Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Aspergers: As barreiras de diagnósticos e silenciamentos


Registro feito na semana que viajei atrás do meu diagnóstico formal. Vox diz tanto sobre silenciamento, que é impossível não lembrar das confusões e disputas de perspectivas no universo do autismo. Tentaram me silenciar e não conseguiram.

Por causa do tabu e da falta de exercício de autocrítica de médicos e psicólogos desatualizados, falar sobre autismo e falhas de diagnósticos incomoda. Minha preocupação nunca foi com as pessoas que se adaptaram e não se importam com o papel, mas com aquelas que precisam do diagnóstico e esbarram em profissionais desatualizados.

Diagnóstico é direito, não é favor e ninguém merece pagar o preço da ignorância e falta de reciclagem de conhecimentos, especialmente no Brasil com sérios problemas de leitura e educação.

Quando comecei a falar sobre o silenciamento e Autistas camaleões há mais de um ano (assunto completamente desconhecido por muitos profissionais da área da saúde no Brasil), essa frase da Margaret Atwood grudou na minha cabeça:

“Tudo o que é silenciado clamará para ser ouvido ainda que silenciosamente”

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

  1. Ben! Meu marido é autista e tambem estamos passando sificuldades tanto em conseguie um diagnostico oficial, quanto em conseguir algum tipo de tratamento ou ajuda! Eu sou neurotipica e tento compreender e ajudar meu marido a se encaixar no mundo, porem muitas vezes nao tenho sucesso! Sinto que precisamos de ajuda e orientação urgente! Você tem indicação de algum profissional que possamos procurar para nos auxiliar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Audrey. De qual cidade vocês são? Recomendo perguntas nos grupos de autismo indicações de profissionais que tenham experiência/vivência com autistas adultos. Infelizmente, não é fácil de encontrar, mas existem.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana