Pular para o conteúdo principal

Destaques

The Puppet Master: Série documental da Netflix traz casos de vítimas de um sociopata vigarista

Para quem está procurando algo intrigante para assistir na Netflix , a série documental The Puppet Master: Hunting the Ultimate Conman apresenta uma daquelas histórias que as pessoas nunca se imaginam acontecendo com elas, até que o pior acontece. Um sociopata manipulador encontra várias presas fáceis, interessado no dinheiro delas, ao mesmo tempo em que conta histórias sem pé nem cabeça para isolá-las dos familiares e dos amigos, em uma jornada marcada pelo medo, fuga e diferentes estratégias de lavagem cerebral. Muitas vezes associada às seitas em uma escala maior, muita gente ainda desconhece os danos que uma pessoa manipuladora pode causar, a ponto de duvidar de si mesmo e da própria sanidade, situação que só piora quando ela é incentiva a cortar todos laços e fica presa num ciclo de total dependência da validação do outro, como se tivesse que pedir permissão até para existir. Quantas pessoas foram vítimas de Robert Hendy-Freegard ? A série documental se foca principalmente em tr

Follow Me: Documentário sobre o Instagram e influenciadores digitais vai de Dubai aos Estados Unidos

Focado em entender um pouco do boom do Instagram, o mundo dos influenciadores digitais e como ele próprio pode conquistar seguidores, o diretor e roteirista franco-argelino Asri Bendacha produziu o documentário Follow Me. Para quem assina a Netflix Brasil, o último dia para assistir ao filme na plataforma de streaming é 15 de maio de 2021.

Muitos documentários disponíveis na Netflix costumam ser bastante criticados pelo público. Com Follow Me não é tão diferente e com razão. Com um humor forçado, os comportamentos de Asri Bendacha para chamar a atenção se assemelham aos de muita gente no mundo digital tentando conquistar popularidade, como ficar pedindo para pessoas aleatórias: “Me siga no Instagram”, sem se preocupar com o conteúdo e focar só nos números.

Com a ilusão do dinheiro fácil, após ler uma reportagem sobre pessoas receberem milhares de dólares por uma foto no Instagram, ele que se diz quebrado financeiramente parte à procura de conseguir o máximo de seguidores possíveis e compreender a dinâmica desse mercado. Embora esteja repleto de obviedades sobre o mundo das redes sociais, alguns pontos levam à reflexão sobre esse universo caótico e, por vezes, ilusório.

Se podemos creditar às redes sociais elementos positivos, como a possibilidade de pessoas de diferentes países conhecerem um pouco das diversas realidades – fora do olhar da mídia tradicional, muitas vezes, mais focada nas questões negativas porque gera mais audiência –, o documentário também lembra outros pontos, como a transparência dos influenciadores e das empresas anunciantes, o uso e venda de dados pessoais, a compra de seguidores reais ou falsos para inflar os números e aumentar a interação e a atenção que as redes sociais devem ter já que crianças têm instalado e usado os aplicativos.

Morador de Dubai há anos, sua produção independente de documentário da cidade Emirados Árabes Unidos foi a primeira a chegar do local a chegar à plataforma de streaming da Netflix. Ele chega a entrevistar algumas pessoas de lá, mostrando inclusive como o Instagram foi usado para incentivar o turismo da região.

Seu segundo documentário seria sobre bitcoin e criptomoedas, mas até o momento não foi lançado. No site do Indiegogo, o projeto contou só com 11 apoiadores.

Para quem se pergunta se o documentário o ajudou a ganhar seguidores e bater sua meta, no momento ele conta com mais de 15 mil seguidores no Instagram. Quando bati o olho no perfil e vi uma foto com uma camiseta “Corona: Spread the fear. Made in media”, não sabia se era ironia ou não, até vê-lo respondendo os comentários. 

O próprio documentário de Asri Bendacha serve como uma autocrítica das coisas que as pessoas fazem por dinheiro e atenção. Afinal, longe de ser uma tentativa da mídia de colocar o medo nos outros: se com tantos avisos sobre os riscos da pandemia, tantas mortes aconteceram pelo mundo, imagina se a população tivesse ficado no escuro e espalhado ainda mais o vírus?

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana