Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Artigo: "O fim do Jornalzinho"

Em "O fim do 'jornalzinho'", artigo da jornalista Mônica Alvarenga, a autora comenta que produzir um jornal interno é uma tarefa complexa e que deve envolver profissionais competentes, conhecedores do negócio da empresa e do mercado em que ela está inserida.


Para ressaltar a importância do jornal impresso na comunicação interna, Alvarenga cita uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (ABERJE) com empresas de todo o Brasil, cujos resultados apontaram o jornal impresso como principal veículo de informação interna.

A autora diz que na era da informação, o jornal da empresa deve publicar conteúdos que alcancem o público interno (funcionários). "Não basta juntar as notícias que a gerência deseja transmitir no 'jornalzinho' e distribuir".

Alvarenga explica que é importante que o jornalista esteja à frente do jornal interno, pois ele, equilibra a pauta, utiliza uma linguagem adequada ao público-alvo, estabelece prioridades no projeto editorial e alinha todo o trabalho de produção ao planejamento estratégico da empresa.

Jornalismo estratégico

De acordo com a jornalista, uma forma de conseguir bons resultados no jornalismo empresarial é atuando estratégicamente, já que atualmente o público está cada vez mais crítico devida a grande quantidade de informações.

Mônica Alvarenga define o jornalismo empresarial estratégico: "É a adoção de princípios e práticas do jornalismo de ‘fora’ da empresa para ‘dentro’ dela, como um diferencial e uma forma de aumentar a credibilidade junto ao público interno" e está baseado em três princípios: fidedignidade (precisão no conteúdo e veracidade), liberdade de imprensa (relação de extrema confiança entre os responsáveis pela comunicação e o jornalista responsável pelo veículo) e equilíbrio (cativar o leitor e oferecer-lhe qualidade).


Jornalismo empresarial

A autora cita algumas qualidades fundamentais para o jornalista empresarial: boa apuração e redação, conhecimentos de diagramação e edição, compreensão dos valores e objetivos da empresa, imparcialidade, entendimento do negócio da empresa, habilidade no relacionamento com pessoas e profundo conhecimento do processo de comunicação da empresa.
 
Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana