Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Artigo: "O fim do Jornalzinho"

Em "O fim do 'jornalzinho'", artigo da jornalista Mônica Alvarenga, a autora comenta que produzir um jornal interno é uma tarefa complexa e que deve envolver profissionais competentes, conhecedores do negócio da empresa e do mercado em que ela está inserida.


Para ressaltar a importância do jornal impresso na comunicação interna, Alvarenga cita uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (ABERJE) com empresas de todo o Brasil, cujos resultados apontaram o jornal impresso como principal veículo de informação interna.

A autora diz que na era da informação, o jornal da empresa deve publicar conteúdos que alcancem o público interno (funcionários). "Não basta juntar as notícias que a gerência deseja transmitir no 'jornalzinho' e distribuir".

Alvarenga explica que é importante que o jornalista esteja à frente do jornal interno, pois ele, equilibra a pauta, utiliza uma linguagem adequada ao público-alvo, estabelece prioridades no projeto editorial e alinha todo o trabalho de produção ao planejamento estratégico da empresa.

Jornalismo estratégico

De acordo com a jornalista, uma forma de conseguir bons resultados no jornalismo empresarial é atuando estratégicamente, já que atualmente o público está cada vez mais crítico devida a grande quantidade de informações.

Mônica Alvarenga define o jornalismo empresarial estratégico: "É a adoção de princípios e práticas do jornalismo de ‘fora’ da empresa para ‘dentro’ dela, como um diferencial e uma forma de aumentar a credibilidade junto ao público interno" e está baseado em três princípios: fidedignidade (precisão no conteúdo e veracidade), liberdade de imprensa (relação de extrema confiança entre os responsáveis pela comunicação e o jornalista responsável pelo veículo) e equilíbrio (cativar o leitor e oferecer-lhe qualidade).


Jornalismo empresarial

A autora cita algumas qualidades fundamentais para o jornalista empresarial: boa apuração e redação, conhecimentos de diagramação e edição, compreensão dos valores e objetivos da empresa, imparcialidade, entendimento do negócio da empresa, habilidade no relacionamento com pessoas e profundo conhecimento do processo de comunicação da empresa.
 
Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana