Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Pedagoga fala sobre Orientação Vocacional

O Jornal Diário Catarinense realizou no dia 8 de julho um chat sobre testes vocacionais com Priscila Leonel. Priscila é formada em Pedagogia, com pós-graduação na área de Psicopedagogia Escolar e Clínica, possui cursos na área de orientação educacional e planejamento de ensino, e atualmente trabalha como técnica pedagógica no Senai-SC.

A pedagoga explica que deve-se tomar cuidado com os testes escolhidos para se fazer e ter certeza de que é de uma fonte confiável. Os testes vocacionais são para você ter uma idéia da área que tem mais afinidade.

Questionada sobre o que levar em conta na hora de escolher a profissão, se a vontade de crescer financeiramente ou a vontade de engajamento social, Priscila responde: "o ideal é você conciliar os dois, mas lembre-se, se você estiver fazendo o que gosta, se fizer com prazer, será um ótimo profissional, com grandes chances de ter uma boa remuneração e fazer a diferença na sua área".

Quanto a idade para escolher a profissão correta, a pedagoga acredita que nunca é tarde para correr atrás dos seus sonhos e ser feliz, tanto profissionalmente quanto pessoalmente. "Se não está feliz com sua escolha, procure saber qual outra área poderá te deixar mais feliz", finaliza.

Comentários

Mais lidas da semana