Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: O Sol Ainda Brilha – Anthony Ray Hinton

Liberdade é uma palavra duvidosa, mas talvez faça mais sentido quando somos mais privados dela ainda. No livro O Sol Ainda Brilha (The Sun Does Shine), escrito por Anthony Ray Hinton com Lara Love Hardin, o leitor é apresentado à história trágica de um homem que passou 30 anos no corredor da morte por assassinatos que não cometeu. A obra foi publicada no Brasil pela Editora Vestígio, em 2019, com tradução de Luis Reyes Gil.


Compre o livro O Sol Ainda Brilha (Anthony Ray Hinton com Lara Love Hardin): https://amzn.to/2qLwYeP

Quem poderá dizer que é realmente livre? Ou que acredita que a justiça sempre acerta? O Sol Ainda Brilha pode servir como um conto caucionário sobre o sistema judiciário, especialmente em regiões com penas mais severas. O autor nos faz refletir sobre a existência de outras pessoas inocentes que também foram mandadas para o corredor da morte.

“Os sons à noite davam a impressão de se estar no meio de um filme de horror – criaturas rastejando, homens gemendo, gritando ou…

Ler, Procrastinar e Escrever

Termino uma xícara de café, seguro o livro e prometo que vou começar a escrever logo. Sinto uma vontade irresistível de interromper a minha leitura somente quando estiver lendo a última frase. A palavra grita em minha mente: procrastinação.

O meu ciclo se repete diariamente. Preciso de livros e café, muito café. Abro o manuscrito, um romance que estou escrevendo há meses e por mais que eu saiba como sua história vai terminar, é como se os personagens tivessem ganhado vida própria. Tenho o começo e o fim, porém é como se eu estivesse preso dentro da narrativa.

Prometi que logo escreveria, eu sei, mas minhas ações se repetem novamente. Desço as escadas, esquento a água e preparo um café. Enquanto eu adoço o líquido escuro, folheio as páginas do livro. Sinto-me amaldiçoado, por esta palavra tão pouco usada, porém que define o que todos nós fazemos sempre – procrastinar, deixar para depois, enrolar para começar algo. Já não preciso mais de dicionário para reconhecer o seu significado, o verbo tornou-se constante na minha vida.

Sento ao lado do meu computador e o deixo me esperando, como uma criança desobediente cumprindo o seu castigo. Retorno às páginas do livro e não consigo parar de pensar no quanto é irônico ler sobre técnicas para desenvolver a imaginação, evitar os bloqueios criativos e expressar ideias, quando esta leitura está me segurando.

Desisto de lutar contra a minha própria mente. Quando ela se render, talvez será a hora de deixar minhas mãos guiarem os meus pensamentos e fazer a mágica acontecer. A tela em branco será preenchida pelas palavras. Enquanto estou aprisionado pelas teias, procuro alimentar o meu cérebro e quem sabe da sua digestão ou indigestão surjam novas ideias.

Sei que no outro dia tudo vai se repetir. É tudo igual e tudo diferente ao mesmo tempo. Ainda estou aprendendo a me domar. Café e livros estão garantidos. Mais escrita, por favor, peço ao meu subconsciente gentilmente.

Mesmo sendo submisso à escrita, prefiro construir uma relação de amizade e respeito com as letras a ter que obrigá-las a me amarem e temerem. Sou criador e refém das minhas histórias. Ou talvez tenha encontrado uma nova maneira de procrastinar, mais uma ação para aumentar o meu ciclo, escrever sobre não conseguir escrever, para não ficar sem escrever.

*Ben Oliveira

Comentários

Mais lidas da semana