Pular para o conteúdo principal

Destaques

Coronavírus e Saúde Pública: O momento não pede negação nem omissão | Ben Oliveira

Me tirar do sério não é fácil. Tenho mais de 8 anos de prática de yoga e uma paciência quase infinita. Mas quando se trata do que tem acontecido nos últimos tempos, impossível seria me silenciar.


Para começar: muitas pessoas religiosas e espiritualizadas acham erradamente que cultivar a não-violência é se silenciar diante do caos que esse DesPresidente tem causado. Não poderiam estar mais errados, afinal, ser omisso à violência é uma forma de aumentá-la.

O momento não pede negação nem omissão. Os brasileiros elegeram um homem sem empatia, que sempre se demonstrou ser frio, manipulador e ignorante.

Sim, ele é um reflexo de muitos que não tiveram acesso à educação ou desprezam a intelectualidade, mas é também alguém que não está colocando só a própria vida em perigo, mas de milhares de brasileiros ao ignorar as recomendações de saúde, protocolos de pesquisas com medicamentos e conhecimentos BÁSICOS de saúde: qualquer pessoa que tenha um conhecimento raso de biologia, química e estatísti…

Comunidade Dilma Rousseff é tema de reportagem multimídia

Acadêmicos de Jornalismo da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Alerrandre Barros, Andreza Almeida e Gian Cornachini produziram a reportagem multimídia Comunidade Dilma Rousseff – Uma história de luta por moradia. Através de vídeos, fotos, áudios, infográficos, links e textos, os repórteres contaram a história da comunidade Dilma Rousseff localizada às margens da Rodovia BR-465, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.
Imagens, áudios e textos compõe reportagem sobre a história da
 Comunidade Dilma Rousseff e a dificuldade dos seus moradores.
Foto: Reprodução / Site Oficial da Reportagem Multimídia.

A reportagem aborda o surgimento da comunidade situada em uma região considerada ilegal. As casas não são regularizadas, não possuem água, energia elétrica e saneamento adequados. Para pedir auxílio das autoridades e melhorar de vida, os moradores batizaram o local de Comunidade Dilma Rousseff, uma homenagem à presidenta e uma maneira de atrair a atenção para o lugar esquecido.

O projeto desenvolvido pelos estudantes de Jornalismo da UFRRJ traz informações sobre a história em construção da comunidade que atraiu a atenção da imprensa nacional e internacional por causa de seu nome, mas ainda continua na ilegalidade e busca por melhorias para todos os moradores que só sobrevivem graças aos “gatos” e luta pela oficialização da Associação de Moradores Dilma Rousseff.

Além da história da comunidade, os repórteres entrevistaram os moradores que contaram suas trajetórias de vida e contaram as dificuldades diárias que existem como a falta de médico, posto de saúde, lazer e casas irregulares. No entanto, a reportagem também mostra a influência da religião na vida desses moradores, a criatividade das crianças para se divertirem, o recomeço de um jovem que tinha se envolvido com o tráfico de drogas antes de se mudar para a comunidade e um homem que mesmo não tendo uma casa bem estruturada, prefere ter um lar do que morar na rua.

O trabalho informal é outro destaque da comunidade, alternativa encontrada pela maioria dos moradores da favela Dilma Rousseff, adolescentes e adultos, para sobreviverem. Muitos trabalham como vendedores ambulantes na rodovia BR-465, antiga estrada Rio – São Paulo. Entre os sonhos e esperanças dos membros da comunidade estão a legalização da situação dos moradores, educação, auxílio e trabalho digno.

Confira a reportagem multimídia Comunidade Dilma Rousseff – Uma história de luta por moradia: http://comunidadedilma.wix.com/reportagem

Comentários