Pular para o conteúdo principal

Destaques

Passarinha: Livro sobre garota autista e seu pai lidando com o luto

Uma garota pré-adolescente no espectro autista (Síndrome de Asperger) chamada Caitlin perde o irmão em um tiroteio na escola e, além da dificuldade de entender e ser entendida pelos outros no colégio, ela tenta ajudar o pai a superar a morte de Devon. Assim é a trama do livro Passarinha (Mockingbird), da escritoraKathryn Erskine, publicado no Brasil pela Editora Valentina, em 2013.

Compre o livro Passarinha (Kathryn Erskine): https://amzn.to/2RV5PSt

Acredito muito no poder da literatura de entreter, informar e conscientizar sobre temas que nem sempre são abordados de forma suficiente na mídia ou que não são tão humanizados – a ficção ajuda com a empatia. Livros como Passarinha, A Diferença Invisível e Em Algum Lugar nas Estrelas deveriam ser trabalhados em salas de aula, levando em conta questões que vão além da literatura e ajudam na reflexão sobre inclusão social, amizade e relacionamentos de pessoas no espectro autista.

Narrado em primeira pessoa pela Caitlin, o livro Passarinha to…

"Por que (re)ler os manuais de redação e estilo?"

"Por que (re)ler os manuais de redação e estilo?", artigo do Doutor em Comunicação e Cultura pela UFRJ, Francisco Gonçalvez da Conceição, questiona a importância da leitura crítica dos manuais de redação.

Conceição explica que na época da publicação da primeira edição do Manual da Redação da Folha de São Paulo, em 1984, houve uma forte reação dos jornalistas que temiam perder o controle da autonomia profissional e discordavam da política editorial da empresa adotada no fim da ditadura militar. Entretanto, apesar das reações iniciais adversas, outras empresas começaram a publicar os seus próprios manuais.


O Doutor em Comunicação argumenta que os manuais dos anos 80 e 90 diferem-se dos criados nos anos 50 e 60, "os atuais manuais não se limitam mais a prescrever questões estílicas e operacionais; ultrapassam o universo gramatical ou linguístico, para assumir posição estratégica".

Os padrões e normas estabelecidos nos manuais de redação e estilo servem para produzir uma identidade de agente social para o jornal, através dos "procedimentos estilísticos, linguísticos e editoriais" e são uma forma de auto-regulamentação.

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana