Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Jornalismo & Marketing

Em sua matéria chamada: "Um coração marqueteiro no peito do jornalista", Fábio Ávila, diz que a necessidade de vender aproximou dois profissionais antagônicos: "Jornalistas se proclamam representates da verdade, numa eterna cruzada a serviço do bem-estar público. Marqueteiros, por sua vez, são vistos como sujeitos dispostos a usar qualquer recurso para lucrar".

Importância do Marketing

Ávila citou que em uma palestra do Curso Abril, o jornalista, escritor e ex diretor-superintendente da Editora Abril, Laurentino Gomes, explicou que a reportagem é uma poderosa ferramenta de marketing, pois permite sistematizar a busca de informações, ordená-las de forma compreensível na linguagem do leitor e satisfazê-lo em suas necessidades.

Segundo Laurentino Gomes, um exemplo da relação entre jornalismo e marketing pode ser visto na trajetória da Revista Contigo!. Ela que passou por várias fases: revista de fotonovela, celebridades, popularesca, ficção, novelas, e novamente, celebridades, mas desta vez destinada às classes A e B. "Esse é um exemplo de que o produto deve acompanhar o mercado e os consumidores e se adaptar de acordo com eles".

O jornalista Manuel Carlos Chaparro acredita que nunca antes, o marketing e o jornalismo estiveram tão próximos e interativos como agora. Para sobreviver, os produtos jornalísticos (jornais, revistas, programas de TV e rádio), investem cada vez mais em estratégias de marketing.


Chaparro fala sobre as produções customizadas, em que os termos "leitor" e "consumidor" tornam-se um só. "Trata-se de publicações que cumprem o papel de agregar, às marcas a que estão vinculadas, o valor simbólico da qualidade de bons textos jornalísticos", acrescenta.

É fundamental que o jornalista tenha conhecimentos sobre marketing, pois como dito a cima, o produto deve se adapatar ao consumidor e não ao contrário. Ou os produtos jornalísticos arranjam uma forma de lucrar e consequentemente, sobreviver, ou será o fim de muitas publicações.

Referências

ÁVILA, Fábio. Um coração marqueteiro no peito do jornalista
Disponível em: http://cursoabril.abril.com.br/edicoes/2005/ideias/materia_77455.shtml

Curso Abril. Laurentino Gomes explica como o marketing pode ser útil ao jornalismo
Disponível em: http://cursoabril.abril.com.br/servico/noticia/materia_136522.shtml

CHAPARRO, Manuel Carlos. Jornalismo e Marketing de mãos dadas
Disponível em: http://www.oxisdaquestao.com.br/integra_integra.asp?codigo=84

Comentários

Mais lidas da semana