Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Entre fofocas e intrigas

Aviso aos bonitos e bonitas que sempre jogam meu nome e dos colegas nos grupos de Facebook e WhatsApp: alguém de vocês sempre solta algo e de um jeito ou de outro, chega até mim.


Minha dica é: quer falar mal? Fala à vontade. Se quiser, eu falo junto. Não tenho vergonha de fazer autocrítica, aliás, recomendo a todos.

Agora, se me difamar e/ou queimar minha reputação, o bicho pega.

Nesta página, não trabalho com indiretas. Só com diretas mesmo.

Já disse que nem todo autista é bonzinho, né? 😈

Dica para os anjinhos e neurotípicos: Arranjem hobbies e outros hiperfocos, ocupem a cabeça com outras coisas que não sejam só esse mundinho de intrigas do autismo.

Um grande filósofo pós-moderno, Benstein Oliveira disse que a fofoca viaja à velocidade da luz e que ela vem de todos cantos e cores do autismo. Nem WhatsApp eu uso, mas as conversas de lá sempre chegam aqui. Por que será, gente?

Formado em Harvard na arte das fofocas chegarem até mim. Parece que sou ímã para embuste.


Para os trolls que…

Mídias Locativas

O pesquisador André Lemos, em seu artigo: "Mídia Locativa e Territórios Informacionais", define mídia locativa como um conjunto de tecnologias e processos info-comunicacionais cujo conteúdo informacional vincula-se a um lugar específico. "As mídias locativas são dispositivos informacionais digitais cujo conteúdo da informação está diretamente ligado a uma localidade".

O autor cita como exemplos de mídias locativas, informações processadas por artefatos sem fio, como GPS, telefones celulares, palms e laptops em redes Wi-Fi, Bluetooth ou RFID, porém reforça que existem também as mídias locativas analógicas, como por exemplo, uma placa que informa qual a função de determinado lugar.

De acordo com o autor as mídias locativas digitais possuem as seguintes características: Informação personalizada; Dados digitais e banco de dados com informações de contexto local; Emissão por redes sem fio e captação em dispositivos móveis; Processamento e customização da informação; Dados variáveis e modificáveis em tempo real.

Diferente das mídias locativas analógicas que possuem: informação sem feedback, dados estáticos, não processa informação e dados estáveis.

André Lemos classificou em seu artigo as mídias locativas de acordo com a função: Realidade móvel aumentada (informações sobre determinada localidade visualizadas em dispositivo móvel); Mapeamento e Monitoramento de Movimento (formas de mapeamento e monitoramento do movimento do espaço urbano através de dispositivos móveis); Geotags (agregar informação digital em mapas); Anotações Urbanas (substituindo cartazes, bilhetes, outdoors etc.); Wireless Mobile Games (Jogos).

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana