Pular para o conteúdo principal

Destaques

Subdiagnóstico de autismo, números e incoerências

O brasileiro é muito individualista. Ao mesmo tempo que vejo pessoas reclamando que os números do Censo vão dar abaixo por causa dos subdiagnósticos de autismo, já vi muita gente acusando pessoas com laudo fingirem que eram autistas.


Como explicar a volatilidade? Nem tento entender o que se passa na mente do brasileiro.

Os discursos são sempre contraditórios. Por causa de polarização, todo mundo sai perdendo.

Já vi até gente dizendo que o laudo é só um papel. Se é só um papel, a pessoa, então, não precisa de um diagnóstico? Logo, por que ser contabilizada? Sejam mais coerentes nos discursos.

Incoerências dos brasileiros sobre subdiagnósticos:

– Já vi gente acusando autista de fingir, mesmo a pessoa tendo laudo;

– Já vi gente se posicionando contra diagnóstico precoce, achando que seria ruim, desconhecendo a questão da plasticidade cerebral;

– Já vi gente dizendo que autismo nem deveria ter CID;

– Já vi gente dizendo que o outro não é autista, só porque sabe argumentar e é diferente do …

Cibercultura

A professora de Cibercultura da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) de Campo Grande - MS , Maria Helena Benites, explica que desde que o homem inventou o fogo e a roda, a tecnologia vem desenvolvendo-se e aperfeiçoando-se cada vez mais.

"A tecnologia começou a crescer progressivamente. Começou com a fotografia e a rádio, em que as pessoas se reuniam em volta da rádio para ter conhecimento das notícias e do que estava acontecendo em volta deles. Quando inventaram o rádio mudou-se o modo de viver. Aí veio a televisão que também mudou. A gente vai agregando e transformando estes meios existentes. Hoje em dia já é bem separada a linguagem da rádio e da televisão, mas no começo a televisão era feita com moldes no rádio", esclarece Benites.

A Internet é um agregador de meios de comunicação, pois nela é possível acessar rádio, televisão, jornais etc. O jornalismo online diferencia-se do impresso, pois nele o texto é mais curto e mais fácil de ler, todavia a caracterização dos outros meios de comunicação que migraram à Internet ainda está em formação.

Maria Helena argumenta que com a tecnologia em constante transformação, a cibercultura vem para explicar como isto influencia em nossa cultura e como estamos nos relacionando com isso. No jornalismo, a televisão deve saber lidar com as informações e transmitir de forma que não pareça defasada, visto que muitas pessoas já obtiveram estas informações pela Internet.


"Desde que nós começamos a descobrir as nossas necessidades e meios de suprir essa necessidade, nós só vamos se desenvolvendo. Esta ligação entre você e a máquina cria um avatar. As máquinas se inserem em nossas vidas de forma que não nos damos mais conta da falta que faz. Por exemplo, já não vivemos mais sem o Google. Através dele nós sabemos o que está acontecendo do outro lado do mundo", finaliza a professora de Cibercultura.

Comentários

Mais lidas da semana