Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Entre fofocas e intrigas

Aviso aos bonitos e bonitas que sempre jogam meu nome e dos colegas nos grupos de Facebook e WhatsApp: alguém de vocês sempre solta algo e de um jeito ou de outro, chega até mim.


Minha dica é: quer falar mal? Fala à vontade. Se quiser, eu falo junto. Não tenho vergonha de fazer autocrítica, aliás, recomendo a todos.

Agora, se me difamar e/ou queimar minha reputação, o bicho pega.

Nesta página, não trabalho com indiretas. Só com diretas mesmo.

Já disse que nem todo autista é bonzinho, né? 😈

Dica para os anjinhos e neurotípicos: Arranjem hobbies e outros hiperfocos, ocupem a cabeça com outras coisas que não sejam só esse mundinho de intrigas do autismo.

Um grande filósofo pós-moderno, Benstein Oliveira disse que a fofoca viaja à velocidade da luz e que ela vem de todos cantos e cores do autismo. Nem WhatsApp eu uso, mas as conversas de lá sempre chegam aqui. Por que será, gente?

Formado em Harvard na arte das fofocas chegarem até mim. Parece que sou ímã para embuste.

Leia também:
Autism…

Cibercultura: Alguns pontos...

Você sabe o que é cibercultura? O Doutor em Sociologia, professor, blogueiro e autor de vários livros sobre cibercultura, André Lemos, em seu ensaio Cibercultura: Alguns pontos para compreender a nossa época, define a cibercultura como: "a forma sociocultural que emerge da relação simbiótica entre a sociedade, a cultura e as novas tecnologias de base micro-eletrônica que surgiram com a convergência das telecomunicações com a informática na década de 70".

Ainda de acordo com o pesquisador, a cibercultura não é o futuro que vai chegar mas o nosso presente, sendo esta cultura contemporânea marcada pelas tecnologias digitais.

Lemos ressalta que não se deve tratar do assunto com utopia, pessimismo ou otimismo. Deve-se concentrar nas diversas potencialidades e negatividades das tecnologias contemporâneas.

O autor explica que a sociedade em que vivemos - da informação - é marcada pela instantaneidade e ubiquidade (¹ Ubiquidade: característica do que está em toda a parte ao mesmo tempo; ² Ubiquidade tecnológica: característica que a tecnologia tem de estar em toda a parte ao mesmo tempo e acessível ao utilizador). Para Lemos, essa alteração da percepção do espaço e do tempo acontece a cada transformação midiática, desde a invenção da escrita até a invenção da Internet, nos dias de hoje.

Uma das grandes vantagens desta nova estrutura midiática representante da cibercultura é a possibilidade de uma comunicação imediata, "pela primeira vez, qualquer indivíduo pode, a priori, emitir e receber informação em tempo real, sob diversos formatos e modulações (escrita, imagética e sonora) para qualquer lugar do planeta", explica Lemos.

A cibercultura também levanta outras questões como as práticas comunicacionais (inúmeras e inéditas), as novas relações sociais ("a cibercultura é recheada de novas maneiras de se relacionar com o outro e com o mundo") e a arte eletrônica ("arte aberta, rizomática e interativa").

Acesse o texto na íntegra

Confira abaixo a apresentação sobre Cibercultura do jornalista e professor André Pase.

Comentários

Mais lidas da semana