Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Resenha: Jogo de Espelhos – Cara Delevingne e Rowan Coleman

Relacionamentos podem ser frágeis e nem sempre sabemos o que acontece dentro do mundo interno do outro. Com personagens complexos, as autoras Cara Delevingne e Rowan Coleman apertam a ferida no livro Jogo de Espelhos (Mirror, Mirror), publicado no Brasil pela Editora Intrínseca, em 2017, com tradução de Alice Mello.



Compre o livro Jogo de Espelhos (Cara Delevingne e Rowan Coleman): https://amzn.to/2nY32r6

Narrado em primeira pessoa por Red, uma adolescente lésbica, desde o início sabemos que a garota está preocupada com uma de suas melhores amigas que desapareceu. Naomi faz parte da banda de Red, junto com Leo e Rose. Mesmo próximos, os quatro carregam seus próprios segredos e tentam lidar com seus próprios conflitos internos.

Além de remoer as preocupações e do medo do que poderia ter acontecido com a amiga, Red ainda lida com seus próprios problemas em casa: sua mãe é alcoólatra, seu pai é ausente e ela fica com a responsabilidade de cuidar da irmã mais nova. Porém, quando ela recebe a notícia de que Naomi foi encontrada, as coisas que já não eram fáceis para Red parecem piorar.

“Fiz uma onda quebrando nas pedras, água em movimento, se renovando, mudando, reunindo forças. Sou uma onda, pensei. Mesmo desmoronando, continuo forte” – Cara Delevingne e Rowan Coleman, Jogo de Espelhos

Jogo de Espelhos nos faz refletir sobre as dores que as pessoas escondem das outras, pois sabem que nem sempre é algo que pode ser resolvido com a conversa e pior ainda, sobre como nossas vulnerabilidades podem ser usadas contra nós.

Ao desenrolar da trama, o leitor percebe que embora a música seja o elo entre os quatro amigos e o que os mantêm motivados e esperançosos, o contexto social tem um impacto no bem-estar e na saúde mental deles. Além do bullying que Red sofre e da dificuldade de se encaixar, Leo tem um irmão que se envolve com drogas e crimes e tenta arrastá-lo para o mesmo caminho, ainda que ele não sinta vontade e não se sente seguro em casa e Rose carrega traumas e feridas que continuam sangrando e a fazem buscar refúgio no sexo, oscilando entre a impulsividade destrutiva e o excesso de confiança em si mesma.

“Mas por dentro, lá no fundo, aquela garota quer chorar o tempo todo. Por dentro, ela está gritando e não consegue se livrar. Por dentro, se sente perdida e sozinha, cansada, muito cansada de fingir, não sabe se vai conseguir manter o coração batendo de tanto que dói fingir ser algo que ela não é” – Cara Delevingne e Rowan Coleman, Jogo de Espelhos

Em um jogo de muitas perguntas e poucas respostas, os amigos de Naomi ficam chocados quando a polícia para de investigar o que teria acontecido a ela, achando que se tratava de uma tentativa de suicídio. Porém, quanto mais Red tenta entender o que se passava com Naomi, mais ela percebe que mesmo sendo melhores amigas, as emoções que elas escondem também as tornam mais expostas aos perigos do mundo.

Entre o presente e flashbacks, o romance também traz algumas músicas compostas pela banda Mirror, Mirror (mesmo título do livro em inglês) e algumas das trocas de mensagens entre os personagens. Não recomendo a leitura para quem não estiver se sentindo bem, afinal, embora sejam realistas as questões abordadas no livro, também é difícil não se levar pela história e o clima de desesperança que ronda os personagens, além de poder conter gatilhos emocionais.

Por outro lado, é uma leitura que traz reflexões interessantes sobre como nem sempre temos noção de que nossos amigos passam diariamente e como o passado pode não só assombrar, mas abrir portas para pessoas mal-intencionadas. Não dá para falar muito sem revelar as reviravoltas e o clímax, mas é um daqueles livros que ao longo da leitura, nos faz suspeitar de tudo e todos.


“Dou uma sacudida no caderno e separo os pedaços de papel. Vejo as letras completas escritas nas páginas do caderno e, quanto mais leio, mais sinto como se estivesse espiando algo que não é da minha conta. Todas são repletas de paixão e luxúria, o que não tem nada a ver com o estilo de Nai. As letras que escrevíamos em parceria eram sobre liberdade, sobre ser você mesmo; sobre não se encaixar em lugar nenhum, e não dar a mínima para isso” – Cara Delevingne e Rowan Coleman, Jogo de Espelhos

Cara Delevingne e Rowan Coleman escreveram uma história sobre abusos emocionais que podem acontecer com diferentes pessoas e sobre como as dores e as máscaras que vestimos, intencionalmente ou não, podem nos proteger e ao mesmo tempo, nos levar para jogos de espelhos, onde nem tudo parece o que é e nos tornamos presas fáceis, seja no terreno virtual sombrio ou no mundo real.

Sobre as autoras do livro:

Cara Delevingne nasceu em Londres e alcançou grande sucesso em 2009, sendo hoje uma das mulheres mais influentes de sua geração. Foi escolhida duas vezes Modelo do Ano pelo British Fashion Awards, e desde 2012 atua como atriz, tendo estrelado megaproduções como Cidades de Papel, Esquadrão Suicida e Valerian. Jogo de espelhos é seu romance de estreia.

Jogo de espelhos foi escrito em colaboração com Rowan Coleman, autora best-seller com mais de dez livros publicados. Rowan mora em Hertfordshire com o marido, cinco filhos e dois cachorros. Ela se divide entre escrever e cuidar da família.

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

  1. Oi, Ben. Tudo joia?
    Caramba, eu to chocada com esse livro, e com o peso que ele carrega. Deve ser uma leitura muito gostosa, sem falar da autodescoberta que deve ser a cada página lida. Adorei a tua resenha <3
    Já aproveitei para seguir no wattpad. Um xêro.

    www.psideboteco.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Johany!
      Obrigado pela visita. A trama é pesadinha, mas bate em pontos importantes que nem sempre são discutidos em obras literárias contemporâneas.
      Abraços e gratidão por me acompanhar no Wattpad.
      Abraços

      Excluir
  2. Olá amore! Eu já comprei esse livro há algum tempo e ainda não o li por falta de tempo... Mas comprei justamente pelos motivos que você listou: a carga emocional e o rush de emoções. Espero que seja uma leitura agradável!

    Um beijo e até logo. | www.resenhabarata.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Aline!
      Espero que sua leitura seja prazerosa. Jogo de Espelhos me surpreendeu nesta parte realista dos dramas humanos.
      Beijo

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana