Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

Resenha: Design para quem não é designer - Robin Williams

Design para quem não é designer: noções básicas de planejamento visual, escrito por Robin Williams e publicado em 1995 no Brasil, pela Editora Callis, é um livro voltado para quem não tem tempo ou vontade de estudar design e tipografia, mas deseja aprender a criar conteúdos com uma estética melhor.

Como a própria autora lembra o livro não tem a pretensão de formar designers, porém através da apresentação dos conceitos básicos pode-se produzir trabalhos com uma aparência mais profissional, organizada, unificada e interessante.

O livro aborda os quatro princípios básicos do design: contraste (elementos similares em uma página), repetição (organização), alinhamento (aparência limpa) e proximidade (unidade visual).

Com vários exemplos, à medida que o conteúdo vai desenrolando, a autora ensina ao leitor como trabalhar cada um dos princípios básicos do Design. Não basta conhecer a teoria se não é possível colocá-la em prática. Cartões de visitas, capas de relatórios, convites, flyers, diagramação de jornais, revistas e livros estão entre os exemplos citados por Robin Williams.

Por meio da explicação de Robin Williams, quem não é designer consegue entender porque alguns textos ficam alinhados de tal maneira e não de outra, quais são os elementos de repetição que deixam o material com a mesma cara, onde colocar fios, usar negrito, itálico, imagens, símbolos, títulos, subtítulos, textos. Através das dicas transmitidas no livro, aprende-se como deixar o conteúdo visual mais atraente, o que pode ajudar a despertar o interesse dos leitores, absorver as informações com mais facilidade e diferenciar um produto informativo de outro.

A segunda parte do livro aborda a criação através da tipologia (tipos, letras), na qual o autor descreve como é possível conhecer os diferentes tipos de fontes, qual é a mais adequada para determinado material, como combinar mais de uma fonte, de forma a não atrapalhar a comunicação.

De acordo com Robin Williams a relação entre tipos pode ser: concordante (harmoniosa), conflitante (incômoda) e contrastante (visualmente interessante). Aprendendo a importância de combinar fontes, suas similaridades e variações, o leitor consegue evitar problemas na dinâmica dos elementos de uma página.

A autora classifica as fontes em seis tipos: Estilo Antigo, Moderno, Serifa Grossa, Sem Serifa, Manuscrito e Decorativo, explicando como compreender os detalhes das letras e dos seus grupos ajuda na combinação dos tipos. Depois de entender os grupos de tipos, o livro auxilia com várias maneiras de contrastar os tipos a fim de deixar o material com um visual mais interessante e melhorar a comunicação. Entre os contrastes abordados no livro estão: tamanho, peso (espessura dos traços), estrutura, forma (formato), direção (inclinação) e cor (cores quentes e cores frias).

Robin Williams ajuda a transformar o leitor em alguém “visualmente consciente”, termo usado por ela, através dos resumos, desafios, exercícios e propondo processos utilizando cada uma das informações recebidas.

Com uma leitura leve e fácil, recomendo o livro para quem deseja aprender um pouco sobre o universo do design e colocar em prática, como acadêmicos dos cursos de Design, Comunicação Social (Jornalismo e Publicidade e Propaganda) e pessoas interessadas em criar produtos visuais com harmonia, sem se aprofundar no estudo do design, com praticidade. O livro é bem técnico e não traz muitas reflexões, como se fosse uma oficina rápida sobre design, criação de materiais visuais e os seus elementos.

Comentários

  1. Tenho este livro e estou terminando de ler a versão e-book é realmente sensacional e amplia muito a visão criativa de páginas e cartazes em geral. Gostei muito, parabéns pela matéria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado do livro. Também gostei do livro, principalmente por não ter muitos conhecimentos sobre design. É sempre bom aprender! Obrigado pela visita e pelo comentário.
      Abraço!

      Excluir
  2. Era justamente o que eu estava precisando, valeu a dica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Izilda! Fico muito feliz que a recomendação de leitura tenha te ajudado!

      Abraços e volte sempre ;-)

      Excluir
  3. Respostas
    1. Fico feliz em ter ajudado, Ander!
      Gratidão pela leitura e comentário.
      Abraço

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana