Pular para o conteúdo principal

Destaques

Neurodiversidade: Autismo não só biológico ou só identidade social

A Neurodiversidade dá um tiro no pé ao tratar o autismo como algo meramente social (identidade social), ignorando as particularidades neurobiológicas de CADA autista. Mas o extremismo científico também erra ao ver como algo meramente biológico, ou até mesmo patológico.


O ideal seria ver o melhor dos dois mundos, algo impossível diante da polarização. Todo mundo sai perdendo.

É utopia esperar que a sociedade vá se adequar completamente aos autistas, especialmente porque cada autista pode ser completamente diferente do outro. O ambiente adaptado para um autista, é o ambiente desadaptado para o outro – isso entre os próprios autistas.

Enquanto as pessoas continuarem tratando o autismo como algo 'universal', ignorando as especificidades, esse debate não vai para frente.

O Asperger que não precisa interagir com os outros, não precisa trabalhar, não precisa fazer nada que o tire da zona de conforto, talvez não sinta muita dificuldade em viver em um mundo não adaptado. Mas não é a re…

Escrita Pausada

Estou sentando em frente ao computador. Meus dedos se movem com agilidade, porém os meus pensamentos estão confusos. Não tenho certeza sobre o que eu quero escrever ou tenho e estou sempre procurando algum motivo para não continuar?

Levanto-me e vou até o livro mais próximo. Ele está aberto e faltam poucas páginas para concluir sua leitura. As palavras tremem diante dos meus olhos até chegar ao espaço em branco. Fecho o livro e guardo.

Sento-me novamente e tento me concentrar no que eu estou fazendo. Por que é tão difícil parar tudo e fazer só uma coisa? Queria tanto disciplinar a minha mente, a minha alma e o meu corpo.

De volta ao texto, as palavras fluem até eu olhar para outro livro, me lembrar do meu e-mail, ver se recebi alguma mensagem importante. Penso no trabalho árduo que outros escritores tiveram e me concentro novamente. No meio do meu conto, paro de escrevê-lo para contar-lhes esta história.

Coloco o ponto final e tento voltar ao que eu estava fazendo. Desta vez, sem mais pausas.

Comentários

  1. Bonito texto. Gostei. Parabéns. Demonstra como a vaziez algumas vezes nos deriva (escritores) de nosso objetivo maior: escrever, simplesmente escrever.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita e pelo comentário, Robert! Às vezes, sinto vontade de me fugir para as montanhas para escrever. Ter alguns minutos sem outras preocupações. Acredito que escrever nos dias atuais seja mais complicado do que nos séculos passados, afinal, o número de distrações não para de aumentar.
      Abraço

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana