Pular para o conteúdo principal

Destaques

Espectro Autista: Reflexão sobre conscientização do autismo

Vez ou outra eu recebo mensagens de pessoas pedindo ajuda sobre como trazer mais conscientização em lugares nos quais pouco se sabe sobre autismo. Nem toda cidade tem especialista em autismo, isso é um fato que todo mundo que já precisou de um, sabe como é. Minha dica é: compre/arrecade livros ATUALIZADOS sobre o assunto e/ou livros de ficção (com personagens autistas) e/ou livros escritos por autistas. Recomendo firmemente a literatura, já que a leitura trabalha a empatia e fica mais fácil dos neurotípicos entenderem como é estar 'na nossa pele', mesmo que por alguns minutos.


Não vai dar livro desatualizado, que é um desserviço. Já tem muita desinformação no Brasil. Eu poderia fazer uma lista sobre todos absurdos que leio, mas não vou.

Enfim, não dá para fugir da leitura. Infelizmente, muitos conteúdos brasileiros estão defasados, outros logo vão estar por causa das alterações do CID11 do Espectro Autista [só entra em vigor em 2022]. Tem muita coisa boa produzida pela comunid…

Mídias Locativas

O pesquisador André Lemos, em seu artigo: "Mídia Locativa e Territórios Informacionais", define mídia locativa como um conjunto de tecnologias e processos info-comunicacionais cujo conteúdo informacional vincula-se a um lugar específico. "As mídias locativas são dispositivos informacionais digitais cujo conteúdo da informação está diretamente ligado a uma localidade".

O autor cita como exemplos de mídias locativas, informações processadas por artefatos sem fio, como GPS, telefones celulares, palms e laptops em redes Wi-Fi, Bluetooth ou RFID, porém reforça que existem também as mídias locativas analógicas, como por exemplo, uma placa que informa qual a função de determinado lugar.

De acordo com o autor as mídias locativas digitais possuem as seguintes características: Informação personalizada; Dados digitais e banco de dados com informações de contexto local; Emissão por redes sem fio e captação em dispositivos móveis; Processamento e customização da informação; Dados variáveis e modificáveis em tempo real.

Diferente das mídias locativas analógicas que possuem: informação sem feedback, dados estáticos, não processa informação e dados estáveis.

André Lemos classificou em seu artigo as mídias locativas de acordo com a função: Realidade móvel aumentada (informações sobre determinada localidade visualizadas em dispositivo móvel); Mapeamento e Monitoramento de Movimento (formas de mapeamento e monitoramento do movimento do espaço urbano através de dispositivos móveis); Geotags (agregar informação digital em mapas); Anotações Urbanas (substituindo cartazes, bilhetes, outdoors etc.); Wireless Mobile Games (Jogos).

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana