Pular para o conteúdo principal

Destaques

Dia de Conscientização do Autismo: Data batida por causa do Coronavírus

Hoje foi dia de conscientização do autismo. Com tantas preocupações sobre o Coronavírus, a data acabou passando batida. Mas para quem apoia a causa, além de usar o mês inteiro para abordar o assunto, a vida se torna uma constante aula de aceitação.



Sempre disse que nunca vestiria os símbolos que não concordo, por motivos internacionais, mas como disse minha psicóloga uma vez, não posso ficar comparando a realidade de outro país com a nossa (embora seja quase impossível pra mim).

Embora muitos autistas não gostem do quebra-cabeça e do laço (me incluo entre eles), prefiro o símbolo do infinito da Neurodiversidade, cheguei a conclusão que é só um estresse a mais e não adianta explicar para as pessoas.

Tal qual a palavra autista foi ressignificada, talvez seja melhor ressignificar do que ficar dando murro na ponta da faca (acertei a expressão?).

Enfim, só para não passar batido, foto com a camiseta que minha mãe pegou para mim em um evento de autismo em Campo Grande (MS).

Quando ganhei, p…

Resenha: A publicidade é um cadáver que nos sorri – Oliviero Toscani

O livro “A publicidade é um cadáver que nos sorri”, foi escrito pelo fotógrafo italiano, Oliviero Toscani, em 1995. O autor conta no livro histórias de suas ousadas e polêmicas campanhas publicitárias que repercutiram no mundo. Sua paixão por fotografia começou quando ele ganhou a primeira câmera fotográfica do pai, que era repórter fotográfico do jornal italiano “Corriere della Sera”.

No início do livro, Toscani começa a descrever a publicidade como um “crime contra a inteligência” e cita inúmeros casos e exemplos de fracasso dos anúncios publicitários, como: a falta de criatividade; a inutilidade social; as mentiras; a exclusão e o racismo; a persuasão.

Assim como o jornalismo tem seu papel social, por quê a publicidade não pode fazer o mesmo? Do começo ao fim da obra, o autor propõe uma reflexão sobre o papel da publicidade. A maioria dos seus anúncios foram criados para a Benetton, sempre indo além da lógica da maioria dos publicitários da época, muitas vezes contrariando os padrões e quebrando tabus.

A guerra, o racismo e a AIDS sempre estiveram presentes em seus anúncios. Para Oliviero Toscani, a publicidade é mais do que estimular a venda e o capitalismo, é mostrar assuntos que são de interesse da população que estão além do falso glamour e falsa felicidade abordadas nas propagandas.

Apesar do livro ter sido lançado há 14 anos, observa-se que pouca coisa mudou no ramo publicitário. Os publicitários parecem seguir a mesma “fórmula de sucesso”, mostrar algo que seja agradável e que não provoque a reflexão, sendo o lucro e a satisfação dos clientes prioridades. O que é mais importante para você, ajudar as pessoas a enfrentar a realidade ou fazer com que elas vivam no mundo perfeito e utópico mostrado nas propagandas?

Algumas fotos de Oliviero Toscani, quem quiser ver mais, no site do fotógrafo estão disponíveis.
http://www.olivierotoscanistudio.com/


Comentários

  1. Parabéns Ben, bastante claro,
    cíclico e coeso o texto. Eu li a obra e fiquei fascinado, claro que como atores de mídia já percebíamos a mentira, o reforço dos esteriótipos na publicidade. Mas, pelo menos eu desconhecia da proposta do Toscano. É uma pena que raríssimos publicitários se comprometam com a mesma ideia.

    Adorei o post. O texto está ótimo.
    Arrazou...

    =*

    ResponderExcluir
  2. Também gostei muito irei citar alguns trechos no meu trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anônimo!
      Fico feliz em ter ajudado de alguma forma.
      Boa sorte com o seu trabalho.
      Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!