Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Ler, Procrastinar e Escrever

Termino uma xícara de café, seguro o livro e prometo que vou começar a escrever logo. Sinto uma vontade irresistível de interromper a minha leitura somente quando estiver lendo a última frase. A palavra grita em minha mente: procrastinação.

O meu ciclo se repete diariamente. Preciso de livros e café, muito café. Abro o manuscrito, um romance que estou escrevendo há meses e por mais que eu saiba como sua história vai terminar, é como se os personagens tivessem ganhado vida própria. Tenho o começo e o fim, porém é como se eu estivesse preso dentro da narrativa.

Prometi que logo escreveria, eu sei, mas minhas ações se repetem novamente. Desço as escadas, esquento a água e preparo um café. Enquanto eu adoço o líquido escuro, folheio as páginas do livro. Sinto-me amaldiçoado, por esta palavra tão pouco usada, porém que define o que todos nós fazemos sempre – procrastinar, deixar para depois, enrolar para começar algo. Já não preciso mais de dicionário para reconhecer o seu significado, o verbo tornou-se constante na minha vida.

Sento ao lado do meu computador e o deixo me esperando, como uma criança desobediente cumprindo o seu castigo. Retorno às páginas do livro e não consigo parar de pensar no quanto é irônico ler sobre técnicas para desenvolver a imaginação, evitar os bloqueios criativos e expressar ideias, quando esta leitura está me segurando.

Desisto de lutar contra a minha própria mente. Quando ela se render, talvez será a hora de deixar minhas mãos guiarem os meus pensamentos e fazer a mágica acontecer. A tela em branco será preenchida pelas palavras. Enquanto estou aprisionado pelas teias, procuro alimentar o meu cérebro e quem sabe da sua digestão ou indigestão surjam novas ideias.

Sei que no outro dia tudo vai se repetir. É tudo igual e tudo diferente ao mesmo tempo. Ainda estou aprendendo a me domar. Café e livros estão garantidos. Mais escrita, por favor, peço ao meu subconsciente gentilmente.

Mesmo sendo submisso à escrita, prefiro construir uma relação de amizade e respeito com as letras a ter que obrigá-las a me amarem e temerem. Sou criador e refém das minhas histórias. Ou talvez tenha encontrado uma nova maneira de procrastinar, mais uma ação para aumentar o meu ciclo, escrever sobre não conseguir escrever, para não ficar sem escrever.

*Ben Oliveira

Comentários

Mais lidas da semana