Pular para o conteúdo principal

Destaques

Um Conto Taiwanês de Duas Cidades: Série de romance e drama explora raízes, sonhos e amores

Uma série de romance e drama sobre duas mulheres conectadas por suas raízes de Taiwan, mas que seguiram caminhos bem diferentes e com personalidades moldadas pelas cidades em que viveram: enquanto uma cresceu em San Francisco, nos Estados Unidos, a outra passou a vida inteira em Taipei. A série A Taiwanese Tale of Two Cities (Um Conto Taiwanês de Duas Cidades, 2018) balanceia os idiomas e experiências culturais dos dois países, criando uma experiência prazerosa para quem deseja visitar ambos destinos turísticos. Essa produção taiwanesa foi um dos achados na Netflix . A mulher que nunca saiu do país, abraça as raízes da medicina chinesa e por causa do seu histórico de saúde frágil abriu mão de muitas coisas fora de sua zona de conforto, Lee Nien-Nien (Tammy Chen) que coincidentemente sonhava em conhecer San Francisco, acaba conhecendo a taiwanesa-americana Josephine Huang (Peggy Tseng), que embora tivesse curiosidades sobre sua origem, passou praticamente a vida toda nos Estados Unidos

Problemas dos tempos modernos - Julio Mesquita

A imagem que agora me vem à mente é a figura mítica de um cavalo alado, de asas angelicais, uma aparição única de forte impacto aos olhos das pessoas supostamente normais. Existe algo mais poético? Mas, é claro que, um animal com esta anatomia, aparecendo aqui logo irão capturá-lo e levá-lo para um circo qualquer.

O antropólogo e professor Darcy Ribeiro, numa entrevista descontraída, disse: “A educação é o primeiro alimento do homem” Enquanto estou escrevendo, o mundo lá fora está rumo ao conhecimento de novos elementos. Pois bem. Acho que a figura da homossexualidade tornou-se esse cavalo alado, o unicórnio da (Caverna dos Dragões), que muito assisti quando ainda era bem inocente. Penso que muitos vêem como algo mítico, coisa do outro mundo, se bem que na época das grandes guerras antes mesmo do cristianismo, o homem já se enamorava por outro homem naturalmente como já é do conhecimento de todos.

“Portanto, é bom deixar bem claro aqui, que no mundo em que vivemos hoje cheio de informações e direitos adquiridos, que existem leis e medidas jurídicas de retorno sócio-educativo para punir tais delitos homofóbicos. Homofobia não é um equívoco, homofobia é crime de lesa aos direitos sociais! Produz violência, discriminação, dor, perda e exclusão de uma camada que vive em grupo. Minimizá-lo significa descriminalizá-lo perante a sociedade tornando-o algo de menos importância e torná-lo mero delito de pequeno potencial ofensivo resultará, consequentemente, na redução da culpa, na pena do réu e na aplicabilidade do mesmo em todas as esferas judiciais.”

Portanto, digo-lhes que chamo desse modo toda representação capaz de nos fazer entrever correlação e interdependência entre essas esferas vitais que tendemos a separar: a lei, conhecimento e razão, saber e arte, matéria e espírito, sentimento e emoção, antiguidade e modernidade.... Em vez de compartimentar, é preciso ligar, articular, unir e dar conotação humana ao que todos chamam de homossexualidade.

Essencialmente, a significação dessas proposições que são apenas uma repetição de tudo o que se desejou, praticou e não se legalizou. Devo, em atenção ao pai da filosofia, colocar em parênteses minhas convicções; convicções estas que tenho certeza de que todos meus leitores também compartilham.

A filosofia tem muito a ensinar sobre tudo isso. O poderoso Platão dizia: (somos sensações, somos mutáveis e imprevisíveis). Quer dizer que não é de se espantar ao mudarmos o rumo. Caminhar é preciso, diz o ditado. Tendo em mente essas características do platonismo, corre se o risco de privilegiarmos tudo o que se transmuta. Si é assim, assunto encerrado.


*Julio Mesquita é publicitário e escritor. www.juliomesquitaescritor.com / E-mail:mesquita.julio@uol.com.br

Comentários

Mais lidas da semana