger); não existem dois aspies com superdotação iguais (pessoas com Dupla Excepcionalidade). Somos todos diferent…

Morte: Nosso segundo maior presente - Julio Mesquita


A morte é um bem a ser recebido, acredito. A retórica se repete, porém sem nenhum compromisso filosófico, contrariando o costume de uma verbalização insensata, minimizando os caprichos intelectuais que, muitas das vezes, só atrapalham a concretização de uma concepção bem mais próxima de um suposto ideal. E, tendo Nietzsche conduzido a questão com maestria, fica para nós, a incumbência do molde do quadro já pintado. Portanto, observando assim, facilita bastante a trajetória de um novo raciocínio, o que abrange horizontalmente, no sentido do que ainda se discute e que é provado.

Nessa proposição por mim formulada, darei um leque irrestrito e avaliado que claro, estará aberto a questionamentos, como qualquer diálogo democrático. E mesmo em virtude de me confrontar com determinados sincretismos religiosos, habilito-me a reverberações que me convençam do contrário ou que me tragam elementos incógnitos, não antes, mas bem depois, a tudo o que já foi dito e escrito. Reafirmo: a morte é um bem a ser recebido. Se não for isso, é a própria glória se materializando no material, criando um portal indivisível, no qual todos nós teremos que passar para que se realize o plano divino. Você acredita nisso? Não? É aí que eu me proponho a explicar.

É bem verdade que ninguém, exceto Lazaro, ressuscitado, como diz a bíblia, experimentou a morte para a santificação de Jesus Cristo. Mediante a isso, foquemos a chance de que esse fato, se é que é, volte a se repetir no decorrer dos séculos e milênios, se o planeta, importante dizer, ainda suportar a imposição da presença humana. Indiferentemente aos sentimentos, a morte se constitui dizimando, sem qualquer critério, o que está vivo, o que se mexe, o que planeja, o que sofre ou é feliz, provocando perplexidade nos que ficam, também aguardando o seu súbito momento.

Eficiente, ela não argumenta e nem é estrategista, só executa a função da qual se orgulha, pois julga para si ser a melhor, a mais nobre de todas, o Serafim da prática no conglomerado universo, por onde sua lei se estende, até os confins das estrelas, fazendo o que realmente compete a ela fazer: resumir com um ciclo.

Há quem diga ter experimentado a morte, ter vivido após ter morrido, isso por minutos, por meses e anos, como nos comas induzidos ou involuntariamente, e que nem mesmo a ciência soube explicar muito bem, para nossa satisfação e esclarecimento. Porém, o blábláblá é tão clichê, que irrita, principalmente a mim. Nuvens, fumaça, luz, áureas, anjos, jardins, gnomos, cristal, ouro, estrada, aves, aff!!! Não duvido que afirmem ter visto o elo perdido, o planeta dos macacos, já que tudo é possível a esses lunáticos em potencial. É natural que reproduzamos imagens nos sonhos, quando dormimos ou estamos induzidos a ele, aquilo que repetidas vezes ouvimos falar, lemos ou imaginamos do paraíso, do mundo extrafísico, do suposto céu, do Éden, de Adão e Eva. Isso quando não é o inferno o foco do imaginário do indivíduo. Aí, a psique do doidão projeta o fogo, capetas, garfos tridentes, grandes caldeiras transbordando um líquido indizível, fedendo a enxofre e borbulhando. O subconsciente reproduz todas aquelas histórias da nossa infância, do medo que nos aflige, além do que também almejamos.

Muito escutei dizer que a vida é nosso maior presente. Se for o maior, a morte ocupa o segundo lugar no ranking das dádivas divinas que nos são dadas. (Voltarei ao assunto)

*Julio mesquita é publicitário e escritor. Site / E-mail: mesquita.julio@uol.com.br

Comentários

Mais lidas da semana