Pular para o conteúdo principal

Destaques

The Good Detective: Série coreana policial sobre antigo caso e a busca pela verdade

The Good Detective é uma série coreana policial que aborda um caso antigo, cujo julgamento levou à sentença de condenação de morte do acusado. Um detetive novato no departamento e um veterano se juntam para descobrir se aconteceram falhas nas investigações policiais. A série está disponível na Netflix . Com 16 episódios em sua primeira temporada, três personagens se destacam: o detetive que participou da investigação do caso, Kang Do Chang (Son Hyeon-ju) , o jovem detetive Oh Ji Hyuk (Seung-jo Jang) e a jornalista investigativa Jin Seo Kyung (Elliya Le) . Quando um novo caso de um suposto assassino confesso da filha do homem condenado ganha a atenção da mídia, muitas dúvidas pairam no ar sobre as motivações e os possíveis envolvidos, fazendo com que os detetives discretamente se aprofundassem nas investigações, mesmo sabendo que poderiam prejudicar as próprias carreiras. Kang é movido pela consciência pesada de ter sido parte do caso do condenado possivelmente inocente sofrer pena de

My Shy Boss: Série de drama sul-coreano tem protagonista com fobia social e segredos

My Shy Boss (Introverted Boss/Naesungjukin Boseu/내성적인 보스) é uma série de drama romântico sul-coreano sobre a relação entre um chefe de uma empresa de Relações Públicas e uma jovem atriz extrovertida tentando descobrir a verdade sobre um acontecimento do passado que envolveu sua irmã. Lançada em 2017, a série da tvN (canal de televisão da Coreia do Sul) está disponível na Netflix Brasil por tempo indeterminado.

Para quem sente falta de ver personagens com dificuldades de comunicação e interação em seriados, My Shy Boss tem Eun Hwan-ki (Yeon Woo-Jin), um protagonista que evita o máximo possível falar com os funcionários de sua empresa, de forma que gera estranhamento nos outros. Sempre com seu casaco preto de capuz, sua timidez chama a atenção de forma negativa por onde passa.

Até se acostumar com o personagem principal, fica difícil compreender alguns dos seus comportamentos. Se é contraditório para os próprios funcionários, para a família dele e até mesmo para alguns clientes insatisfeitos com a performance social dele, o fato de ele trabalhar em uma das melhores empresas de Relações Públicas e não conseguir se aproximar de sua própria equipe e fazer uma apresentação, por causa dos estereótipos e desconhecimento do passado do protagonista, para o telespectador pode ser meio estranho no início.

Atriz, sonhadora e extrovertida, Chae Ro-woon (Park Hye-soo) é uma daquelas personagens tão cheias de energia que ou você ama, ou você odeia. Procurando um emprego mais estável para ajudar sua família, o seu destino acaba se cruzando com o de Eun Hwan-ki, mas suas motivações secretas balançam as coisas na empresa.

Como yin e yang, com sua personalidade expansiva e faladeira, intencionalmente ou não, Chae Ro-woon acaba invadindo o espaço pessoal de Eun Hwan-ki. Conforme ela vai testemunhando os episódios de fobia social, timidez e ansiedade de seu chefe, Chae Ro-woon se dá conta de que não é por falta de vontade dele e passa a ter um olhar mais humano sobre a introversão dele.

Com tramas e personagens secundários igualmente importantes, que nos fazem refletir sobre a pressão familiar, pressão social e pressão no ambiente de trabalho da Coreia do Sul, bem como a dificuldade e resistência de falar sobre saúde mental e sentimentos com medo do julgamento dos outros, por meio da catarse, My Shy Boss mostra o pior e o melhor do ser humano quando se deixa guiar pelas expectativas.

Embora não torne o foco principal da série, além da ansiedade social e da competitividade no mundo do trabalho, também são abordados na trama o suicídio de um dos personagens, como as aparências enganam por orgulho e honra e a automutilação por medo do abandono – a personagem não chega a ser diagnosticada, mas pelos seus comportamentos de colocar a própria vida em risco, tudo leva a crer de que é algo que vai além da culpa e do amor que ela diz sentir.

My Shy Boss mostra como uma história de vingança, segredos e de se prender no próprio mundo pode se transformar em um drama sobre amizades, perdão (e autoperdão), transformação social do mundo do trabalho e amores.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana