Pular para o conteúdo principal

Destaques

Tigertail: Filme de drama explora as memórias de um imigrante taiwanês nos Estados Unidos

Um velho taiwanês revive suas histórias de antes e depois de sua vida nos Estados Unidos. O filme Tigertail foi lançado em 2020, com direção e roteiro do norte-americano  Alan Yang , filho de taiwaneses e foi distribuído pela Netflix .  No recente contexto em que descendentes de asiáticos pedem mais respeito nos Estados Unidos, para quem não está familiarizado com narrativas explorando o mundo multicultural da relação entre a Ásia e países ocidentais, vale a pena assistir Tigertail. É como rever um álbum de fotografias antigas e se emocionar com os detalhes e períodos de mudanças. Parte do filme se passa em Taiwan, país de origem do protagonista e sua família. Com um tom de nostalgia, a história relembra uma das principais motivações que levaram ao jovem Pin-Jui a optar por um recomeço na América do Norte. Conhecendo o seu passado e as coisas que ele deixou para trás, dá para entender um pouco como se molda a sua personalidade mais fechada. Entre o taiwanês, inglês e o mandarim, Tiger

Little Big Women: Filme taiwanês de drama sobre adversidades inesperadas e superações

Little Big Women (Mulheres Ocultas/孤味) é um filme taiwanês de drama sobre uma família lidando com a inesperada morte do pai ausente e de como feridas do passado voltam à tona. A obra cinematográfica foi dirigida por Joseph Chen-Chieh Hsu, roteiro em co-autoria com Maya Huang e está disponível na Netflix Brasil.

“A juventude é agridoce” canta Lin Shoying (Shu-Fang Chen) no karaokê dentro de um táxi, uma das personagens encantadoras desse filme. Com um passado de sacrifícios, a matriarca conseguiu proporcionar uma vida relativamente boa para suas filhas, mesmo com o ex-marido ausente. Porém, seu orgulho e ressentimento despertam seu lado crítico.

Com personalidades bem diferentes, as filhas encaram junto com a mãe algumas das responsabilidades e tradições relacionadas à morte do homem. Em um país com variadas influências religiosas, ao mesmo tempo em que relembra os sofrimentos, sacrifícios e esforços que passou para se reerguer, Lin Shoying guarda uma memória afetiva do ex-marido e quer que ele tenha paz no pós-morte.

Apesar de bem simples, o filme é repleto de significações e reflexões sobre a vida. Existe uma beleza dos pequenos atos em produções de drama que nos levam à catarse e nos transportam para dentro da obra: “Se fosse comigo, faria o mesmo? Faria diferente?”.

Entre escolhas nada fáceis no passado e o excesso de pressão, as filhas de Lin Shoying são singulares e essa mistura é o que torna Little Big Women tão envolvente – por trás de grandes mulheres, existem pequenas meninas? A combinação de fragilidade e força e as adversidades universais tornam o filme uma das joias da Netflix.

Os dramas secundários ficam em aberto, mas longe de desagradarem, passam a mesma sensação de que há coisas que não podemos antecipar na vida: diferenças de gerações, escolhas profissionais, doenças, dívidas, divórcios, traições, recomeços, desapegos, empatia e o alívio do perdão. 

As atriz que interpretaram Lin Shoying e Ching (Ying-Hsuan Hsieh) foram premiadas pela atuação em Little Big Women no Golden Horse Film Festival e Faro Island Film Festival. 

Fico feliz em ver a Netflix divulgando mais produções cinematográficas de Taiwan e da Ásia. Creio que durante muitos anos, muitos telespectadores tiveram mais contato com o cinema dos Estados Unidos e Europeu. O grande diferencial da Netflix tem sido a possibilidade de acompanhar filmes do mundo todo, mas é claro que ainda pode melhorar.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana