Pular para o conteúdo principal

Destaques

Mindhunter Profile 2: Especialista em serial killers compartilha experiências após aposentadoria do FBI

Após se aposentar do FBI , o ex-agente especialista em assassinos continuou sendo convidado para colaborar em alguns casos que exigiam entender melhor o perfil psicológico dos criminosos. No livro Mindhunter Profile 2 , dos autores Robert K. Ressler e Tom Snachtman , é possível conhecer um pouco mais da história de vida desta figura que deixou uma boa contribuição para a criminologia e compreensão sobre as mentes de serial killers. A obra foi publicada pela editora DarkSide Books , em 2021, com tradução de Alexandre Boide. Compre o livro Mindhunter Profile 2:  https://amzn.to/39qJjId Entre os casos explorados no livro há um que desperta o interesse por envolver algo não tão desconhecido, como o uso de transtornos mentais para diminuir as penas. Ressler percebeu um fenômeno de ex-soldados que usavam o Transtorno do Estresse Pós-Traumático como uma justificativa quando cometiam crimes e notou que muitas vezes, os históricos dos assassinos não eram checados e muitos inventavam histórias

Artigo: "O fim do Jornalzinho"

Em "O fim do 'jornalzinho'", artigo da jornalista Mônica Alvarenga, a autora comenta que produzir um jornal interno é uma tarefa complexa e que deve envolver profissionais competentes, conhecedores do negócio da empresa e do mercado em que ela está inserida.


Para ressaltar a importância do jornal impresso na comunicação interna, Alvarenga cita uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (ABERJE) com empresas de todo o Brasil, cujos resultados apontaram o jornal impresso como principal veículo de informação interna.

A autora diz que na era da informação, o jornal da empresa deve publicar conteúdos que alcancem o público interno (funcionários). "Não basta juntar as notícias que a gerência deseja transmitir no 'jornalzinho' e distribuir".

Alvarenga explica que é importante que o jornalista esteja à frente do jornal interno, pois ele, equilibra a pauta, utiliza uma linguagem adequada ao público-alvo, estabelece prioridades no projeto editorial e alinha todo o trabalho de produção ao planejamento estratégico da empresa.

Jornalismo estratégico

De acordo com a jornalista, uma forma de conseguir bons resultados no jornalismo empresarial é atuando estratégicamente, já que atualmente o público está cada vez mais crítico devida a grande quantidade de informações.

Mônica Alvarenga define o jornalismo empresarial estratégico: "É a adoção de princípios e práticas do jornalismo de ‘fora’ da empresa para ‘dentro’ dela, como um diferencial e uma forma de aumentar a credibilidade junto ao público interno" e está baseado em três princípios: fidedignidade (precisão no conteúdo e veracidade), liberdade de imprensa (relação de extrema confiança entre os responsáveis pela comunicação e o jornalista responsável pelo veículo) e equilíbrio (cativar o leitor e oferecer-lhe qualidade).


Jornalismo empresarial

A autora cita algumas qualidades fundamentais para o jornalista empresarial: boa apuração e redação, conhecimentos de diagramação e edição, compreensão dos valores e objetivos da empresa, imparcialidade, entendimento do negócio da empresa, habilidade no relacionamento com pessoas e profundo conhecimento do processo de comunicação da empresa.
 
Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana