Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Autismo: Disfunção Executiva e reaproveitando coisas quebradas

Naturalmente desastrado. Hoje é Dia de Conscientização do Autismo, então, vou levar um pouco de informações.


Pessoas no espectro autista podem ter dificuldade com coordenação motora/localização espacial e ter disfunção executiva: trombar nas coisas, por exemplo. Não é exclusivo de autistas.

Sobre a disfunção executiva, pessoas com TDAH e outras condições também podem ter (Alzheimer, Parkinson, ansiedade, depressão, bipolar etc.).

No caso de nós, autistas, situações de estresse sensorial e emocional podem piorar a disfunção executiva. Há dias em que ficamos mais estabanados do que nosso normal. O que pode significar pequenos acidentes.

Desde criança, venho derrubando e quebrando potes. Na vida adulta, aprendi que não dá para odiar aquilo que você não pode mudar. Então, a gente improvisa. Às vezes, tento reaproveitar as coisas que quebro. O que dá para colar, eu colo. O que dá para ser reaproveitado, tento usar e o que precisa ir fora, aprendi a desapegar sem me culpar sempre (não tão fácil, muitas pessoas com Síndrome de Asperger/espectro autista podem ser perfeccionistas e ter dificuldade de lidar com as emoções). A vida fica mais leve.

PS: Só dei um exemplo, entre tantos outros que poderia dar sobre Disfunção Executiva (envolve planejamento, atenção, capacidades de organização, abstração, conceituação, execução, monitoramento, entre outras).

E você, conhece ou é alguém com disfunção executiva? Já conhecia o termo?



Gostou do texto? Compartilhe para que mais pessoas possam conhecer um pouco do universo do espectro autista.



Sobre o autor:


Ben Oliveira é escritor, blogueiro, jornalista por formação e Asperger. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana