Pular para o conteúdo principal

Destaques

Murder By The Coast: Documentário espanhol da Netflix sobre casos de jovens assassinadas traz dilemas éticos

Murder By The Coast (Homicídio na Costa do Sol/El caso Wanninkhof - Carabantes) é um ótimo documentário de crimes para quem deseja entender os impactos do julgamento antecipado pela imprensa sobre casos mal investigados, influenciando a opinião pública, quando só existem indícios, mas nenhuma prova. Lançado pela Netflix em 2021, o filme espanhol foi dirigido por Tània Balló e roteirizado por Gonzalo Berger . Em mais de 20 anos, muita coisa mudou no mundo. Mas há outras que ainda servem como ótimo exemplo de erros e acertos, especialmente no que diz respeito aos casos criminais, opiniões públicas, preconceitos e faltas de evidências. O documentário traz o caso da adolescente Rocío Wanninkhof que foi assassinada em 1999 e na ansiedade para encontrar um culpado, diante da falta de informações concretas, tudo toma um rumo que se fossem contar, poderiam jurar que se trata de um enredo de ficção. Os depoimentos de profissionais envolvidos ou que estudaram o caso só enriquecem o documentári

Resenha: Sete Minutos Depois da Meia-Noite – Patrick Ness

“Histórias são criaturas selvagens”. Com essa frase, Patrick Ness leva o leitor a acompanhar de que forma as narrativas servem como companheiras para o solitário Conor, um adolescente tentando lidar com o fato de que sua mãe está doente. Assim é a premissa do livro Sete Minutos Depois da Meia-Noite (A Monster Calls), publicado pela Editora Novo Conceito, em 2016, com tradução de Paulo Polzonoff Junior.


Compre o livro Sete Minutos Depois da Meia-Noite (Patrick Ness): https://amzn.to/36NpCGS

Narrado em terceira pessoa, o romance gira ao redor do sofrimento de Conor e de como ele alimenta diariamente seu monstro, que pode ser lido tanto no sentido literal, como uma metáfora para a ansiedade, o medo, a raiva e as demais emoções que ele não consegue controlar. O que ele não imagina é que ignorar o monstro que o visita não é o suficiente para que ele desapareça.

Com uma linguagem bem direta, o livro é bem enxuto e ideal para quem gosta de narrativas mais curtas – fica aqui a indicação de leitura também para quem não tem o hábito de ler livros longos e gostaria de desenvolver o hábito em 2020. Embora não seja narrado em primeira pessoa, é uma história que ajuda o leitor a entender um pouco do furacão pelo qual o protagonista tão jovem está passando.

“Histórias são importantes. Elas podem ser mais importantes do que tudo. Se forem sinceras” – Patrick Ness, Sete Minutos Depois da Meia-Noite

Uma das únicas certezas da vida é também responsável pela ansiedade de muitos: todos vamos morrer, só não sabemos quando. Ter alguém da família doente pode ser uma experiência marcante e dependendo da idade, com as responsabilidades do colégio e a dificuldade de se encaixar, a pressão pode ser esmagadora.

Dizem que o oposto do amor não é a raiva, mas o medo. Existem situações nas quais as emoções são mais complexas do que A ou B e a situação do livro é uma delas. O próprio personagem principal não sabe discernir seus atos em alguns momentos, tamanha a frustração que ele está sentindo, o que acaba aumentando o seu isolamento e gerando mais conflitos internos e externos.

“A névoa os cercou novamente e o jardim de sua avó desapareceu. O mundo mudou para algo cinza e vazio e Conor soube exatamente onde estava, soube exatamente no que o mundo se transformara. Ele estava dentro do pesadelo” – Patrick Ness, Sete Minutos Depois da Meia-Noite

Em uma época em que muito se fala sobre inteligência emocional e ainda pouco se discute questões universais como o envelhecimento, as doenças e o bullying, que acabam sendo abordadas mais em produções culturais, como filmes, séries e obras literárias do que em nossos cotidianos, o livro Sete Minutos Depois da Meia-Noite pode ser um pontapé inicial e uma boa leitura de ser trabalhada em sala de aula, agradando leitores de diferentes idades.

Acompanhar a jornada do protagonista não é uma experiência fácil. Dentro ou fora do universo ficcional, cada um tenta reescrever a própria história e dar significações para o que está acontecendo ao seu redor. Uma árvore nem sempre é só uma árvore e monstros nem sempre são ruins; alguns deles podem nos levar a questionamentos existenciais, dilemas e escolhas.

“Sozinho, ele ficou sentado num canto afastado do refeitório, a comida intacta diante dele. O salão estava incrivelmente barulhento, rugindo com os sons dos colegas e todos os gritos e berros e lutas e risadas. Conor deu o melhor de si para ignorar tudo” – Patrick Ness, Sete Minutos Depois da Meia-Noite

Sete Minutos Depois da Meia-Noite foi escrito por Patrick Ness junto com ideias de Siobhan Dowd, uma escritora que faleceu antes de conseguir publicar a história. O trabalho que ficaria incompleto ganhou um lindo sopro de vida sobre amadurecimento e como o câncer pode afetar um adolescente. Narrador, personagem, autor, imaginação, delírio, consciência, memória, sonho... Já dizia Stephen King: “Monstros são reais, e fantasmas também. Eles vivem dentro de nós e, às vezes, eles vencem”.

Sobre o autor – Patrick Ness é o autor best-seller da trilogia Chaos Walking. Aclamado pela crítica, já recebeu diversos prêmios como escritor de ficção para crianças, incluindo duas Medalhas Carnegie, no Reino Unido. Já foi colunista do Sunday Telegraph e hoje é crítico literário no The Guardian. Patrick nasceu na Virgínia, nos Estados Unidos, e vive em Londres.

*Ganhei este livro em um sorteio do Leitura no Vagão. Aproveite para conhecer o projeto e apoiar. Eles recebem doações de livros.

E você, já leu ou assistiu ao filme de Sete Minutos Depois da Meia-Noite? Ficou com vontade de ler o livro? 

Apoie a produção de conteúdo no blog. Compre livros: https://amzn.to/3agn3QC

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro, jornalista por formação e Asperger. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana