Pular para o conteúdo principal

Destaques

Subdiagnóstico de autismo, números e incoerências

O brasileiro é muito individualista. Ao mesmo tempo que vejo pessoas reclamando que os números do Censo vão dar abaixo por causa dos subdiagnósticos de autismo, já vi muita gente acusando pessoas com laudo fingirem que eram autistas.


Como explicar a volatilidade? Nem tento entender o que se passa na mente do brasileiro.

Os discursos são sempre contraditórios. Por causa de polarização, todo mundo sai perdendo.

Já vi até gente dizendo que o laudo é só um papel. Se é só um papel, a pessoa, então, não precisa de um diagnóstico? Logo, por que ser contabilizada? Sejam mais coerentes nos discursos.

Incoerências dos brasileiros sobre subdiagnósticos:

– Já vi gente acusando autista de fingir, mesmo a pessoa tendo laudo;

– Já vi gente se posicionando contra diagnóstico precoce, achando que seria ruim, desconhecendo a questão da plasticidade cerebral;

– Já vi gente dizendo que autismo nem deveria ter CID;

– Já vi gente dizendo que o outro não é autista, só porque sabe argumentar e é diferente do …

Autores e livros vencedores do Prêmio Cepe Nacional de Literatura

Lançado em 2015 pela Companhia Editora de Pernambuco (CEPE), o Prêmio Cepe Nacional de Literatura contou com mais de 700 inscrições de escritores do Brasil e de outros países, como Alemanha, Inglaterra, Estados Unidos, Japão, Uruguai e Portugal. Neste dia 16 de novembro foram anunciados os resultados dos autores vencedores. Ficou curioso para saber quais foram os escritores e obras literárias selecionadas? Confira abaixo!



Autores e livros vencedores do Prêmio Cepe Nacional de Literatura:


Categoria Poesia: 


O pernambucano Walther Moreira Santos, com o livro Arquiteturas de vento frio.

“Apresentou uma produção mais homogênea e consistente, de alta qualidade lírica, tendo o seu autor um seguro domínio dos ritmos poéticos, bem como da técnica de escandir os versos. É uma poesia de nostalgia e choque entre passado e futuro num presente de tensão e promessas” – comentário da Comissão da Premiação Literária

Sobre o autor:


Walther Moreira Santos – Também ilustrador, nasceu em Vitória de Santo Antão, Pernambuco, e já venceu vários concursos literários. Entre eles, Prêmio Xérox do Brasil, de 2001, com a novela Ao longo da curva do rio; Prêmio Casa de Cultura Mário Quintana, 2003, com o romance Um certo rumor de asas; Prêmio Cidade de Curitiba, 2009, com o romance O ciclista; Prêmio Sesc de Poesia Carlos Drummond de Andrade de 2014, com O que em nós se eterniza; e Prêmio Pernambuco de Literatura de 2013, com o livro de contos O metal de que somos feitos.

Categoria Romance: 


O paulista Luís Sérgio Krausz, autor de Outro lugar.

“Tem uma qualidade excepcional, destinada até a ocupar um lugar de destaque na produção literária brasileira atual. Pode ser descrito como um vertiginoso épico cosmopolita que atravessa várias épocas – final do século 19, anos 20, 30, 40, 50, 60 e 70 do século 20 – e vários lugares do mundo – São Paulo, Nova York, Paris, Beirute e Israel” – comentário da Comissão da Premiação Literária


Sobre o autor:


Luís Sérgio Krausz – Nascido em São Paulo, doutorou-se me Literatura Judaica na USP, onde ensina literatura hebraica e judaica. Obteve mestrado em Letras Clássicas na University of Pennsylvania, depois de estudar a mesma disciplina na Columbia University. Trabalhou como jornalista e editor em diversas publicações da imprensa paulistana e produziu vários livros e arquivos sobre a literatura judaica em seus múltiplos desdobramentos geográficos e linguísticos. É autor de três romances: Desterro: memórias em ruínas, 2011; Deserto, 2013; e Bazar Paraná, 2015.

Categoria Conto: 


O paulista Mílton Morales Filho, com Dancing jeans – Baixo Augusta e outros contos.

“A obra foi escolhida por destacar-se, principalmente, nos quesitos originalidade, realização e força narrativa. Além de apresentar linhas centrais que permeiam quase todas as histórias (…) apresenta uma unidade que sustenta a obra como um todo” – comentário da Comissão da Premiação Literária

Sobre o autor:


Mílton Morales Filho – Natural de Bragança Paulista (SP), é formado pela Escola de Arte Dramática da USP e tem seus principais trabalhos e prêmios relacionados com a literatura dramática. Entre outras distinções, figuram as seguintes: Prêmio Melhor Espetáculo Infantil no Cultura Inglesa Festival de 2009, com Enjoy; Prêmio de Incentivo ao Teatro Paulista, em 2008, com o projeto Histórias de chuva, composto de uma peça adulta e outra infantil; Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) com o texto infantil O cadarço laranja.

Categoria Literatura Infantojuvenil: 


O gaúcho Lourenço Cazarré, que assina Os filhos do deserto combatem na solidão.

“A obra se destaca não somente pelo domínio da técnica, mas também pelo tema escolhido: a história dos negros africanos trazidos como escravos para o Brasil e sua luta pela liberdade. (…) Representa um importante aporte para a compreensão da nossa história e identidade” – comentário da Comissão da Premiação Literária

Sobre o autor: 


Lourenço Cazarré – Jornalista formado pela Universidade Católica de Pelotas (RS), cidade onde nasceu, é autor de mais de 50 livros, entre novelas juvenis, coletâneas de contos, romances e livros de reportagem. Recebeu mais de vinte prêmios literários de âmbito nacional, tendo vencido por duas vezes o maior certame literário dos anos 80, a Bienal Nestlé, nas categorias romance (1982) e contos (1984). Um de seus livros para jovens, Nadando contra a morte, de 1998, recebeu o Prêmio Jabuti. A novela juvenil A espada do general (1988) foi traduzida para o espanhol.

O prêmio literário foi promovido pelo Governo do Estado de Pernambuco e cada vencedor receberá um prêmio de R$ 20 mil, além da publicação dos livros pela Cepe Editora. A entrega da premiação acontece em dezembro de 2016.

Segundo a assessoria de imprensa do Prêmio Cepe Nacional de Literatura, as categorias com mais inscrições foram, respectivamente, poesia (225), livros infantojuvenis (209), romances (150) e contos (127). Os estados que mais contaram com inscrições de escritores nacionais no prêmio foram: São Paulo (146), Pernambuco (91) e Rio de Janeiro (86).

O julgamento foi realizado em duas etapas, com uma comissão de pré-seleção e outra de premiação, ambas formadas por pessoas de renome na área de Literatura. A primeira foi composta pelo professor de Letras da UFPE, Ricardo Postal; o escritor, professor e tradutor Wellington de Melo; o escritor, poeta, contista e tradutor Everardo Norões; e o jornalista e escritor Homero Fonseca. A segunda foi formada pela escritora Carola Saavedra, a escritora e jornalista Márcia Denser e o escritor Antônio Carlos Viana.

Os resultados foram divulgados também no site oficial do prêmio de literatura.

Sobre a Cepe – A Companhia Editora de Pernambuco – Cepe é uma sociedade de economia mista que tem como atividade principal a edição e impressão do Diário Oficial do Estado de Pernambuco. Vinculada à Secretaria da Casa Civil, tem como missão publicar os atos oficiais e matérias legais, públicos e privados, garantindo sua autenticidade e perenidade, e contribuir para fortalecer a cidadania e valores culturais. Suas atividades, além da edição e impressão do órgão oficial, englobam também a edição de periódicos e a produção de impressos em geral, atendendo à estrutura do Estado e a terceiros. A partir de 2008, a Cepe vem investindo fortemente na edição de livros, que ganham o reconhecimento público, tanto pelo conteúdo quanto pela qualidade editorial e gráfica.

*Com informações de Gilson Oliveira e Roziane Fernandes / Assessoria de Imprensa da Cepe

Comentários

Mais lidas da semana