Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

A era da Internet

O texto abaixo foi reproduzido em um blog meu criado especialmente para a disciplina de Tópicos em Comunicação, ministrada pela Prof. Inara Silva, ao 3º semestre do curso de Comunicação Social da UCDB.

O início de uma era

A Internet teve sua origem na década de 60, engana-se quem acredita que no início ela possuía todas as funções e ferramentas que utilizamos em nosso dia-a-dia. A função primordial da internet era militar e educacional.

De acordo com Ruben Zevallos Jr., especialista em projetos para internet desde 1993, a internet ou ARPANET, como era conhecido o projeto, tinha como objetivo "interligar universidades e instituições de pesquisas e militares".

Comunicação sem fronteiras

Se antes os propósitos eram exclusivamente para aqueles fins, atualmente a internet é mais democrática e por ser um meio de comunicação de massa, alcança uma grande quantidade de indivíduos. Diferente do jornal impresso, do rádio e da televisão, a internet não tem fronteiras, tendo ultrapassado os limites geográficos, esta mídia tem o seu próprio local de interação, o ciberespaço.

Do plano real para o virtual

Estamos acompanhando a transição dos átomos para os bytes. Acredita-se que tudo o que puder ser migrado para o meio virtual, eventualmente será. Há alguns anos atrás, não havia a possibilidade que temos agora de:

  • Ouvir suas músicas favoritas sem precisar ir a uma loja de músicas, podendo comprá-las no conforto de sua casa ou ouvi-las gratuitamente.
  • Encontrar diversos tipos de livros para leitura na internet.
  • Assistir filmes, seriados e noticiários na tela do seu computador, com a possibilidade de voltar ou adiantar o que se está assistindo.
Ao mesmo tempo que a internet ganha um destaque em relação aos outros meios de comunicação de massa, ela agrega os vários tipos de mídias, tornando possível o que nunca fora antes, a interação multimídia.

Referências

JUNIOR ZEVALLOS, RUBENS "A História da Internet"

Disponível em http://www.artigonal.com/tec-de-informacao-artigos/a-historia-da-internet-737117.html

Comentários

Mais lidas da semana