Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Entre fofocas e intrigas

Aviso aos bonitos e bonitas que sempre jogam meu nome e dos colegas nos grupos de Facebook e WhatsApp: alguém de vocês sempre solta algo e de um jeito ou de outro, chega até mim.


Minha dica é: quer falar mal? Fala à vontade. Se quiser, eu falo junto. Não tenho vergonha de fazer autocrítica, aliás, recomendo a todos.

Agora, se me difamar e/ou queimar minha reputação, o bicho pega.

Nesta página, não trabalho com indiretas. Só com diretas mesmo.

Já disse que nem todo autista é bonzinho, né? 😈

Dica para os anjinhos e neurotípicos: Arranjem hobbies e outros hiperfocos, ocupem a cabeça com outras coisas que não sejam só esse mundinho de intrigas do autismo.

Um grande filósofo pós-moderno, Benstein Oliveira disse que a fofoca viaja à velocidade da luz e que ela vem de todos cantos e cores do autismo. Nem WhatsApp eu uso, mas as conversas de lá sempre chegam aqui. Por que será, gente?

Formado em Harvard na arte das fofocas chegarem até mim. Parece que sou ímã para embuste.


Para os trolls que…

Oficina de Livro-reportagem

Nesta terça-feira, 23, aconteceu na UCDB (Universidade Católica Dom Bosco de Campo Grande, MS), uma oficina sobre livro-reportagem, ministrada pela jornalista, Silvia Santana. Ela que escreveu o livro-reportagem: Cavalgada no coração do Pantanal, junto com o jornalista Vanderley Vieira, lançado pela UCDB. Atualmente, ela leciona a disciplina de Atualidades em um colégio e trabalha em uma ONG, chamada ECOA.

O que é o livro-reportagem?
O livro-reportagem é definido como um "veículo de comunicação jornalística não periódica", pois diferente dos jornais que devem trazer assuntos atuais, ele dá a liberdade de abordar temas que muitas vezes são desprezados ou tratados superficialmente nestas publicações cotidianas, sejam eles atuais ou não.

Para Silvia, um dos maiores atrativos do livro-reportagem é a possibilidade de se escrever um "texto mais leve e solto", diferente das técnicas de escrita de jornais. Um dos papéis principais deste veículo jornalístico é relatar os acontecimentos de forma aprofundada. Ao contrário dos jornais, que necessitam de informações neutras e objetivas, neste gênero jornalístico, o texto pode expressar a opinião do jornalista e ter uma narrativa bem trabalhada e extensa.

Além de contar algumas histórias interessantes e curiosas do processo de criação do seu livro, que tem como tema a cultura pantaneira, a jornalista explicou as diferenças dos tipos de livro-reportagem e ressaltou que nem todo perfil "precisa ser necessariamente de uma pessoa famosa".

Livros recomendados pela jornalista
Sobre livro-reportagem:
  • O Que É Livro-Reportagem - Edvaldo Pereira Lima
  • Páginas Ampliadas - Edvaldo Pereira Lima
  • Perfil E Como Escrevê-los - Sérgio Vilas Boas
Livros-reportagens:
  • Chatô: O rei do Brasil - Fernando Morais
  • Rota 66: A história da polícia que mata - Caco Barcellos
Como prometido, abaixo está o link para download dos slides utilizados na oficina de livro-reportagem:
Eu e a jornalista Silvia Santana

Comentários

Mais lidas da semana