Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

Artigo: "O fim do Jornalzinho"

Em "O fim do 'jornalzinho'", artigo da jornalista Mônica Alvarenga, a autora comenta que produzir um jornal interno é uma tarefa complexa e que deve envolver profissionais competentes, conhecedores do negócio da empresa e do mercado em que ela está inserida.


Para ressaltar a importância do jornal impresso na comunicação interna, Alvarenga cita uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (ABERJE) com empresas de todo o Brasil, cujos resultados apontaram o jornal impresso como principal veículo de informação interna.

A autora diz que na era da informação, o jornal da empresa deve publicar conteúdos que alcancem o público interno (funcionários). "Não basta juntar as notícias que a gerência deseja transmitir no 'jornalzinho' e distribuir".

Alvarenga explica que é importante que o jornalista esteja à frente do jornal interno, pois ele, equilibra a pauta, utiliza uma linguagem adequada ao público-alvo, estabelece prioridades no projeto editorial e alinha todo o trabalho de produção ao planejamento estratégico da empresa.

Jornalismo estratégico

De acordo com a jornalista, uma forma de conseguir bons resultados no jornalismo empresarial é atuando estratégicamente, já que atualmente o público está cada vez mais crítico devida a grande quantidade de informações.

Mônica Alvarenga define o jornalismo empresarial estratégico: "É a adoção de princípios e práticas do jornalismo de ‘fora’ da empresa para ‘dentro’ dela, como um diferencial e uma forma de aumentar a credibilidade junto ao público interno" e está baseado em três princípios: fidedignidade (precisão no conteúdo e veracidade), liberdade de imprensa (relação de extrema confiança entre os responsáveis pela comunicação e o jornalista responsável pelo veículo) e equilíbrio (cativar o leitor e oferecer-lhe qualidade).


Jornalismo empresarial

A autora cita algumas qualidades fundamentais para o jornalista empresarial: boa apuração e redação, conhecimentos de diagramação e edição, compreensão dos valores e objetivos da empresa, imparcialidade, entendimento do negócio da empresa, habilidade no relacionamento com pessoas e profundo conhecimento do processo de comunicação da empresa.
 
Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana