Pular para o conteúdo principal

Destaques

Murder By The Coast: Documentário espanhol da Netflix sobre casos de jovens assassinadas traz dilemas éticos

Murder By The Coast (Homicídio na Costa do Sol/El caso Wanninkhof - Carabantes) é um ótimo documentário de crimes para quem deseja entender os impactos do julgamento antecipado pela imprensa sobre casos mal investigados, influenciando a opinião pública, quando só existem indícios, mas nenhuma prova. Lançado pela Netflix em 2021, o filme espanhol foi dirigido por Tània Balló e roteirizado por Gonzalo Berger . Em mais de 20 anos, muita coisa mudou no mundo. Mas há outras que ainda servem como ótimo exemplo de erros e acertos, especialmente no que diz respeito aos casos criminais, opiniões públicas, preconceitos e faltas de evidências. O documentário traz o caso da adolescente Rocío Wanninkhof que foi assassinada em 1999 e na ansiedade para encontrar um culpado, diante da falta de informações concretas, tudo toma um rumo que se fossem contar, poderiam jurar que se trata de um enredo de ficção. Os depoimentos de profissionais envolvidos ou que estudaram o caso só enriquecem o documentári

Reconectar-se

Viajar. Uma maneira de se desconectar do seu dia-a-dia, porém nem todos conseguem desapegar como deveriam. O processo de relaxar começa antes mesmo de a viagem iniciar. Sua mente precisa se transformar. O celular e a internet já não precisam mais ser prioridades em sua vida.

Desligo o aparelho. Por mais que a minha vontade de compartilhar com os amigos o que está acontecendo, há alguém com quem eu preciso conversar e reconectar, eu mesmo. Após completar 24 anos, é como se eu estivesse passando por uma crise. Aliás, me recordo de sempre estar enfrentando essas turbulências. Dizem que os problemas e a busca pela própria identidade começam na adolescência, mas desde novo, tenho enfrentado o meu pior inimigo, eu mesmo. Sou o meu herói e o meu vilão.

Dentro do avião, fecho os olhos e tento adormecer. Respiro com calma, escureço a minha mente e tento renovar as minhas energias. Bom mesmo seria se toda viagem realmente fosse relaxante, mas é preciso aceitar as reviravoltas. Talvez tudo isto é o que torna uma viagem transformadora. Precisamos aprender a lidar com o outro. A convivência nem sempre é agradável. Nos primeiros momentos reina a paz e o sentimento em comum de todos fazerem parte daquela aventura. Cada um com seu propósito, sua bagagem, sua vivência, suas maneiras de pensar. Não dá para esperar que todos se comportem de forma parecida.

Ah, o mar... Pensar na praia, nas ondas e em tudo o que simboliza estar lá me faz relaxar e aliviar as minhas tensões. Catarse. Preciso retirar os pesos das minhas costas e deixar os sentimentos fluírem. Ano que vem tudo irá mudar novamente. Aliás, não estamos mudando a cada minuto? Estou cada vez mais perto de quem eu gostaria de ser ou visto uma máscara e interpreto o que a sociedade espera de mim?

Quero publicar os meus textos e firmar os meus pés na escrita. Não é o que todos dizem, que quando fazemos algo que gostamos transformamos o nosso trabalho em diversão? Notei que meus textos têm abordado transformações e mudanças. Inevitável lutar contra o tempo. Toda troca é válida. Todavia, também é preciso saber quando, como e com quem ficar. Estar sempre à procura de algo melhor pode significar fuga.

Todos nós queremos alguém por perto, porém sempre que temos uma oportunidade fugimos. Não seria hipocrisia esperar dos outros o que não fazemos? Pedir por algo que não temos para oferecer? Preciso fortalecer o meu núcleo, ser como a areia que é arrastada pelo mar, aquecida pelo sol, carregada pelos pés e ainda assim continua intacta.

Desligar-se do passado, do presente e do futuro. Simplesmente viver o momento. Não se preocupar com o que os outros pensam ou não. Estar lá de corpo e alma, sem se desfragmentar pelas redes da internet. Sei que não serei forte o suficiente para não compartilhar uma foto pelo menos, mas gostaria de parar de me sobrecarregar com essas funções desnecessárias que criamos para preencher o vazio.

Comentários

  1. Respostas
    1. Olá, Irene! Muito obrigado por sua visita. Fico feliz que tenha gostado.
      Volte sempre!
      Beijos

      Excluir
  2. Muito Bom ... Parabéns.. Recomendo...
    Abs
    Gisele

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gisele!
      Muito obrigado por sua visita e comentário!
      Volte sempre :D

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana