Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

Follow Me: Documentário sobre o Instagram e influenciadores digitais vai de Dubai aos Estados Unidos

Focado em entender um pouco do boom do Instagram, o mundo dos influenciadores digitais e como ele próprio pode conquistar seguidores, o diretor e roteirista franco-argelino Asri Bendacha produziu o documentário Follow Me. Para quem assina a Netflix Brasil, o último dia para assistir ao filme na plataforma de streaming é 15 de maio de 2021.

Muitos documentários disponíveis na Netflix costumam ser bastante criticados pelo público. Com Follow Me não é tão diferente e com razão. Com um humor forçado, os comportamentos de Asri Bendacha para chamar a atenção se assemelham aos de muita gente no mundo digital tentando conquistar popularidade, como ficar pedindo para pessoas aleatórias: “Me siga no Instagram”, sem se preocupar com o conteúdo e focar só nos números.

Com a ilusão do dinheiro fácil, após ler uma reportagem sobre pessoas receberem milhares de dólares por uma foto no Instagram, ele que se diz quebrado financeiramente parte à procura de conseguir o máximo de seguidores possíveis e compreender a dinâmica desse mercado. Embora esteja repleto de obviedades sobre o mundo das redes sociais, alguns pontos levam à reflexão sobre esse universo caótico e, por vezes, ilusório.

Se podemos creditar às redes sociais elementos positivos, como a possibilidade de pessoas de diferentes países conhecerem um pouco das diversas realidades – fora do olhar da mídia tradicional, muitas vezes, mais focada nas questões negativas porque gera mais audiência –, o documentário também lembra outros pontos, como a transparência dos influenciadores e das empresas anunciantes, o uso e venda de dados pessoais, a compra de seguidores reais ou falsos para inflar os números e aumentar a interação e a atenção que as redes sociais devem ter já que crianças têm instalado e usado os aplicativos.

Morador de Dubai há anos, sua produção independente de documentário da cidade Emirados Árabes Unidos foi a primeira a chegar do local a chegar à plataforma de streaming da Netflix. Ele chega a entrevistar algumas pessoas de lá, mostrando inclusive como o Instagram foi usado para incentivar o turismo da região.

Seu segundo documentário seria sobre bitcoin e criptomoedas, mas até o momento não foi lançado. No site do Indiegogo, o projeto contou só com 11 apoiadores.

Para quem se pergunta se o documentário o ajudou a ganhar seguidores e bater sua meta, no momento ele conta com mais de 15 mil seguidores no Instagram. Quando bati o olho no perfil e vi uma foto com uma camiseta “Corona: Spread the fear. Made in media”, não sabia se era ironia ou não, até vê-lo respondendo os comentários. 

O próprio documentário de Asri Bendacha serve como uma autocrítica das coisas que as pessoas fazem por dinheiro e atenção. Afinal, longe de ser uma tentativa da mídia de colocar o medo nos outros: se com tantos avisos sobre os riscos da pandemia, tantas mortes aconteceram pelo mundo, imagina se a população tivesse ficado no escuro e espalhado ainda mais o vírus?

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana