Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: O dever de combater o charlatanismo como autista, escritor e jornalista

Admiro artistas que se posicionam. Admiro pessoas que não ficam em silêncio quando vêem coisas erradas acontecendo. Neste mês, aproveitando o embalo da conscientização, estou fazendo campanha contra o charlatanismo e tratamentos falsos de autismo (Mais de 8).


Mesmo sem muito apoio, sigo em frente. E ao mesmo tempo, colegas estão fazendo campanha para acabar com o MMS no Brasil – um produto corrosivo e proibido que muitos pais de autistas usam neles achando que vão curá-los e pode matar.

Eu poderia ficar omisso, afinal, sou Asperger com Altas Habilidades, tive diagnóstico só aos 29 anos e sei como me camuflar – do espectro autista inteiro, faço parte daqueles que estão mais próximos do que é ser um neurotípico (não-autista) aos olhos de quem não entende do assunto e dizem frases como 'não parece autista', mas me nego a ficar calado vendo tanta coisa errada acontecendo.

É o mínimo que posso fazer como escritor, jornalista e pessoa no espectro autista; usar minha voz para ajudar …

Aspergers: As barreiras de diagnósticos e silenciamentos


Registro feito na semana que viajei atrás do meu diagnóstico formal. Vox diz tanto sobre silenciamento, que é impossível não lembrar das confusões e disputas de perspectivas no universo do autismo. Tentaram me silenciar e não conseguiram.

Por causa do tabu e da falta de exercício de autocrítica de médicos e psicólogos desatualizados, falar sobre autismo e falhas de diagnósticos incomoda. Minha preocupação nunca foi com as pessoas que se adaptaram e não se importam com o papel, mas com aquelas que precisam do diagnóstico e esbarram em profissionais desatualizados.

Diagnóstico é direito, não é favor e ninguém merece pagar o preço da ignorância e falta de reciclagem de conhecimentos, especialmente no Brasil com sérios problemas de leitura e educação.

Quando comecei a falar sobre o silenciamento e Autistas camaleões há mais de um ano (assunto completamente desconhecido por muitos profissionais da área da saúde no Brasil), essa frase da Margaret Atwood grudou na minha cabeça:

“Tudo o que é silenciado clamará para ser ouvido ainda que silenciosamente”

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

  1. Ben! Meu marido é autista e tambem estamos passando sificuldades tanto em conseguie um diagnostico oficial, quanto em conseguir algum tipo de tratamento ou ajuda! Eu sou neurotipica e tento compreender e ajudar meu marido a se encaixar no mundo, porem muitas vezes nao tenho sucesso! Sinto que precisamos de ajuda e orientação urgente! Você tem indicação de algum profissional que possamos procurar para nos auxiliar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Audrey. De qual cidade vocês são? Recomendo perguntas nos grupos de autismo indicações de profissionais que tenham experiência/vivência com autistas adultos. Infelizmente, não é fácil de encontrar, mas existem.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana