Pular para o conteúdo principal

Destaques

Documentário da Netflix aborda caso Elisa Lam e histórico mórbido do Cecil Hotel

Dependendo da sua idade e do quanto você é ligado às notícias e ao mundo online, é bem provável que você tenha ouvido falar sobre o caso da Elisa Lam , uma canadense descendente de chineses que  viajou para os Estados Unidos e morreu em um hotel de Los Angeles . O caso polêmico na época foi explorado na série documental Cena do Crime – Mistério e Morte no Hotel Cecil (Crime Scene: The Vanishing at the Cecil Hotel) , dirigido pelo norte-americano Joe Berlinger e distribuído pela Netflix , em 2021. Em quatro episódios, de forma linear, é contada a história de como Elisa Lam foi parar no Cecil Hotel e um pouco de sua personalidade no mundo digital e afinidade com o Tumblr. Importante mencionar que o documentário não traz entrevistas com os familiares de Elisa Lam. Se nem os próprios familiares conhecem a fundo uma pessoa, me pergunto por que há tantas pessoas aleatórias na internet e fãs de teorias da conspiração que se sentem no direito de dizer que algo poderia ou não ter acontecido. 

Resenha: Palavra por Palavra – Anne Lamott

A escritora e professora de redação criativa Anne Lamott compilou algumas de suas dicas sobre a escrita e, consequentemente, sobre a vida, em seu livro Palavra por Palavra (Bird by Bird), publicado nos Estados Unidos em 1994, e no Brasil, em 2011, pela Editora Sextante, com tradução de Marcello Lino, de 224 páginas.


O livro está dividido em 5 partes focadas em diferentes processos da escrita, mas que estão inter-relacionadas. Na introdução do livro, Anne Lamott fala sobre sua relação com a leitura, desde os incentivos dos pais que sempre liam até crescer vendo o próprio pai escritor trabalhando durante horas diariamente em seus livros e artigos. A autora compartilha suas próprias experiências com a escrita ao longo dos anos, desde seus rabiscos e rascunhos, até a morte do pai, a publicação do seu primeiro livro e sua carreira como professora de redação.

“Escreva um pouco todo dia”, dizia meu pai. “Faça de conta que são escalas de piano. Imagine que assinou um contrato com você mesma. Encare isso como se fosse uma dívida de honra. Comprometa-se a terminar as coisas”.

A primeira parte do livro se chama “Escrever” e traz vários textos, abordando desde os primeiros esboços ruins de histórias, o lado ruim do perfeccionismo e alguns elementos fundamentais para a construção de narrativas, como os personagens, trama, diálogos e cenários.

A segunda parte intitulada “A mentalidade certa para escrever” e traz algumas das dificuldades que o escritor iniciante (até mesmo o veterano) pode enfrentar, como a autocrítica e a inveja dos colegas bem-sucedidos e também discorre sobre algumas habilidades que ele pode desenvolver para aperfeiçoar sua escrita e a questão da disciplina, de tirar um tempo para escrever uma cota de palavras diárias, mesmo sem inspiração, revirando as memórias, conhecendo diferentes lugares e observando as pessoas.

“Quase toda boa escrita começa com primeiros esboços ruins. Você precisa iniciar de alguma maneira. Comece pondo alguma coisa – qualquer coisa – no papel”.

Na terceira parte do livro “Ajuda ao longo do caminho”, Anne Lamott sugere o uso de fichas e listas para carregar sempre que alguma ideia surgir e anotar, a importância dos grupos de redação e ter alguém para ler seus esboços, o uso de cartas e o maldito bloqueio do escritor.

Já na penúltima parte do livro “Publicação – e outros motivos para escrever”, a autora argumenta sobre a importância da publicação para escritores, principalmente os iniciantes, mas também descreve a ilusão de acreditar que ter o livro publicado resolverá todos os conflitos e angústias da mente criativa. Anne Lamott também fala sobre encontrar a própria voz, sobre a exposição como autor e a pressão de continuar escrevendo e publicando novas histórias, após um sucesso.

“Se alguma coisa dentro de você é verdadeira, deve se tratar de algo universal e nós possivelmente acharemos interessante. Portanto, arrisque-se e ponha a verdadeira emoção no centro do seu trabalho”.

Para encerrar, o último capítulo intitulado “A última aula” traz um apanhado geral dos conselhos ministrados por Anne Lamott ao longo de suas oficinas (e do livro). Escrever por uma verdade, uma vingança, uma lembrança, um desafio. E ela também dá dicas de como evitar o problema da difamação.

Palavra por Palavra é uma obra para quem deseja se aventurar mais pelo universo da escrita criativa e se motivar a continuar escrevendo sempre – mesmo diante dos períodos de falta de inspiração e intenso bloqueio criativo, com a disciplina, a possibilidade de explorar os segredos, memórias e demais eventos que marcam nossas vidas. O livro não traz nenhuma receita para escrever, para quem gosta de fórmulas, pelo contrário, Anne Lamott aposta no potencial de escutar a própria voz e produzir algo do qual não seja só publicável, mas deixe sua marca no mundo e nos seus leitores.

No Brasil, o número de livros sobre escrita ainda são relativamente baixos em relação aos outros países, onde além de terem autores escrevendo sobre o assunto, eles possuem muitas opções de cursos de escrita criativa para quem se interessa em aprender a escrever melhor. O livro de Anne Lamott vem a contribuir para melhorar a formação dos jovens escritores e dar um gás mesmo para quem deseja escrever por mera paixão.

Sobre a autora – Anne Lamott nasceu em São Francisco, Estados Unidos. Estudou no Goucher College, instituição especializada em artes e educação. Em 1980, publicou seu primeiro romance, Hard Laughter. Vencedora de um prêmio Guggenheim, deu aulas de redação na Universidade da Califórnia e ministrou diversas palestras em conferências sobre escrita.

Comentários

Mais lidas da semana