Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

Repórter comenta como é a realização de rádio-documentários

No programa Especial de lançamento do Prêmio Roquette Pinto 2010, a repórter, produtora do rádio-documentário "40 anos de 1968" que ganhou o Prêmio Embratel 2008, na categoria "Reportagem de Rádio", Lívia Carla, contou um pouco sobre sua experiência na realização de rádio-documentários.
Lívia na entrega do Prêmio Embratel 2008

Questionada sobre o processo de produção de um rádio-documentário, Lívia Carla diz: "É a coisa mais louca possível, nós começamos a partir do momento que descobrimos qual é o tema. Então, mergulhamos no tema, saímos do mundo real, do nosso cotidiano, para viver aquele mundo, aquele tema".

A repórter explicou que é um processo bem inusitado que começa através de conversas, frases, escolha das músicas e entrevistados, descoberta de quem são as pessoas fundamentais no processo, ligações e escrita.

Lívia Carla falou que não existe uma idéia de edição preparada, pois as vezes quando você chega com uma idéia pronta, o entrevistado traz novas idéias. No momento da edição no estúdio, de acordo com as músicas, textos e falas dos entrevistados e até mesmo com a opinião do operador de aúdio, o capítulo todo pode mudar.

A jornalista acrescenta que já gravou várias vezes o mesmo capítulo porque a idéia mudou. Existe a pré-edição onde ela prepara um roteiro com texto, mas é somente quando está no estúdio que a repórter tem conhecimento de como ficará a edição.

A parceria entre o repórter e o operador de aúdio é parte fundamental do processo, pois por mais que "eu escreva, ele edita. Ele ajuda a montar o documentário", finaliza.

Sobre o documentário

Através de 11 reportagens, a série de rádio-documentário "40 anos de 1968", transmitida pela Rádio MEC AM, fez um resgate histórico de 1968, ano de forte movimento de contestação política, social e cultural ao regime militar.

A ganhadora do prêmio comenta: "Recebi um prêmio porque acho que foi uma grande aposta da rádio, na verdade, uma aposta no trabalho, da gente inovar nos rádios-documentários, quero dizer, uma das primeiras rádios a criar e a desenvolver este trabalho. E este é um prêmio do primeiro ano que a gente desenvolve este trabalho, fico emocionada de rever e ouvir".

Comentários

  1. uma prova de que o velho rádio não morreu!

    ResponderExcluir
  2. Visite o blog de Valdecy Alves, leia o texto MUNDO EM CONSTRUCAO e acesse os 03 documentarios dirigidos por ele mais acessados no Youtube. Clicando em:
    www.valdecyalves.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana