Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

Jornalismo & Marketing

Em sua matéria chamada: "Um coração marqueteiro no peito do jornalista", Fábio Ávila, diz que a necessidade de vender aproximou dois profissionais antagônicos: "Jornalistas se proclamam representates da verdade, numa eterna cruzada a serviço do bem-estar público. Marqueteiros, por sua vez, são vistos como sujeitos dispostos a usar qualquer recurso para lucrar".

Importância do Marketing

Ávila citou que em uma palestra do Curso Abril, o jornalista, escritor e ex diretor-superintendente da Editora Abril, Laurentino Gomes, explicou que a reportagem é uma poderosa ferramenta de marketing, pois permite sistematizar a busca de informações, ordená-las de forma compreensível na linguagem do leitor e satisfazê-lo em suas necessidades.

Segundo Laurentino Gomes, um exemplo da relação entre jornalismo e marketing pode ser visto na trajetória da Revista Contigo!. Ela que passou por várias fases: revista de fotonovela, celebridades, popularesca, ficção, novelas, e novamente, celebridades, mas desta vez destinada às classes A e B. "Esse é um exemplo de que o produto deve acompanhar o mercado e os consumidores e se adaptar de acordo com eles".

O jornalista Manuel Carlos Chaparro acredita que nunca antes, o marketing e o jornalismo estiveram tão próximos e interativos como agora. Para sobreviver, os produtos jornalísticos (jornais, revistas, programas de TV e rádio), investem cada vez mais em estratégias de marketing.


Chaparro fala sobre as produções customizadas, em que os termos "leitor" e "consumidor" tornam-se um só. "Trata-se de publicações que cumprem o papel de agregar, às marcas a que estão vinculadas, o valor simbólico da qualidade de bons textos jornalísticos", acrescenta.

É fundamental que o jornalista tenha conhecimentos sobre marketing, pois como dito a cima, o produto deve se adapatar ao consumidor e não ao contrário. Ou os produtos jornalísticos arranjam uma forma de lucrar e consequentemente, sobreviver, ou será o fim de muitas publicações.

Referências

ÁVILA, Fábio. Um coração marqueteiro no peito do jornalista
Disponível em: http://cursoabril.abril.com.br/edicoes/2005/ideias/materia_77455.shtml

Curso Abril. Laurentino Gomes explica como o marketing pode ser útil ao jornalismo
Disponível em: http://cursoabril.abril.com.br/servico/noticia/materia_136522.shtml

CHAPARRO, Manuel Carlos. Jornalismo e Marketing de mãos dadas
Disponível em: http://www.oxisdaquestao.com.br/integra_integra.asp?codigo=84

Comentários