Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Cibercultura: Alguns pontos...

Você sabe o que é cibercultura? O Doutor em Sociologia, professor, blogueiro e autor de vários livros sobre cibercultura, André Lemos, em seu ensaio Cibercultura: Alguns pontos para compreender a nossa época, define a cibercultura como: "a forma sociocultural que emerge da relação simbiótica entre a sociedade, a cultura e as novas tecnologias de base micro-eletrônica que surgiram com a convergência das telecomunicações com a informática na década de 70".

Ainda de acordo com o pesquisador, a cibercultura não é o futuro que vai chegar mas o nosso presente, sendo esta cultura contemporânea marcada pelas tecnologias digitais.

Lemos ressalta que não se deve tratar do assunto com utopia, pessimismo ou otimismo. Deve-se concentrar nas diversas potencialidades e negatividades das tecnologias contemporâneas.

O autor explica que a sociedade em que vivemos - da informação - é marcada pela instantaneidade e ubiquidade (¹ Ubiquidade: característica do que está em toda a parte ao mesmo tempo; ² Ubiquidade tecnológica: característica que a tecnologia tem de estar em toda a parte ao mesmo tempo e acessível ao utilizador). Para Lemos, essa alteração da percepção do espaço e do tempo acontece a cada transformação midiática, desde a invenção da escrita até a invenção da Internet, nos dias de hoje.

Uma das grandes vantagens desta nova estrutura midiática representante da cibercultura é a possibilidade de uma comunicação imediata, "pela primeira vez, qualquer indivíduo pode, a priori, emitir e receber informação em tempo real, sob diversos formatos e modulações (escrita, imagética e sonora) para qualquer lugar do planeta", explica Lemos.

A cibercultura também levanta outras questões como as práticas comunicacionais (inúmeras e inéditas), as novas relações sociais ("a cibercultura é recheada de novas maneiras de se relacionar com o outro e com o mundo") e a arte eletrônica ("arte aberta, rizomática e interativa").

Acesse o texto na íntegra

Confira abaixo a apresentação sobre Cibercultura do jornalista e professor André Pase.

Comentários

Mais lidas da semana