Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Little Big Women: Filme taiwanês de drama sobre adversidades inesperadas e superações

Little Big Women (Mulheres Ocultas/孤味) é um filme taiwanês de drama sobre uma família lidando com a inesperada morte do pai ausente e de como feridas do passado voltam à tona. A obra cinematográfica foi dirigida por Joseph Chen-Chieh Hsu, roteiro em co-autoria com Maya Huang e está disponível na Netflix Brasil.

“A juventude é agridoce” canta Lin Shoying (Shu-Fang Chen) no karaokê dentro de um táxi, uma das personagens encantadoras desse filme. Com um passado de sacrifícios, a matriarca conseguiu proporcionar uma vida relativamente boa para suas filhas, mesmo com o ex-marido ausente. Porém, seu orgulho e ressentimento despertam seu lado crítico.

Com personalidades bem diferentes, as filhas encaram junto com a mãe algumas das responsabilidades e tradições relacionadas à morte do homem. Em um país com variadas influências religiosas, ao mesmo tempo em que relembra os sofrimentos, sacrifícios e esforços que passou para se reerguer, Lin Shoying guarda uma memória afetiva do ex-marido e quer que ele tenha paz no pós-morte.

Apesar de bem simples, o filme é repleto de significações e reflexões sobre a vida. Existe uma beleza dos pequenos atos em produções de drama que nos levam à catarse e nos transportam para dentro da obra: “Se fosse comigo, faria o mesmo? Faria diferente?”.

Entre escolhas nada fáceis no passado e o excesso de pressão, as filhas de Lin Shoying são singulares e essa mistura é o que torna Little Big Women tão envolvente – por trás de grandes mulheres, existem pequenas meninas? A combinação de fragilidade e força e as adversidades universais tornam o filme uma das joias da Netflix.

Os dramas secundários ficam em aberto, mas longe de desagradarem, passam a mesma sensação de que há coisas que não podemos antecipar na vida: diferenças de gerações, escolhas profissionais, doenças, dívidas, divórcios, traições, recomeços, desapegos, empatia e o alívio do perdão. 

As atriz que interpretaram Lin Shoying e Ching (Ying-Hsuan Hsieh) foram premiadas pela atuação em Little Big Women no Golden Horse Film Festival e Faro Island Film Festival. 

Fico feliz em ver a Netflix divulgando mais produções cinematográficas de Taiwan e da Ásia. Creio que durante muitos anos, muitos telespectadores tiveram mais contato com o cinema dos Estados Unidos e Europeu. O grande diferencial da Netflix tem sido a possibilidade de acompanhar filmes do mundo todo, mas é claro que ainda pode melhorar.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana