Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Cibercultura: Alguns pontos...

Você sabe o que é cibercultura? O Doutor em Sociologia, professor, blogueiro e autor de vários livros sobre cibercultura, André Lemos, em seu ensaio Cibercultura: Alguns pontos para compreender a nossa época, define a cibercultura como: "a forma sociocultural que emerge da relação simbiótica entre a sociedade, a cultura e as novas tecnologias de base micro-eletrônica que surgiram com a convergência das telecomunicações com a informática na década de 70".

Ainda de acordo com o pesquisador, a cibercultura não é o futuro que vai chegar mas o nosso presente, sendo esta cultura contemporânea marcada pelas tecnologias digitais.

Lemos ressalta que não se deve tratar do assunto com utopia, pessimismo ou otimismo. Deve-se concentrar nas diversas potencialidades e negatividades das tecnologias contemporâneas.

O autor explica que a sociedade em que vivemos - da informação - é marcada pela instantaneidade e ubiquidade (¹ Ubiquidade: característica do que está em toda a parte ao mesmo tempo; ² Ubiquidade tecnológica: característica que a tecnologia tem de estar em toda a parte ao mesmo tempo e acessível ao utilizador). Para Lemos, essa alteração da percepção do espaço e do tempo acontece a cada transformação midiática, desde a invenção da escrita até a invenção da Internet, nos dias de hoje.

Uma das grandes vantagens desta nova estrutura midiática representante da cibercultura é a possibilidade de uma comunicação imediata, "pela primeira vez, qualquer indivíduo pode, a priori, emitir e receber informação em tempo real, sob diversos formatos e modulações (escrita, imagética e sonora) para qualquer lugar do planeta", explica Lemos.

A cibercultura também levanta outras questões como as práticas comunicacionais (inúmeras e inéditas), as novas relações sociais ("a cibercultura é recheada de novas maneiras de se relacionar com o outro e com o mundo") e a arte eletrônica ("arte aberta, rizomática e interativa").

Acesse o texto na íntegra

Confira abaixo a apresentação sobre Cibercultura do jornalista e professor André Pase.

Comentários

Mais lidas da semana