Pular para o conteúdo principal

Destaques

Mindhunter Profile 2: Especialista em serial killers compartilha experiências após aposentadoria do FBI

Após se aposentar do FBI , o ex-agente especialista em assassinos continuou sendo convidado para colaborar em alguns casos que exigiam entender melhor o perfil psicológico dos criminosos. No livro Mindhunter Profile 2 , dos autores Robert K. Ressler e Tom Snachtman , é possível conhecer um pouco mais da história de vida desta figura que deixou uma boa contribuição para a criminologia e compreensão sobre as mentes de serial killers. A obra foi publicada pela editora DarkSide Books , em 2021, com tradução de Alexandre Boide. Compre o livro Mindhunter Profile 2:  https://amzn.to/39qJjId Entre os casos explorados no livro há um que desperta o interesse por envolver algo não tão desconhecido, como o uso de transtornos mentais para diminuir as penas. Ressler percebeu um fenômeno de ex-soldados que usavam o Transtorno do Estresse Pós-Traumático como uma justificativa quando cometiam crimes e notou que muitas vezes, os históricos dos assassinos não eram checados e muitos inventavam histórias

Cibercultura

A professora de Cibercultura da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) de Campo Grande - MS , Maria Helena Benites, explica que desde que o homem inventou o fogo e a roda, a tecnologia vem desenvolvendo-se e aperfeiçoando-se cada vez mais.

"A tecnologia começou a crescer progressivamente. Começou com a fotografia e a rádio, em que as pessoas se reuniam em volta da rádio para ter conhecimento das notícias e do que estava acontecendo em volta deles. Quando inventaram o rádio mudou-se o modo de viver. Aí veio a televisão que também mudou. A gente vai agregando e transformando estes meios existentes. Hoje em dia já é bem separada a linguagem da rádio e da televisão, mas no começo a televisão era feita com moldes no rádio", esclarece Benites.

A Internet é um agregador de meios de comunicação, pois nela é possível acessar rádio, televisão, jornais etc. O jornalismo online diferencia-se do impresso, pois nele o texto é mais curto e mais fácil de ler, todavia a caracterização dos outros meios de comunicação que migraram à Internet ainda está em formação.

Maria Helena argumenta que com a tecnologia em constante transformação, a cibercultura vem para explicar como isto influencia em nossa cultura e como estamos nos relacionando com isso. No jornalismo, a televisão deve saber lidar com as informações e transmitir de forma que não pareça defasada, visto que muitas pessoas já obtiveram estas informações pela Internet.


"Desde que nós começamos a descobrir as nossas necessidades e meios de suprir essa necessidade, nós só vamos se desenvolvendo. Esta ligação entre você e a máquina cria um avatar. As máquinas se inserem em nossas vidas de forma que não nos damos mais conta da falta que faz. Por exemplo, já não vivemos mais sem o Google. Através dele nós sabemos o que está acontecendo do outro lado do mundo", finaliza a professora de Cibercultura.

Comentários

Mais lidas da semana