Pular para o conteúdo principal

Destaques

Um Conto Taiwanês de Duas Cidades: Série de romance e drama explora raízes, sonhos e amores

Uma série de romance e drama sobre duas mulheres conectadas por suas raízes de Taiwan, mas que seguiram caminhos bem diferentes e com personalidades moldadas pelas cidades em que viveram: enquanto uma cresceu em San Francisco, nos Estados Unidos, a outra passou a vida inteira em Taipei. A série A Taiwanese Tale of Two Cities (Um Conto Taiwanês de Duas Cidades, 2018) balanceia os idiomas e experiências culturais dos dois países, criando uma experiência prazerosa para quem deseja visitar ambos destinos turísticos. Essa produção taiwanesa foi um dos achados na Netflix . A mulher que nunca saiu do país, abraça as raízes da medicina chinesa e por causa do seu histórico de saúde frágil abriu mão de muitas coisas fora de sua zona de conforto, Lee Nien-Nien (Tammy Chen) que coincidentemente sonhava em conhecer San Francisco, acaba conhecendo a taiwanesa-americana Josephine Huang (Peggy Tseng), que embora tivesse curiosidades sobre sua origem, passou praticamente a vida toda nos Estados Unidos

Resenha: O Paraíso de Cada Um – Milton Avelar de Carvalho

Escrito por Milton Avelar de Carvalho, o conto “O Paraíso de Cada Um” tem como premissas como o sonho de um pode tornar-se o inferno do outro e como o dinheiro não traz felicidade. Narrado em terceira pessoa, o conto tem cinco páginas, nas quais o leitor mergulha pelos polos da vida através dos olhos de dois personagens, entre a pobreza e a riqueza, a felicidade e a miséria, a realização e o vazio.

A história inicia com dois personagens em um júri, no qual a protagonista se lamenta por estar ali, porém não pode deixar desamparada alguém parte de sua vida. Ao olhar para o rapaz, ela volta ao passado, quando se viram pela primeira vez. Neste trecho o leitor é convidado pelo autor a viajar pelas memórias da jovem e entender o que levou os dois personagens àquele julgamento.

O nome da protagonista é Bárbara Quitéria Raquel Caldeira. Nascida no sertão, criada pelo pai Josias e pela mãe Cipriana, a menina teve uma infância difícil marcada pela seca e pobreza. Josias sonhava que Bárbara fosse uma vencedora.

Novamente, o leitor presencia o choque social exposto pelo autor. Depois da morte do pai – envolvido em uma luta contra injustiças e exploradores da população carente –, Cipriana e a filha passam a morar na casa do desembargador. As dependências da empregada, no fundo da casa, para as duas eram um luxo. Bárbara vê pela primeira vez Bruno, e se impressiona com o “anjo”, um menino branco e angelical, filho do desembargador, cuja aparência contrastava com a dela. Maravilhada com o novo lar, a menina julgava estar no céu.

Marcada pelos contrastes sociais, a amizade entre Bárbara e Bruno enfraquece com o passar dos anos. Na adolescência, Bárbara ajudava a mãe e nas poucas horas sacrificava o sono para estudar, enquanto o rapaz demonstrava rebeldia, conhecia as drogas e cometia delitos.

Ela entra na faculdade de Direito, enquanto o rapaz se perde cada vez mais. Entre o passado e o presente, o leitor se familiariza com os personagens que moraram na mesma casa, tinham origens variadas e expectativas diferentes. Bárbara foi uma vencedora, como o pai desejava.  Sem as mesmas oportunidades, Bárbara é admirada pelo desembargador, enquanto o rapaz desperdiçou todas as chances que teve e se afundou, para preencher o vazio e ter atenção dos pais.

No conto, gênero lido em uma sentada como defendia Edgar Allan Poe, o leitor conclui nos poucos minutos de leitura que para quem planeja e acredita nos sonhos, mesmo que não seja fácil, é possível conquista-los, enquanto quem têm tudo sem méritos, dificilmente valoriza o que têm. Além é claro, de que é mais fácil para alguém com apoio emocional conquistar uma carreira e ser feliz do que para outra em que a prioridade da família foi o trabalho ao invés do filho. O que Bárbara admirava na vida de Bruno, qualidade de vida e dinheiro, ela conquistou; enquanto Bruno, que já tinha uma boa vida, nunca teve o que Bárbara teve, o afeto dos pais. Assunto abordado pelo escritor que leva a reflexão do leitor.

Milton Avelar de Carvalho nasceu em 1961, na Fazenda das Posses, no município de Itaberaí, Goiás. Reside em Brasília, onde é funcionário do Banco do Brasil. Graduado em Letras pela Universidade Estadual de Goiás, escreveu diversos contos e crônicas. Em 2012, publicou o romance “Projeto Terra”. É afiliado ao Sindicato dos Escritores de Brasília.

*Ben Oliveira nasceu em 1989 e mora em Campo Grande (MS). Graduado em Jornalismo, blogueiro e escritor. 

Comentários

Mais lidas da semana