Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Entre fofocas e intrigas

Aviso aos bonitos e bonitas que sempre jogam meu nome e dos colegas nos grupos de Facebook e WhatsApp: alguém de vocês sempre solta algo e de um jeito ou de outro, chega até mim.


Minha dica é: quer falar mal? Fala à vontade. Se quiser, eu falo junto. Não tenho vergonha de fazer autocrítica, aliás, recomendo a todos.

Agora, se me difamar e/ou queimar minha reputação, o bicho pega.

Nesta página, não trabalho com indiretas. Só com diretas mesmo.

Já disse que nem todo autista é bonzinho, né? 😈

Dica para os anjinhos e neurotípicos: Arranjem hobbies e outros hiperfocos, ocupem a cabeça com outras coisas que não sejam só esse mundinho de intrigas do autismo.

Um grande filósofo pós-moderno, Benstein Oliveira disse que a fofoca viaja à velocidade da luz e que ela vem de todos cantos e cores do autismo. Nem WhatsApp eu uso, mas as conversas de lá sempre chegam aqui. Por que será, gente?

Formado em Harvard na arte das fofocas chegarem até mim. Parece que sou ímã para embuste.


Para os trolls que…

Comunidade Dilma Rousseff é tema de reportagem multimídia

Acadêmicos de Jornalismo da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Alerrandre Barros, Andreza Almeida e Gian Cornachini produziram a reportagem multimídia Comunidade Dilma Rousseff – Uma história de luta por moradia. Através de vídeos, fotos, áudios, infográficos, links e textos, os repórteres contaram a história da comunidade Dilma Rousseff localizada às margens da Rodovia BR-465, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.
Imagens, áudios e textos compõe reportagem sobre a história da
 Comunidade Dilma Rousseff e a dificuldade dos seus moradores.
Foto: Reprodução / Site Oficial da Reportagem Multimídia.

A reportagem aborda o surgimento da comunidade situada em uma região considerada ilegal. As casas não são regularizadas, não possuem água, energia elétrica e saneamento adequados. Para pedir auxílio das autoridades e melhorar de vida, os moradores batizaram o local de Comunidade Dilma Rousseff, uma homenagem à presidenta e uma maneira de atrair a atenção para o lugar esquecido.

O projeto desenvolvido pelos estudantes de Jornalismo da UFRRJ traz informações sobre a história em construção da comunidade que atraiu a atenção da imprensa nacional e internacional por causa de seu nome, mas ainda continua na ilegalidade e busca por melhorias para todos os moradores que só sobrevivem graças aos “gatos” e luta pela oficialização da Associação de Moradores Dilma Rousseff.

Além da história da comunidade, os repórteres entrevistaram os moradores que contaram suas trajetórias de vida e contaram as dificuldades diárias que existem como a falta de médico, posto de saúde, lazer e casas irregulares. No entanto, a reportagem também mostra a influência da religião na vida desses moradores, a criatividade das crianças para se divertirem, o recomeço de um jovem que tinha se envolvido com o tráfico de drogas antes de se mudar para a comunidade e um homem que mesmo não tendo uma casa bem estruturada, prefere ter um lar do que morar na rua.

O trabalho informal é outro destaque da comunidade, alternativa encontrada pela maioria dos moradores da favela Dilma Rousseff, adolescentes e adultos, para sobreviverem. Muitos trabalham como vendedores ambulantes na rodovia BR-465, antiga estrada Rio – São Paulo. Entre os sonhos e esperanças dos membros da comunidade estão a legalização da situação dos moradores, educação, auxílio e trabalho digno.

Confira a reportagem multimídia Comunidade Dilma Rousseff – Uma história de luta por moradia: http://comunidadedilma.wix.com/reportagem

Comentários

Mais lidas da semana