Pular para o conteúdo principal

Destaques

The Good Detective: Série coreana policial sobre antigo caso e a busca pela verdade

The Good Detective é uma série coreana policial que aborda um caso antigo, cujo julgamento levou à sentença de condenação de morte do acusado. Um detetive novato no departamento e um veterano se juntam para descobrir se aconteceram falhas nas investigações policiais. A série está disponível na Netflix . Com 16 episódios em sua primeira temporada, três personagens se destacam: o detetive que participou da investigação do caso, Kang Do Chang (Son Hyeon-ju) , o jovem detetive Oh Ji Hyuk (Seung-jo Jang) e a jornalista investigativa Jin Seo Kyung (Elliya Le) . Quando um novo caso de um suposto assassino confesso da filha do homem condenado ganha a atenção da mídia, muitas dúvidas pairam no ar sobre as motivações e os possíveis envolvidos, fazendo com que os detetives discretamente se aprofundassem nas investigações, mesmo sabendo que poderiam prejudicar as próprias carreiras. Kang é movido pela consciência pesada de ter sido parte do caso do condenado possivelmente inocente sofrer pena de

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix, acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais, os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul.

A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra).

Enquanto ele foi criado com uma vida de privilégios e sua imagem não era das melhores, devido aos inúmeros escândalos noticiados pela imprensa, a jovem teve que se sustentar sozinha por meio de vários trabalhos de meio período. O dinheiro que para Hyuk era apenas um trocado, para Joon era algo praticamente impossível de conquistar em mais de um ano trabalhando, entre inúmeras outras percepções de contrastes sociais que antes eram invisíveis aos olhos de quem cresceu em um ambiente repleto de vantagens e bajulações.

Outro personagem fundamental na série é Kwon Jae-Hoon (Gong Myung), o jovem que cresceu próximo da família de Hyuk já que o pai era funcionário e acabou se tornando amigo e assessor que apaga os incêndios do rapaz. Os três personagens estão conectados direta e indiretamente por suas famílias e pelo universo do trabalho. Enquanto Joon e Jae-Hoon já têm suas bagagens no mercado de trabalho, Hyuk descobre que a realidade dentro e fora da empresa de sua família é mais cruel e fria do que imaginava e não aceita com tanta facilidade as situações de injustiças sociais, criando mais problemas não só para ele, como também para o amigo que deveria monitorá-lo.

Os personagens secundários ajudam a dar mais peso não só ao drama das diferenças sociais e dificuldade de sobreviver na Coreia do Sul, mas aos momentos cômicos da série que envolvem as descobertas de Hyuk e como essas relações inicialmente de trabalho geram situações de amizade e companheirismo diante das crises e necessidades de suporte emocional.

Se você gosta de histórias de amor, Revolutionary Love talvez não seja a melhor série coreana, especialmente pelo lento desenrolar do relacionamento. Embora o título dê a entender que é uma produção mais romântica, no fundo é mais sobre o amor de forma geral, seja na valorização das amizades, dos colegas de trabalho e na quase impossível tentativa de manter vivo o relacionamento com familiares quando fazem parte do mesmo universo corporativo e ultrapassam valores éticos e morais por causa da competitividade pelo poder.

Entre caminhos confortáveis e desconfortáveis, os personagens passam por processos de autodescoberta, confrontos com seus passados e presentes e preocupações com o futuro. É interessante acompanhar a maneira que eles se transformam, pois longe de ser um processo artificial e meramente do roteiro, isso tudo só desenrola conforme eles encaram seus medos, suas dores e seguem seus corações, ainda que não saibam exatamente para onde serão levados. 

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Me acompanhe nas redes sociais:

Twitter: https://twitter.com/BenOlivDreamer

Facebook: https://www.facebook.com/BenOliveiraDreamer

Instagram: https://instagram.com/benoliveiradreamer

Comentários

Mais lidas da semana