Pular para o conteúdo principal

Destaques

Nobody Speak: Documentário questiona frágil liberdade de imprensa contra interesses de bilionários

Nobody Speak: Trials of the Free Press é um documentário um tanto polêmico e controverso sobre a liberdade de imprensa, liberdade de expressão e como pessoas poderosas e ricas podem silenciar veículos de comunicação . O filme documental foi lançado em 2017, com direção do cinegrafista norte-americano Brian Knappenberger , com produção da First Look Media e distribuição pela Netflix . Dois casos bem diferentes são discutidos no documentário Nobody Speak . Enquanto no caso da Gawker, os profissionais envolvidos tentam vender a ideia de que publicar um vídeo íntimo de uma personalidade norte-americana se tratava de um tema de interesse público, eu acredito que o vazamento dos vídeos sexuais do famoso só reforçam a importância de traçar melhor a questão ética no jornalismo online, tão focado nos cliques instantâneos que se esquecem que por trás de cada notícia existem seres humanos, independente do nível de fama. Para não estragar a surpresa e os detalhes, não vou comentar muito sobre os

"A Internet e o novo papel do Jornalista"

No artigo: "A Internet e o novo papel do jornalista", escrito por Inês Mendes Moreira Aroso, aborda-se a nova função do jornalista e questiona-se o fim do jornalista.

A autora começa o seu artigo dizendo: "O jornalismo on-line influencia os vários aspectos da realidade jornalística. Um desses elementos, ou mesmo o principal, é o jornalista que, também é profundamente afetado".

Aroso cita que além de criar uma nova forma de jornalismo, a Internet está criando novos jornalistas. Criou-se um novo perfil de profissional, o que influenciará até a formação dos futuros profissionais que deverão estar aptos a utilizar multimeios.

Além do conhecimento na produção digital de aúdio e vídeo, eles devem estar familiarizados com ferramentas da Web, construção de páginas, programação na web, para  que possam adicionar elementos multimídias ao texto jornalístico.

Inês Aroso utiliza um exemplo de Christopher Harper de como esse jornalista multimídia deve trabalhar. “Na edição electrónica, o repórter leva consigo uma caneta, um bloco de notas, um gravador de áudio, uma máquina fotográfica digital e por vezes uma câmara de filmar de uso doméstico”.

Aroso levanta opiniões de autores que acreditam que o jornalista perderá a função de 'gatekeeper', aquele que permitem ou não que informações serão veículas na mídia, pois com a Internet, muitas fontes primárias tornaram-se acessíveis à população. A autora acredita que o jornalismo será reinventado e não eliminado, como muito questiona-se.

Com estas mudanças, encontrar e descobrir novas informações deixa de ser prioridade do jornalista, tornando-se fundamental a seleção de informações importantes, a filtragem.

"Com o jornalismo on-line ocorre uma revalorização da mediação do jornalista. Saber explicar e dar uma interpretação dos acontecimentos será algo cada vez mais valorizado", explica a autora.

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

  1. ótimo, lerei o artigo todo nos próximos dias. Bom, essa coisa d o fim do jornalista não é coisa nova, inclusive pessoas como Marcelo Branco e Sérgio Amadeu declaram num seminário aqui que são a favor do fim do diploma por diversos motivos, e, de certa forma eu até concordo, mas também tenho ctza que não é o fim do jornalismo, é só (mais um) recomeço!

    ResponderExcluir
  2. oi Ben,
    gostei muito do seu blog. Também sou estudante de jornalismo e gostei dos seus textos. Com certeza passarei aqui mais vezes.
    Abç
    http;//www.cristianezando.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana