Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

Quem Matou Sara?: Série mexicana da Netflix prende a atenção do início ao fim

Para quem está procurando uma série de vingança, segredos e muitas reviravoltas, Quem Matou Sara? (Who Killed Sara?/¿Quién mató a Sara?) é uma ótima indicação. A série mexicana foi produzida pela Perro Azul para a Netflix, criada por José Ignacio Valenzuela e com episódios dirigidos por David Ruiz e Bernardo de la Rosa.

Se você gosta de séries com personagens complexos e situações dramáticas, sem abrir mão da ação, como Revenge, How To Get Away With Murder e The Sinner, Quem Matou Sara? Vai te conquistar do primeiro até o último episódio da primeira temporada e te deixar com gostinho de quero mais ao conferir uma prévia do que vem na próxima temporada.

Depois de 18 anos na prisão por um crime que não cometeu, Alejandro Guzmán (Manolo Cardona) passou anos se planejando para o dia em que saísse e começasse sua jornada à procura da verdade e da justiça: se vingar do real culpado pela morte de sua irmã e daqueles que traíram sua confiança.

Entre sua luta no presente para encontrar informações e as memórias do passado relacionadas ao episódio em que Sara morreu (Alejandro mais jovem é interpretado por Leo Deluglio), o telespectador vai conhecendo mais sobre as motivações do protagonista, bem como da família Lazcano.

Com atuações tão bem-feitas, é impossível não sentir ranço por alguns dos personagens. Seus comportamentos dão pano para discussões secundárias, como o feminicídio, prisão de inocente, jogos de poder, homofobia, voyeurismo, traumas, hipocrisia, traições, entre outras questões que não vou comentar, para não revelar nenhuma informação importante da série. 

Um ponto bem positivo da série foi a inclusão de personagens gays de forma natural, sem o receio de mostrar cenas de beijos e até mais quentes como ainda costuma acontecer em séries de vários países, nos quais casais heterossexuais são retratados de forma mais sexuais e casais LGBTQ de forma mais comportada e até censurada em alguns países.

A série é tão bem costurada que dá vontade de assistir a um episódio atrás do outro: boa para tirar um dia do fim de semana para maratonar. Enquanto alguns acontecimentos se tornam óbvios conforme as verdades são reveladas, outros são imprevisíveis e servem como gancho para a próxima temporada e aumentam a curiosidade sobre os próximos passos dos personagens.

Você sabe que uma série vai fazer sucesso quando ela mal foi lançada e já saiu confirmação da 2ª temporada, além de acompanhar nas redes sociais, como o Twitter, mais telespectadores pedindo à Netflix pelos novos episódios.

Além do roteiro envolvente, a fotografia, as atuações e a trilha sonora de Quem Matou Sara? estão ótimas. Uma maravilhosa maneira de tornar produções da América Latina e do México mais conhecidas pelo mundo.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana