Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Oficina de Livro-reportagem

Nesta terça-feira, 23, aconteceu na UCDB (Universidade Católica Dom Bosco de Campo Grande, MS), uma oficina sobre livro-reportagem, ministrada pela jornalista, Silvia Santana. Ela que escreveu o livro-reportagem: Cavalgada no coração do Pantanal, junto com o jornalista Vanderley Vieira, lançado pela UCDB. Atualmente, ela leciona a disciplina de Atualidades em um colégio e trabalha em uma ONG, chamada ECOA.

O que é o livro-reportagem?
O livro-reportagem é definido como um "veículo de comunicação jornalística não periódica", pois diferente dos jornais que devem trazer assuntos atuais, ele dá a liberdade de abordar temas que muitas vezes são desprezados ou tratados superficialmente nestas publicações cotidianas, sejam eles atuais ou não.

Para Silvia, um dos maiores atrativos do livro-reportagem é a possibilidade de se escrever um "texto mais leve e solto", diferente das técnicas de escrita de jornais. Um dos papéis principais deste veículo jornalístico é relatar os acontecimentos de forma aprofundada. Ao contrário dos jornais, que necessitam de informações neutras e objetivas, neste gênero jornalístico, o texto pode expressar a opinião do jornalista e ter uma narrativa bem trabalhada e extensa.

Além de contar algumas histórias interessantes e curiosas do processo de criação do seu livro, que tem como tema a cultura pantaneira, a jornalista explicou as diferenças dos tipos de livro-reportagem e ressaltou que nem todo perfil "precisa ser necessariamente de uma pessoa famosa".

Livros recomendados pela jornalista
Sobre livro-reportagem:
  • O Que É Livro-Reportagem - Edvaldo Pereira Lima
  • Páginas Ampliadas - Edvaldo Pereira Lima
  • Perfil E Como Escrevê-los - Sérgio Vilas Boas
Livros-reportagens:
  • Chatô: O rei do Brasil - Fernando Morais
  • Rota 66: A história da polícia que mata - Caco Barcellos
Como prometido, abaixo está o link para download dos slides utilizados na oficina de livro-reportagem:
Eu e a jornalista Silvia Santana

Comentários

Mais lidas da semana