Pular para o conteúdo principal

Destaques

Neurodiversidade: Autismo não só biológico ou só identidade social

A Neurodiversidade dá um tiro no pé ao tratar o autismo como algo meramente social (identidade social), ignorando as particularidades neurobiológicas de CADA autista. Mas o extremismo científico também erra ao ver como algo meramente biológico, ou até mesmo patológico.


O ideal seria ver o melhor dos dois mundos, algo impossível diante da polarização. Todo mundo sai perdendo.

É utopia esperar que a sociedade vá se adequar completamente aos autistas, especialmente porque cada autista pode ser completamente diferente do outro. O ambiente adaptado para um autista, é o ambiente desadaptado para o outro – isso entre os próprios autistas.

Enquanto as pessoas continuarem tratando o autismo como algo 'universal', ignorando as especificidades, esse debate não vai para frente.

O Asperger que não precisa interagir com os outros, não precisa trabalhar, não precisa fazer nada que o tire da zona de conforto, talvez não sinta muita dificuldade em viver em um mundo não adaptado. Mas não é a re…

Asperger: 8 Coisas que Aprendi Após o Diagnóstico Formal

8 coisas que aprendi nos 2 anos de autodiagnóstico e depois diagnóstico formal de Asperger (29 anos, em março 2019): 



1) Um autista com autoestima incomoda muita gente. Imaginam que todos nós temos autoestima baixa. Assim como não existem duas pessoas iguais, não existem dois autistas iguais;

2) Definir espaço pessoal é importante. Muita gente sem intimidade me encheu de perguntas. Aliás, meu perfil foi aberto há anos, não é mais. Toda vez que namoro, tem gente que acompanha meus relacionamentos como se fossem novelas. E não digam que eu não devo postar, cada um precisa saber seus limites. Escutar gente aleatória dizendo 'me chama para o casamento' é demais, sem falar as pessoas que adicionam meus namorados/ex sem nem conhecerem.

3) Ter um diagnóstico não define minha vida. Não deixei de ser escritor, blogueiro, gay. Ainda sou o mesmo, só com mais autoconhecimento e direcionamento de vida.

4) Dizem que pessoas no espectro têm dificuldade com relações sociais, mas muitos não-autistas têm. Confundem colega de profissão com amizade.



5) Alguns autistas são mais ingênuos, outros, não. Grande erro: Achar que porque alguém é Asperger, é fácil de manipular. Tive e tenho vários hiperfocos relacionados ao comportamento, saúde mental, narcisismo etc. e um longo histórico com mentirosos patológicos, desde gente que nunca vi dizendo que é meu amigo, já ficou comigo, até boatos piores. Recomendo terapia 😉

6) Posso estar no espectro autista e não querer amizade com outros Aspergers (especialmente se forem homofóbicos, racistas, misóginos etc). Ter o mesmo diagnóstico não nos torna amigos, no máximo pessoas que passam por situações parecidas.


7) O mesmo sobre opiniões e ideologias. Já deixei bem claro que nenhuma associação ou grupo de autismo no Brasil me representa. Posso discordar sem ser ofensivo. Se não sabe separar as coisas, aí já é um problema teu.

8) Minha liberdade, meu silêncio, minhas opiniões, minha vida, minhas escolhas... Ninguém compra. Muita gente acha que minha vida começou após o diagnóstico. Me respeite.

Tenho uma bagagem de 29 anos e sou macaco-velho. Nunca dependi de homem nem vou depender. Quem acha isso não me conhece nem um pouco.


***
Quer ser sincericida? Seja. Mas saiba arcar com as consequências.

Assim como pessoas não-autistas precisam ser educadas para viver em sociedade, pessoas no espectro também precisam aprender sobre tomadas de decisões e comportamentos. Especialmente, se for Aspergers.

No meu grupo da Autísticos, eu nunca permiti comportamentos errados e ninguém 'jogar a culpa no autismo': estávamos todos entre pessoas no espectro. Era uma das regras. "Seja responsável pelo que fala".

O que muita gente não sabe: autistas não são anjos. Existem casos na mídia internacional de Aspergers presos. Achar que todo mundo é um anjo é só uma narrativa que as pessoas preferem acreditar.

Comportamentos saudáveis precisam ser aprendidos por todos: isso inclui Aspergers e pessoas no espectro.

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.


Livros na minha lista de desejados:


Ciência picareta: https://amzn.to/2DoNaWE

Autism's False Prophets: https://amzn.to/2IM6LmY

Neurocomic: https://amzn.to/2ILUZJj

A Scientist in Wonderland: https://amzn.to/2VmQlsg



Algumas indicações de livros sobre o autismo:


Autismo (2018-2019): https://amzn.to/2Dsnokp

O Cérebro Autista: https://amzn.to/2VjXIjY

A Diferença Invisível: https://amzn.to/2DraoLV

Outra Sintonia: A história do autismo: https://amzn.to/2XzTn9H



Me acompanhe nas redes sociais:


Facebook: https://www.facebook.com/benoliveiraautor/

Twitter: https://twitter.com/Ben_Oliveira

Instagram: https://www.instagram.com/benoliveira/

YouTube: https://www.youtube.com/c/BlogdoBenOliveira

Comentários

Mais lidas da semana