Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Comunidade Dilma Rousseff é tema de reportagem multimídia

Acadêmicos de Jornalismo da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Alerrandre Barros, Andreza Almeida e Gian Cornachini produziram a reportagem multimídia Comunidade Dilma Rousseff – Uma história de luta por moradia. Através de vídeos, fotos, áudios, infográficos, links e textos, os repórteres contaram a história da comunidade Dilma Rousseff localizada às margens da Rodovia BR-465, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.
Imagens, áudios e textos compõe reportagem sobre a história da
 Comunidade Dilma Rousseff e a dificuldade dos seus moradores.
Foto: Reprodução / Site Oficial da Reportagem Multimídia.

A reportagem aborda o surgimento da comunidade situada em uma região considerada ilegal. As casas não são regularizadas, não possuem água, energia elétrica e saneamento adequados. Para pedir auxílio das autoridades e melhorar de vida, os moradores batizaram o local de Comunidade Dilma Rousseff, uma homenagem à presidenta e uma maneira de atrair a atenção para o lugar esquecido.

O projeto desenvolvido pelos estudantes de Jornalismo da UFRRJ traz informações sobre a história em construção da comunidade que atraiu a atenção da imprensa nacional e internacional por causa de seu nome, mas ainda continua na ilegalidade e busca por melhorias para todos os moradores que só sobrevivem graças aos “gatos” e luta pela oficialização da Associação de Moradores Dilma Rousseff.

Além da história da comunidade, os repórteres entrevistaram os moradores que contaram suas trajetórias de vida e contaram as dificuldades diárias que existem como a falta de médico, posto de saúde, lazer e casas irregulares. No entanto, a reportagem também mostra a influência da religião na vida desses moradores, a criatividade das crianças para se divertirem, o recomeço de um jovem que tinha se envolvido com o tráfico de drogas antes de se mudar para a comunidade e um homem que mesmo não tendo uma casa bem estruturada, prefere ter um lar do que morar na rua.

O trabalho informal é outro destaque da comunidade, alternativa encontrada pela maioria dos moradores da favela Dilma Rousseff, adolescentes e adultos, para sobreviverem. Muitos trabalham como vendedores ambulantes na rodovia BR-465, antiga estrada Rio – São Paulo. Entre os sonhos e esperanças dos membros da comunidade estão a legalização da situação dos moradores, educação, auxílio e trabalho digno.

Confira a reportagem multimídia Comunidade Dilma Rousseff – Uma história de luta por moradia: http://comunidadedilma.wix.com/reportagem

Comentários

Mais lidas da semana