Pular para o conteúdo principal

Destaques

Um Conto Taiwanês de Duas Cidades: Série de romance e drama explora raízes, sonhos e amores

Uma série de romance e drama sobre duas mulheres conectadas por suas raízes de Taiwan, mas que seguiram caminhos bem diferentes e com personalidades moldadas pelas cidades em que viveram: enquanto uma cresceu em San Francisco, nos Estados Unidos, a outra passou a vida inteira em Taipei. A série A Taiwanese Tale of Two Cities (Um Conto Taiwanês de Duas Cidades, 2018) balanceia os idiomas e experiências culturais dos dois países, criando uma experiência prazerosa para quem deseja visitar ambos destinos turísticos. Essa produção taiwanesa foi um dos achados na Netflix . A mulher que nunca saiu do país, abraça as raízes da medicina chinesa e por causa do seu histórico de saúde frágil abriu mão de muitas coisas fora de sua zona de conforto, Lee Nien-Nien (Tammy Chen) que coincidentemente sonhava em conhecer San Francisco, acaba conhecendo a taiwanesa-americana Josephine Huang (Peggy Tseng), que embora tivesse curiosidades sobre sua origem, passou praticamente a vida toda nos Estados Unidos

Ler, Procrastinar e Escrever

Termino uma xícara de café, seguro o livro e prometo que vou começar a escrever logo. Sinto uma vontade irresistível de interromper a minha leitura somente quando estiver lendo a última frase. A palavra grita em minha mente: procrastinação.

O meu ciclo se repete diariamente. Preciso de livros e café, muito café. Abro o manuscrito, um romance que estou escrevendo há meses e por mais que eu saiba como sua história vai terminar, é como se os personagens tivessem ganhado vida própria. Tenho o começo e o fim, porém é como se eu estivesse preso dentro da narrativa.

Prometi que logo escreveria, eu sei, mas minhas ações se repetem novamente. Desço as escadas, esquento a água e preparo um café. Enquanto eu adoço o líquido escuro, folheio as páginas do livro. Sinto-me amaldiçoado, por esta palavra tão pouco usada, porém que define o que todos nós fazemos sempre – procrastinar, deixar para depois, enrolar para começar algo. Já não preciso mais de dicionário para reconhecer o seu significado, o verbo tornou-se constante na minha vida.

Sento ao lado do meu computador e o deixo me esperando, como uma criança desobediente cumprindo o seu castigo. Retorno às páginas do livro e não consigo parar de pensar no quanto é irônico ler sobre técnicas para desenvolver a imaginação, evitar os bloqueios criativos e expressar ideias, quando esta leitura está me segurando.

Desisto de lutar contra a minha própria mente. Quando ela se render, talvez será a hora de deixar minhas mãos guiarem os meus pensamentos e fazer a mágica acontecer. A tela em branco será preenchida pelas palavras. Enquanto estou aprisionado pelas teias, procuro alimentar o meu cérebro e quem sabe da sua digestão ou indigestão surjam novas ideias.

Sei que no outro dia tudo vai se repetir. É tudo igual e tudo diferente ao mesmo tempo. Ainda estou aprendendo a me domar. Café e livros estão garantidos. Mais escrita, por favor, peço ao meu subconsciente gentilmente.

Mesmo sendo submisso à escrita, prefiro construir uma relação de amizade e respeito com as letras a ter que obrigá-las a me amarem e temerem. Sou criador e refém das minhas histórias. Ou talvez tenha encontrado uma nova maneira de procrastinar, mais uma ação para aumentar o meu ciclo, escrever sobre não conseguir escrever, para não ficar sem escrever.

*Ben Oliveira

Comentários

Mais lidas da semana