Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Resenha: Bonsai – Alejandro Zambra

Bonsai é o primeiro romance do escritor chileno Alejandro Zambra, escrito em 2006, ganhador do Prêmio da Crítica e o Prêmio do Conselho Nacional do Livro como melhor romance do ano. O livro de 96 páginas foi publicado no Brasil, em 2012, pela Cosac Naify, com tradução de Josely Vianna Baptista.

O que mais impressiona no romance é a economia das palavras e o desafio do escritor de escolher as “palavras certas”. Tal como um poeta que procura sintetizar com sutileza e através de fragmentos de texto consegue encantar o leitor e fazê-lo enxergar através dos seus olhos, Alejandro Zambra escreveu, literalmente, um bonsai. Abaixo você confere a definição de bonsai narrado no livro e destacada no texto da contracapa:

“Um bonsai é uma réplica artística de uma árvore em miniatura. Consta de dois elementos: a árvore viva e o recipiente. Os dois elementos têm de estar em harmonia e a seleção do vaso apropriado para uma árvore, é por si só, quase uma forma de arte. [...]. Um bonsai nunca é chamado de árvore bonsai. A palavra já inclui o elemento vivo. Uma vez fora do vaso, a árvore deixa de ser um bonsai”.

Como um bonsai, Alejandro Zambra apara o seu texto, sem que fique nenhum excesso. Muito do que sentimos pode ser captado nas entrelinhas, no que não foi dito – ao menos não explicitamente.
No romance conhecemos Julio, um escritor que trabalha dando aula de latim. Entre o passado e o presente do protagonista, acompanhamos quando ele conheceu sua ex-namorada Emilia e a melhor amiga dela Anita, até quando Julio conhece o escritor Gazmuri, um velho que o oferece uma vaga de transcrição e María, uma mulher com quem ele se envolve.

Ter assistido ao filme Bonsai – aliás, recomendo bastante! –, antes de ler o livro, foi algo que tirou um pouco da graça da história. De qualquer forma, a experiência de ler um romance tão enxuto me fez enxergar diversas possibilidades deste gênero literário, o que comprova mais uma vez que nem sempre as “regras” precisam ser seguidas, como esta: Será mesmo que todo romance precisa ser longo?

A narrativa fragmentária e envolvente, os poucos e efetivos diálogos, o cruzamento entre os diferentes personagens, que por vezes ocupam o mesmo espaço, mas nem por isso se comunicam, tudo isso e muito mais são responsáveis por tornar Bonsai tão gostoso de ler. Esta mistura entre literatura arte e o prazer da leitura, como a miniatura da árvore, consegue manter a sua essência e ser agradável esteticamente dentro do seu recipiente.

Sobre o autor – Alejandro Zambra nasceu em Santiago, no Chile, em 1975. Bonsai, seu primeiro romance, foi traduzido na França, Itália, Holanda, China, Israel, entre outros países. No Chile, o livro ganhou o Prêmio da Crítica e o Prêmio do Conselho Nacional do Livro como melhor romance de 2006, ano de sua publicação. Além de Bonsai, Zambra é autor de A vida privada das árvores e Formas de voltar para casa, romances também publicados pela Cosac Naify. É autor, ainda, de dois volumes de poesia, Bahía Inútil (1998) e Mudanza(2003), e da coletânea de ensaios No Leer (2010). Eleito pela revista britânica Granta como um dos 22 melhores jovens escritores hispanoamericanos, Alejandro é também crítico e professor de literatura.

Comentários

Mais lidas da semana