Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Jurassic Park – Michael Crichton

Jurassic Park (O Parque dos Dinossauros) foi uma leitura nostálgica para mim. À medida que me aventurava pelas páginas do romance, foi como se eu desenrolasse várias memórias relacionadas ao universo ficcional dos dinossauros, popularizado pela adaptação cinematográfica dirigida por Steven Spielberg, em 1993. O livro de ficção científica escrito por Michael Crichton foi republicado em 2015, pela Editora Aleph, com tradução de Marcia Men.


Compre o livro Jurassic Park (Michael Crichton): https://amzn.to/2pKUq7R

Mais do que entretenimento para os amantes de dinossauros, Jurassic Park é um conto caucionário sobre ciência, genética, ética e ambição humana. Hammond é um homem rico que idealiza um parque de diversão com dinossauros reais, sem se dar conta dos potenciais perigos de dar vida às criaturas.

Antes da abertura do parque, uma equipe de profissionais é convidada a visitar a Ilha Nublar, na Costa Rica, entre eles um matemático que alerta sobre as chances do projeto se tornar caótico e…

Crítica do filme Atividade Paranormal: Marcados pelo Mal

Cartaz brasileiro do filme Atividade Paranormal:
Marcados pelo Mal.
Ao assistir Atividade Paranormal: Marcados pelo Mal (Paranormal Activity: The Marked Ones) fiquei impressionado com duas coisas: como um filme supostamente de terror consegue fracassar a ponto de se tornar cômico e como algumas pessoas na sala de cinema estavam com tanto medo e ficaram gritando até o último minuto da sessão.

Escrito e dirigido por Christopher Landon, o mesmo roteirista de Atividade Paranormal 2, 3 e 4, o filme Atividade Paranormal: Marcados pelo Mal estreou no Brasil no dia 10 de janeiro de 2014.

Alerta: Contém Spoilers!

Jesse é um jovem de 18 anos que acabou de concluir o ensino médio. No filme é mostrada sua formatura e a dos amigos. Sua vizinha Anna é assassinada por um colega dele do colégio, Oscar. Antes da morte da mulher, Jesse e seu melhor amigo Hector filmam Anna realizando algum tipo de ritual de bruxaria.

Depois do assassinato de Anna, é como se coisas estranhas começassem a acontecer com Jesse. Ele adquire super força e consegue fazer outros movimentos que antes estavam além de sua capacidade. O que no início é motivo para ele se orgulhar e se divertir, embora seja misteriosa a origem de seus poderes, depois se torna o ponto alto da história.

Com o desenrolar da história, o espectador acompanha algumas das experiências de Jesse, descobre mais sobre a morte de Anna e vê poucas cenas em que Oscar aparece. Jesse perde o controle próprio aos poucos, não se lembrando das coisas que fez até se tornar totalmente descontrolado, como se estivesse possuído por uma entidade. Os amigos e a avó tentam ajudá-lo, mas acabam pagando o preço.

Jesse passa por transformações após a morte de sua vizinha bruxa. Foto: Divulgação / Paramount Pictures.

De todos os filmes da franquia Atividade Paranormal, este foi o que mais me decepcionou. Sabe o que é não sentir um pingo de medo do começo ao final do filme, nem mesmo nas cenas que supostamente deveriam ser assustadoras? Enquanto algumas produções cinematográficas têm ótimas imagens e um roteiro fraco ou vice-versa, conquistando o público, Atividade Paranormal: Marcados pelo Mal peca pela baixa qualidade fotográfica e pelo terrível roteiro. Se o filme dificilmente agrada o público geral, imagino que a repercussão com a crítica especializada em cinema não seja das melhores, levando o espectador a assisti-lo somente pela curiosidade de descobrir mais.

Os personagens principais do filme são mexicanos e interpretados por: Andrew Jacobs (Jesse), Jorge Diaz (Hector), Gabrielle Walsh (Marisol) e Renee Victor (vó do Jesse). Além dos personagens serem propositalmente engraçados em algumas cenas, tirando o tédio de quem está assistindo até que as cenas de ação realmente aconteçam, mesmo quando a intenção não é a de fazer o telespectador rir, o filme arranca risadas. As poucas cenas de “terror” não foram suficientes para caracterizar o filme como tal, o que me leva a pensar se era realmente a intenção do diretor ou se ele simplesmente não se importa.

Amigos de Jesse tentam salvá-lo da entidade. Foto: Divulgação / Paramount Pictures.

Poucas cenas mostram o que poderia ser o forte do filme, as bruxas e como os outros personagens de todas as franquias de Atividade Paranormal estão conectados. Chamando a atenção somente com os símbolos, o roteiro falho ao invés de explicar os eventos anteriores ou simultâneos, traz mais questionamentos, como se realmente existisse aqueles portais para viajar pelo tempo, por que as mães morrem na hora do parto dos seus filhos marcados pelo mal, por que os demônios ficam fortes quando os seus hospedeiros completam 18 anos – com a patética explicação de que seria a soma de 666 –, o que acontece durante os rituais das bruxas e será que uma luz será lançada na história ou os diretores da franquia vão se aproveitar da curiosidade do espectador para prendê-lo cada vez mais?

Para quem se perguntava sobre os outros personagens, Katie Featherston (Katie) e Micah Sloat (Micah) fazem uma pontinha no filme.

Com um orçamento estimado em 5 milhões de dólares, o filme já lucrou mais de 22 milhões de dólares somente nos Estados Unidos desde o seu lançamento. Atividade Paranormal: Marcados pelo Mal foi considerado um spin-off, projeto criado a partir do original.

Atividade Paranormal 5 deve estrear no dia 24 de outubro nos Estados Unidos, na época do Halloween. O filme será dirigido por Gregory Plotkin e escrito por Jason Pagan e está em fase de pré-produção. A atriz e cantora Demi Lovato deve interpretar uma versão jovem de Katie no próximo filme da franquia.

Confira o trailer de Atividade Paranormal: Marcados pelo Mal

Comentários

  1. Bom pelo que eu entendi a parte dos portais de viagem no tempo são explicadas no final do filme quando hector entra dentro de uma porta na casa da avó de Kate e vai parar na casa da Kate aparentemente na noite que ela mata Micah ou seja ele viajou no tempo voltando pro passado ... pelo menos foi oque eu entendi

    ResponderExcluir
  2. Eu achei o filme bastante engraçado. O roteiro é cheio de falhas, por exemplo, em uma cena ele está no banheiro tirando aquela linha(?) de dentro de olho e duas depois ele já está completamente descontrolado, pálido, brigando num supermercado e sacudindo a casa, tipo, de uma hora para outra. A gente simplesmente não acompanha ele perdendo o controle, ele simplesmente perde. E, no final do filme, a gente conclui que eles só fazem as sequencias para nos chamar a atenção porque as perguntas continuam. A única resposta interessante foi a cena que Micah morre no primeiro filme, que muitos, inclusive eu, queriam ver. Mas fora isso, as milhões de perguntas sobre as conexões entre o demônio com Katie e Hunter (alguém lembra dele????????) continuam sem respostas...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana