Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Neurociências, ajustes e discussões que vão além do social

O céu de um autista pode ser o inferno do outro. Somos diferentes em todos critérios. Cada caso é um caso.



Comparar um autista como eu, que sou camaleão e tenho autonomia com um que precise de mais apoio e tenha mais limitações sensoriais não seria justo.

Eu ressalto que todo autista deve lembrar disso quando produzir conteúdo. Não adianta achar que existe um modelo único de inclusão, se ao priorizar algumas coisas, você deixa de lado outras. Por isso, abordar a questão do autismo é algo muito complexo. Da mesma forma, que não existe um personagem da ficção ou uma pessoa autista que vai representar o espectro autista inteiro.

Os ajustes que são feitos para alguns, podem ser desajustes para outros. Por isso dizemos que existem vários autismos, independente do grau.
Do mesmo modo que não existem dois autistas iguais, não existem dois aspies iguais (pessoas com Síndrome de Asperger); não existem dois aspies com superdotação iguais (pessoas com Dupla Excepcionalidade). Somos todos diferent…

Repórter comenta como é a realização de rádio-documentários

No programa Especial de lançamento do Prêmio Roquette Pinto 2010, a repórter, produtora do rádio-documentário "40 anos de 1968" que ganhou o Prêmio Embratel 2008, na categoria "Reportagem de Rádio", Lívia Carla, contou um pouco sobre sua experiência na realização de rádio-documentários.
Lívia na entrega do Prêmio Embratel 2008

Questionada sobre o processo de produção de um rádio-documentário, Lívia Carla diz: "É a coisa mais louca possível, nós começamos a partir do momento que descobrimos qual é o tema. Então, mergulhamos no tema, saímos do mundo real, do nosso cotidiano, para viver aquele mundo, aquele tema".

A repórter explicou que é um processo bem inusitado que começa através de conversas, frases, escolha das músicas e entrevistados, descoberta de quem são as pessoas fundamentais no processo, ligações e escrita.

Lívia Carla falou que não existe uma idéia de edição preparada, pois as vezes quando você chega com uma idéia pronta, o entrevistado traz novas idéias. No momento da edição no estúdio, de acordo com as músicas, textos e falas dos entrevistados e até mesmo com a opinião do operador de aúdio, o capítulo todo pode mudar.

A jornalista acrescenta que já gravou várias vezes o mesmo capítulo porque a idéia mudou. Existe a pré-edição onde ela prepara um roteiro com texto, mas é somente quando está no estúdio que a repórter tem conhecimento de como ficará a edição.

A parceria entre o repórter e o operador de aúdio é parte fundamental do processo, pois por mais que "eu escreva, ele edita. Ele ajuda a montar o documentário", finaliza.

Sobre o documentário

Através de 11 reportagens, a série de rádio-documentário "40 anos de 1968", transmitida pela Rádio MEC AM, fez um resgate histórico de 1968, ano de forte movimento de contestação política, social e cultural ao regime militar.

A ganhadora do prêmio comenta: "Recebi um prêmio porque acho que foi uma grande aposta da rádio, na verdade, uma aposta no trabalho, da gente inovar nos rádios-documentários, quero dizer, uma das primeiras rádios a criar e a desenvolver este trabalho. E este é um prêmio do primeiro ano que a gente desenvolve este trabalho, fico emocionada de rever e ouvir".

Comentários

  1. uma prova de que o velho rádio não morreu!

    ResponderExcluir
  2. Visite o blog de Valdecy Alves, leia o texto MUNDO EM CONSTRUCAO e acesse os 03 documentarios dirigidos por ele mais acessados no Youtube. Clicando em:
    www.valdecyalves.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana