Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

You Are My Spring: Série coreana de romance e suspense sobre as transformações pelas dores e afetos

You Are My Spring (Você É Minha Primavera) é uma série de drama de muitas camadas, que apresenta personagens com passado tristes e sombrios, cujas histórias de vidas contrastam com o título da obra e, ao mesmo tempo, revelam a capacidade do ser humano de reescrever o presente e o futuro ainda que a personalidade tenha sido moldada nos períodos difíceis da infância.

Do diretor Jung Ji-Hyun e roteirista Lee Mi-Na, a série que estreou originalmente na tvN, agora está disponível em vários países por meio da Netflix. Dá para perceber que houve esforço na construção dos personagens, conectando suas infâncias e presentes de forma consistente: o que torna ainda mais interessante, graças a um dos protagonistas, Joo Yeong-do (Kim Dong-wook), um psiquiatra com uma visão mais humanizada sobre saúde mental e que tem compaixão pelos que sofrem – bem diferente de muitos profissionais representados na ficção e que existem na vida real, muitas vezes com uma abordagem tão focada para medicação que não dão a devida atenção para as questões pessoais.

Funcionária de um hotel, Kang Da Jeong (Hyeon-jin Seo) vê sua vida cruzar com a de outros personagens que consciente ou subconscientemente sabem que estão unidos por episódios do passado. Este elo entre esses eventos faz com que a história se torne mais gostosa de acompanhar, com um roteiro que sabe brincar com diferentes elementos da narrativa e proporciona momentos de suspense e tensão com a doçura e ansiedade dos encontros e desencontros dos personagens.

Balancear uma história com momentos de romance e de suspense, sem ficar água com açúcar demais ou tornar a história do relacionamento superficial demais ao se focar em excesso nos mistérios pode ser desafiador, mas You Are My Spring consegue cativar ambos lados, mantendo o telespectador curioso para saber mais sobre quem está por trás dos assassinatos e a história de fundo que afetou a infância de inúmeras crianças e o lento desabrochar de um relacionamento marcado pelas inseguranças do passado, mas também pelo excesso de cuidado e temor de um machucar o outro.

Além de traumas relacionados à violência e à negligência, a série também aborda a questão do luto e da saúde mental – como algumas pessoas têm uma visão distorcida sobre como devem lidar com as emoções, tentando suprimi-las em vez de senti-las ou ignorando a necessidade de buscar ajuda por vergonha, ignorância ou orgulho.

Não dá para revelar muito sobre o suspense da série sem dar spoiler, mas o roteiro consegue amarrar bem a relação entre causa e consequência para o comportamento humano, tanto dos momentos de dores e solidão, como dos momentos de amor e alegria compartilhada. 

No final das contas, embora o título traga primavera, remetendo à noção da importância da luz e sombra para que as plantas possam florescer, também explora esse conceito na natureza humana: o excesso de cuidado pode revelar o medo de ferir e trazer à tona um egoísmo superprotetor, mas no amadurecimento pessoal e dos relacionamentos, os personagens encaram suas emoções e tentam encontrar no equilíbrio a sintonia necessária para que possam seguir em frente.

Para quem gosta da indústria cultural da Coreia do Sul, como uma das personagens é atriz e outro é um idol – algo recorrente em alguns dramas coreanos –, dá para conhecer um pouco a pressão que os artistas vivem relacionados às vidas pessoais e um cuidado quase que obsessivo para não desagradarem seus fãs, muitas vezes, abrindo mão da própria felicidade e de momentos de intimidade. Ao mesmo tempo em que serve como uma crítica ao modo que esse mundo funciona, também reforça a crítica ao sistema um tanto problemático no qual alguns fãs não percebem como suas atitudes também afetam a saúde mental daqueles que eles admiram. 

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Me acompanhe nas redes sociais:

Twitter: https://twitter.com/BenOlivDreamer

Facebook: https://www.facebook.com/BenOliveiraDreamer

Instagram: https://instagram.com/benoliveiradreamer

Comentários

Mais lidas da semana