Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Repórter comenta como é a realização de rádio-documentários

No programa Especial de lançamento do Prêmio Roquette Pinto 2010, a repórter, produtora do rádio-documentário "40 anos de 1968" que ganhou o Prêmio Embratel 2008, na categoria "Reportagem de Rádio", Lívia Carla, contou um pouco sobre sua experiência na realização de rádio-documentários.
Lívia na entrega do Prêmio Embratel 2008

Questionada sobre o processo de produção de um rádio-documentário, Lívia Carla diz: "É a coisa mais louca possível, nós começamos a partir do momento que descobrimos qual é o tema. Então, mergulhamos no tema, saímos do mundo real, do nosso cotidiano, para viver aquele mundo, aquele tema".

A repórter explicou que é um processo bem inusitado que começa através de conversas, frases, escolha das músicas e entrevistados, descoberta de quem são as pessoas fundamentais no processo, ligações e escrita.

Lívia Carla falou que não existe uma idéia de edição preparada, pois as vezes quando você chega com uma idéia pronta, o entrevistado traz novas idéias. No momento da edição no estúdio, de acordo com as músicas, textos e falas dos entrevistados e até mesmo com a opinião do operador de aúdio, o capítulo todo pode mudar.

A jornalista acrescenta que já gravou várias vezes o mesmo capítulo porque a idéia mudou. Existe a pré-edição onde ela prepara um roteiro com texto, mas é somente quando está no estúdio que a repórter tem conhecimento de como ficará a edição.

A parceria entre o repórter e o operador de aúdio é parte fundamental do processo, pois por mais que "eu escreva, ele edita. Ele ajuda a montar o documentário", finaliza.

Sobre o documentário

Através de 11 reportagens, a série de rádio-documentário "40 anos de 1968", transmitida pela Rádio MEC AM, fez um resgate histórico de 1968, ano de forte movimento de contestação política, social e cultural ao regime militar.

A ganhadora do prêmio comenta: "Recebi um prêmio porque acho que foi uma grande aposta da rádio, na verdade, uma aposta no trabalho, da gente inovar nos rádios-documentários, quero dizer, uma das primeiras rádios a criar e a desenvolver este trabalho. E este é um prêmio do primeiro ano que a gente desenvolve este trabalho, fico emocionada de rever e ouvir".

Comentários

  1. uma prova de que o velho rádio não morreu!

    ResponderExcluir
  2. Visite o blog de Valdecy Alves, leia o texto MUNDO EM CONSTRUCAO e acesse os 03 documentarios dirigidos por ele mais acessados no Youtube. Clicando em:
    www.valdecyalves.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana