Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Unicamp disponibiliza vídeos do simpósio sobre o espectro autista

A Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp compartilhou no canal do YouTube os vídeos de um simpósio sobre os Transtornos do Espectro do Autismo. O primeiro dia de evento aconteceu no dia 1º de abril de 2019 e o primeiro vídeo traz as palestras que aconteceram na parte da manhã.


Levando em conta a falta de capacitação profissional do Brasil e a carência de informações sobre o autismo nas diferentes regiões do país, acredito que a iniciativa foi muito importante. Quando uma universidade abre as portas para falar de um assunto que precisa ser mais discutido, a sociedade só tem a ganhar.

O vídeo aborda desde as questões históricas do autismo (trazendo curiosidades além de Leo Kanner e Hans Asperger), passando por questões de como o Transtorno do Espectro Autista é visto no dias atuais, as questões das pesquisas de prevalência de autismo no mundo e no Brasil (a importância de entender os critérios metodológicos e as alterações de resultados) e algumas das pesquisas e coletas de dados da A…

Mídias Locativas

O pesquisador André Lemos, em seu artigo: "Mídia Locativa e Territórios Informacionais", define mídia locativa como um conjunto de tecnologias e processos info-comunicacionais cujo conteúdo informacional vincula-se a um lugar específico. "As mídias locativas são dispositivos informacionais digitais cujo conteúdo da informação está diretamente ligado a uma localidade".

O autor cita como exemplos de mídias locativas, informações processadas por artefatos sem fio, como GPS, telefones celulares, palms e laptops em redes Wi-Fi, Bluetooth ou RFID, porém reforça que existem também as mídias locativas analógicas, como por exemplo, uma placa que informa qual a função de determinado lugar.

De acordo com o autor as mídias locativas digitais possuem as seguintes características: Informação personalizada; Dados digitais e banco de dados com informações de contexto local; Emissão por redes sem fio e captação em dispositivos móveis; Processamento e customização da informação; Dados variáveis e modificáveis em tempo real.

Diferente das mídias locativas analógicas que possuem: informação sem feedback, dados estáticos, não processa informação e dados estáveis.

André Lemos classificou em seu artigo as mídias locativas de acordo com a função: Realidade móvel aumentada (informações sobre determinada localidade visualizadas em dispositivo móvel); Mapeamento e Monitoramento de Movimento (formas de mapeamento e monitoramento do movimento do espaço urbano através de dispositivos móveis); Geotags (agregar informação digital em mapas); Anotações Urbanas (substituindo cartazes, bilhetes, outdoors etc.); Wireless Mobile Games (Jogos).

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana