Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Responsabilidade e experiência como moderador de grupo

Quando eu fui moderador de um grupo de autismo com milhares de pessoas (mais de 18 mil, se não estou enganado, sem falar as centenas de solicitações em espera), eu removia comentários e posts sobre tratamentos falsos e pessoas tentando promover eventos DUVIDOSOS de autismo (existem muitos).


Não importava se estava escrito nas regras, um post ou outro sempre passava, porque nem todo mundo tinha a mesma compreensão sobre pseudotratamentos e autismo e um dos moderadores sempre liberava.

Todo moderador/administrador tem responsabilidade sobre o que acontece dentro de um grupo, página, blog, que seja.

Eu e a Rivotrip​ chegamos a bater boca com anti-vacinas na madrugada. Fomos os últimos moderadores autistas do grupo. O resto era familiar.

Se no seu grupo passam vários podres e você não está moderando, você pode se sujar junto. É algo que vai além da imagem e credibilidade, especialmente quando se tratam de tratamentos proibidos e perigosos.

Mais consciência e responsabilidade.

Para as pess…

Jornalismo & Marketing

Em sua matéria chamada: "Um coração marqueteiro no peito do jornalista", Fábio Ávila, diz que a necessidade de vender aproximou dois profissionais antagônicos: "Jornalistas se proclamam representates da verdade, numa eterna cruzada a serviço do bem-estar público. Marqueteiros, por sua vez, são vistos como sujeitos dispostos a usar qualquer recurso para lucrar".

Importância do Marketing

Ávila citou que em uma palestra do Curso Abril, o jornalista, escritor e ex diretor-superintendente da Editora Abril, Laurentino Gomes, explicou que a reportagem é uma poderosa ferramenta de marketing, pois permite sistematizar a busca de informações, ordená-las de forma compreensível na linguagem do leitor e satisfazê-lo em suas necessidades.

Segundo Laurentino Gomes, um exemplo da relação entre jornalismo e marketing pode ser visto na trajetória da Revista Contigo!. Ela que passou por várias fases: revista de fotonovela, celebridades, popularesca, ficção, novelas, e novamente, celebridades, mas desta vez destinada às classes A e B. "Esse é um exemplo de que o produto deve acompanhar o mercado e os consumidores e se adaptar de acordo com eles".

O jornalista Manuel Carlos Chaparro acredita que nunca antes, o marketing e o jornalismo estiveram tão próximos e interativos como agora. Para sobreviver, os produtos jornalísticos (jornais, revistas, programas de TV e rádio), investem cada vez mais em estratégias de marketing.


Chaparro fala sobre as produções customizadas, em que os termos "leitor" e "consumidor" tornam-se um só. "Trata-se de publicações que cumprem o papel de agregar, às marcas a que estão vinculadas, o valor simbólico da qualidade de bons textos jornalísticos", acrescenta.

É fundamental que o jornalista tenha conhecimentos sobre marketing, pois como dito a cima, o produto deve se adapatar ao consumidor e não ao contrário. Ou os produtos jornalísticos arranjam uma forma de lucrar e consequentemente, sobreviver, ou será o fim de muitas publicações.

Referências

ÁVILA, Fábio. Um coração marqueteiro no peito do jornalista
Disponível em: http://cursoabril.abril.com.br/edicoes/2005/ideias/materia_77455.shtml

Curso Abril. Laurentino Gomes explica como o marketing pode ser útil ao jornalismo
Disponível em: http://cursoabril.abril.com.br/servico/noticia/materia_136522.shtml

CHAPARRO, Manuel Carlos. Jornalismo e Marketing de mãos dadas
Disponível em: http://www.oxisdaquestao.com.br/integra_integra.asp?codigo=84

Comentários

Mais lidas da semana