Pular para o conteúdo principal

Destaques

Dias de Isolamento, Estímulos e Tédio: Vidas Importam (Coronavírus) | Ben Oliveira

Mesmo para alguém no espectro autista (lembrando que não existem dois autistas iguais e há uma ampla variedade neurológica e de personalidade), os dias de isolamento não são necessariamente confortáveis.


Gostar de ficar em casa e precisar de tempo sozinho para recarregar as energias, não significa que autistas também não gostem de ver pessoas – muitos adoram andar ao ar livre. As pessoas confundem autismo, introversão, timidez e misantropia (aversão às pessoas).

O que eu queria falar é sobre a importância de se ocupar com o que te estimula. Na correria do dia a dia, todos abrimos mão daquilo que gostamos de fazer e do que nem sabíamos que gostamos. Além de ler e jogar, nesses dias aproveitei para organizar as coisas e brincar com as tintas e colas.

Deveria estar escrevendo mais, mas confesso que estou gostando de estimular outras áreas que estavam adormecidas. Sim, tenho muitos momentos de tédio, mas não acho que colocar a vida de outras pessoas em risco possa compensá-los.

Por outro …

Aspergers: As barreiras de diagnósticos e silenciamentos


Registro feito na semana que viajei atrás do meu diagnóstico formal. Vox diz tanto sobre silenciamento, que é impossível não lembrar das confusões e disputas de perspectivas no universo do autismo. Tentaram me silenciar e não conseguiram.

Por causa do tabu e da falta de exercício de autocrítica de médicos e psicólogos desatualizados, falar sobre autismo e falhas de diagnósticos incomoda. Minha preocupação nunca foi com as pessoas que se adaptaram e não se importam com o papel, mas com aquelas que precisam do diagnóstico e esbarram em profissionais desatualizados.

Diagnóstico é direito, não é favor e ninguém merece pagar o preço da ignorância e falta de reciclagem de conhecimentos, especialmente no Brasil com sérios problemas de leitura e educação.

Quando comecei a falar sobre o silenciamento e Autistas camaleões há mais de um ano (assunto completamente desconhecido por muitos profissionais da área da saúde no Brasil), essa frase da Margaret Atwood grudou na minha cabeça:

“Tudo o que é silenciado clamará para ser ouvido ainda que silenciosamente”

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

  1. Ben! Meu marido é autista e tambem estamos passando sificuldades tanto em conseguie um diagnostico oficial, quanto em conseguir algum tipo de tratamento ou ajuda! Eu sou neurotipica e tento compreender e ajudar meu marido a se encaixar no mundo, porem muitas vezes nao tenho sucesso! Sinto que precisamos de ajuda e orientação urgente! Você tem indicação de algum profissional que possamos procurar para nos auxiliar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Audrey. De qual cidade vocês são? Recomendo perguntas nos grupos de autismo indicações de profissionais que tenham experiência/vivência com autistas adultos. Infelizmente, não é fácil de encontrar, mas existem.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!