Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

Little Big Women: Filme taiwanês de drama sobre adversidades inesperadas e superações

Little Big Women (Mulheres Ocultas/孤味) é um filme taiwanês de drama sobre uma família lidando com a inesperada morte do pai ausente e de como feridas do passado voltam à tona. A obra cinematográfica foi dirigida por Joseph Chen-Chieh Hsu, roteiro em co-autoria com Maya Huang e está disponível na Netflix Brasil.

“A juventude é agridoce” canta Lin Shoying (Shu-Fang Chen) no karaokê dentro de um táxi, uma das personagens encantadoras desse filme. Com um passado de sacrifícios, a matriarca conseguiu proporcionar uma vida relativamente boa para suas filhas, mesmo com o ex-marido ausente. Porém, seu orgulho e ressentimento despertam seu lado crítico.

Com personalidades bem diferentes, as filhas encaram junto com a mãe algumas das responsabilidades e tradições relacionadas à morte do homem. Em um país com variadas influências religiosas, ao mesmo tempo em que relembra os sofrimentos, sacrifícios e esforços que passou para se reerguer, Lin Shoying guarda uma memória afetiva do ex-marido e quer que ele tenha paz no pós-morte.

Apesar de bem simples, o filme é repleto de significações e reflexões sobre a vida. Existe uma beleza dos pequenos atos em produções de drama que nos levam à catarse e nos transportam para dentro da obra: “Se fosse comigo, faria o mesmo? Faria diferente?”.

Entre escolhas nada fáceis no passado e o excesso de pressão, as filhas de Lin Shoying são singulares e essa mistura é o que torna Little Big Women tão envolvente – por trás de grandes mulheres, existem pequenas meninas? A combinação de fragilidade e força e as adversidades universais tornam o filme uma das joias da Netflix.

Os dramas secundários ficam em aberto, mas longe de desagradarem, passam a mesma sensação de que há coisas que não podemos antecipar na vida: diferenças de gerações, escolhas profissionais, doenças, dívidas, divórcios, traições, recomeços, desapegos, empatia e o alívio do perdão. 

As atriz que interpretaram Lin Shoying e Ching (Ying-Hsuan Hsieh) foram premiadas pela atuação em Little Big Women no Golden Horse Film Festival e Faro Island Film Festival. 

Fico feliz em ver a Netflix divulgando mais produções cinematográficas de Taiwan e da Ásia. Creio que durante muitos anos, muitos telespectadores tiveram mais contato com o cinema dos Estados Unidos e Europeu. O grande diferencial da Netflix tem sido a possibilidade de acompanhar filmes do mundo todo, mas é claro que ainda pode melhorar.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana