Pular para o conteúdo principal

Destaques

Subdiagnóstico de autismo, números e incoerências

O brasileiro é muito individualista. Ao mesmo tempo que vejo pessoas reclamando que os números do Censo vão dar abaixo por causa dos subdiagnósticos de autismo, já vi muita gente acusando pessoas com laudo fingirem que eram autistas.


Como explicar a volatilidade? Nem tento entender o que se passa na mente do brasileiro.

Os discursos são sempre contraditórios. Por causa de polarização, todo mundo sai perdendo.

Já vi até gente dizendo que o laudo é só um papel. Se é só um papel, a pessoa, então, não precisa de um diagnóstico? Logo, por que ser contabilizada? Sejam mais coerentes nos discursos.

Incoerências dos brasileiros sobre subdiagnósticos:

– Já vi gente acusando autista de fingir, mesmo a pessoa tendo laudo;

– Já vi gente se posicionando contra diagnóstico precoce, achando que seria ruim, desconhecendo a questão da plasticidade cerebral;

– Já vi gente dizendo que autismo nem deveria ter CID;

– Já vi gente dizendo que o outro não é autista, só porque sabe argumentar e é diferente do …

Recebi Prêmio na categoria Literatura em Apoio a Diversidade Sexual

Ontem à noite, a APOLO – Rede de Homens Gays e Bissexuais de Mato Grosso do Sul realizou a II Semana Cultural APOLO MS Sem Homofobia: Direito Nosso, Dever do Estado, no Museu de Arte Contemporânea, em Campo Grande (MS). Entre os homenageados que receberam o Troféu APOLO Amigos da Causa, eu recebi um prêmio por conta dos meus contos publicados com temática LGBT (Literatura em apoio a Diversidade Sexual) e por causa do Blog do Ben Oliveira.


Além de ter representado a literatura gay, outras personalidades do Estado também receberam seus prêmios em diversas categorias, como a jornalista Paula Maciulevicius com a reportagem “Cinco Dias Depois de Achado o Corpo, Quem Vai Chorar no Velório da Travesti?”, publicada no site de notícias Campo Grande News.  

Foi bom estar lá com meus amigos mais próximos e minha mãe. Apesar do nervosismo de ter que subir no palco para receber o prêmio e falar um pouco, foi uma noite ótima. Sem esse apoio, eu jamais continuaria escrevendo. Investir na jornada do escritor no Brasil, para quem sabe como é a realidade, não é nada fácil, principalmente se você tenta desconstruir preconceitos e escrever narrativas com personagens gays.

Como eu disse durante o evento, ainda que seja importante o rótulo Literatura Gay ou Literatura LGBT, seria importante que esses livros e narrativas fossem lidos pelo público em geral, para ajudar a diminuir a homofobia. A Literatura tem esse poder de transformar os leitores, colocá-los na pele dos personagens, questionar, provocar reflexões, estranhamentos e catarse e, finalmente, expandir mentes – embora este último seja discutível.

Na edição passada do evento, a minha crônica Fragmentos de Mim foi uma das lidas pelo ator Leandro Faria Lelo. Foi uma honra ter o reconhecimento e também sensibilizador – algo como arrancar cada uma de suas camadas, literalmente, em público.

Sobre o evento – A Semana Cultural Apolo, idealizada para provocar reflexões e estímulos positivos na sociedade sul-mato-grossense, traz nesta segunda edição o lema MS SEM HOMOFOBIA - DIREITO NOSSO, DEVER DO ESTADO, reafirmando a necessidade de medidas educacionais e legais que, a exemplo da Lei nº 3.157/2005, assegurem os valores republicanos com fins na construção de uma sociedade fraterna, pluralista, sem preconceitos e fundada na harmonia social conforme idealizou a Constituição Federal e a Declaração Universal dos Direitos Humanos no sentido da promoção de medidas progressivas para o respeito à liberdade e à diversidade.

É também um renovar da oportunidade de enaltecer os realizadores, apoiadores e suas ações em prol da temática diversidade sexual que ainda é, infelizmente, motivo de discriminação, preconceitos e violações de direitos humanos e civis. E ainda, visibilizar e valorizar as expressões artísticas produzidas por lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais sul-mato-grossenses, os quais enfrentam no dia a dia várias restrições relacionadas à sua sexualidade e/ou seu gênero.

Sobre a organização – A Rede Apolo – Rede de Homens Gays e Bissexuais de Mato Grosso do Sul tem como objetivos, mediante projetos e ações sociais, culturais e políticas, defender e promover amplamente os Direitos Humanos e, estritamente os Direitos Humanos LGBT, combatendo toda e qualquer forma de discriminação por raça, etnia, sexo, nacionalidade, classe social, convicção ou ideologia política, orientação sexual, identidade de gênero, ou religiosa.

Para saber mais sobre a APOLO, acesse o site oficial: http://www.redeapolo.org.br/.

Comentários

  1. Parabéns Ben. Que conquista e que reconhecimento. Que seu trabalho, sempre relevante, continue crescendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, querido! Esse apoio é sempre bem-vindo.
      Abraços.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana