Pular para o conteúdo principal

Destaques

Diversidade Invisível: Assista a palestra com autista diagnosticada aos 35 anos

Nos últimos anos, houve um aumento da disseminação de informações sobre autismo na internet. Embora a visão de profissionais da saúde seja importante, muitos autistas têm contado o seu lado da história. Na palestra Invisible Diversity, a redatora freelancer e vlogger Carrie Beckwith-Fellows compartilha sua história de como foi diagnosticada aos 35 anos e de como isso a possibilitou enxergar a vida através de uma nova perspectiva.


Carrie conta sobre os inúmeros diagnósticos errados que recebeu ao longo da vida. Para quem não sabe. além de ser difícil encontrar profissionais que entendam de autismo em muitos países, como alguns autistas aprendem a mascarar seus traços autísticos ao longo da vida, ainda é complicado para algumas pessoas reconheceram que estão no espectro autista e/ou encontrar quem possa fechar o diagnóstico formal.

“Existe um grupo de pessoas de voz única, cuja grande diversidade está tão bem escondida que é invisível, mesmo para elas mesmas [...] As pessoas autistas vee…

Especialista em Direito de Trânsito fala sobre Ética

* Entrevista realizada pelos estudantes de Comunicação Social da UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) de Campo Grande (MS), Ben-Hur Oliveira e Ana Cláudia Ferreira, para o jornal universitário 'Em Foco'.

Ser ético no trânsito, além de ser como o motorista deve se comportar neste ambiente é uma ótima forma de evitar problemas e acidentes. A ética está cada vez mais em destaque no século em que vivemos, seja no que desrespeita as profissões quanto as questões pessoais.

Para falar sobre a importância da ética no trânsito, o Em Foco conversou com a Diretora de Administração e Finanças do Detran-MS e Especialista em Direito de Trânsito, Maria das Graças Freitas.


Especialista em Direito de Trânsito, Maria das Graças Freitas fala sobre a ética no trânsito
Foto: Ben Oliveira

Em foco: O que é ética?
Maria das Graças Freitas: Ética é um conjunto de valores morais e de princípios que devem nortear a conduta dos seres humanos no ambiente em que vivem.

Em foco: Qual a diferença entre ética e moral?
Maria das Graças Freitas: Se ética é o conjunto de valores, a moral intrinsecamente vinculada à ética, é o fator que o ser humano possui para distinguir entre o bem e o mal. A ética é teórica, a moral é a prática do agir do homem. A moral vincula-se aos costumes e a religião.

Em foco: Qual é a importância da ética na sociedade contemporânea?
Maria das Graças Freitas: A mesma de toda a sociedade de que se tenha ouvido falar, porém com nuances diferentes, uma vez que a evolução do homem em sociedade pode considerar determinados comportamentos como ética ou não-ético conforme o momento social.

Em foco: O que é ética no transito?
Maria das Graças Freitas: Ética no trânsito é a adoção de comportamentos corretos de obediência as normas de trânsito, respeitando o espaço público do trânsito, sem cometer infrações independentemente da necessidade da ação de fiscalização. Isto é, não avançar o sinal vermelho do semáforo apenas pelo fato de que poderá ser multado, mas sim porque naquele momento (sinal fechado) o direito de ir e vir de outra pessoa deve ser respeitado. Ou exceder a velocidade no local sinalizado com instrumento eletrônico (lombada) porque sabemos que não está funcionando.

Em foco: Como o motorista deve se comportar no transito diante da ética?
Maria das Graças Freitas: Na verdade, todo motorista deve se comportar com ética no ambiente de trânsito. O respeito às normas de circulação e conduta é condição da prática do conhecimento teórico da ética. E o respeito pela sociedade em que vive.

Em foco: Em caso de emergência, até que ponto é ético avançar o sinal vermelho?
Maria das Graças Freitas: A prática infracional no ambiente de trânsito pode ser justificada em uma situação de emergência. Todavia, a natureza da emergência deve ser tal que possa suplantar a desobediência a norma, ao nosso aprendizado interior (pessoal) sobre a ética. Por exemplo, o socorro de pessoas.

Em foco: Com relação aos lixos jogados pelos motoristas, qual a medida a ser tomada?
Maria das Graças Freitas: Aplicação da fiscalização e punição aos infratores que com lixos jogados para fora de seus veículos além de promoverem a poluição de meio ambiente, sujam as cidade e ainda podem causar acidentes.

Em foco: Em sua opinião, a mídia está desempenhando um bom papel com relação ao trânsito? Por quê?
Maria das Graças Freitas: Sim, porque assumiu seu papel de ser também responsável pela cultura de um trânsito mais seguro para sociedade.

Em foco: Quais são as ocorrências mais solicitadas de acidentes no trânsito? Através disso é possível “medir” a falta de ética e imprudência dos motoristas?
Maria das Graças Freitas: As ocorrências de acidente vinculam-se a quase sua totalidade ao descumprimento das normas de circulação e conduta dos condutores de veículos, principalmente as relativas à velocidade e ao estado de alcoolemia, que em conjunto trazem ainda maior gravidade ao acidente.
A medida que se pode dar na ocorrência desses fatores relacionada à ética do condutor é a total falta de responsabilidade deste em interagir num ambiente onde mobilidade exige grau de percepção, acuidade, reflexo e perfeita sintonia para que se evite ou se promova acidentes.

Em foco: Sobre o som alto e a corrida não autorizada, qual é o papel do Detran com relação a essas atitudes?
Maria das Graças Freitas: Relativamente ao som em alto volume na via pública, praticado por condutores em seus veículos relaciona-se ao total desrespeito desses condutores para com o seu semelhante, ninguém está obrigado a ouvir ou participar do gosto musical de ninguém. Além de ser uma atitude desrespeitosa é uma falta de limitação a convivência social. Configura-se também em uma infração de trânsito que quando registrada, aplica-se a legislação pertinente.
Quanto às corridas não autorizadas, além do fator irresponsabilidade daqueles que dela participam ou organizam, podendo causar acidentes graves ou inclusive a morte, o DETRAN-MS após apurado os fatos aplica a legislação de trânsito nos seus exatos ditames.Com multa e suspensão do direito de conduzir. Ressalta-se que quando há vitimas também se apura o crime na esfera penal.

Em foco: Em relação às bebidas alcoólicas no trânsito, que medidas tomar? E a lei seca, é uma questão de fiscalização ou consciência?
Maria das Graças Freitas: A fiscalização é a melhor medida a ser tomada pelos órgãos de trânsito para buscar inibir a ação do condutor de veiculo ao dirigir após ter ingerido bebida alcoólica. A consciência é pessoal inerente a cada ser humano e somente esse ser pode adotar esse fator de consciência de que bebida e direção não combinam.
As campanhas de conscientização são muito importantes, ajudam, mas se o ser humano alcançado pela campanha não permitir, ela não provoca no mesmo nenhum efeito ético ou moral sobre o seu comportamento de beber e dirigir.

Em foco: Sobre as substâncias que alteram a percepção e a coordenação motora dos motoristas (lícitas e ilícitas), como encarar essa situação?
Maria das Graças Freitas: É preciso muito esclarecimento sobre essas substâncias e, principalmente que o condutor de veículo assuma, tenha compreensão e assimile que as substâncias alcoólicas ou entorpecentes, mesmo as lícitas, alteram estado físico-emocional. Esse é o ponto mais importante. Aceitar que quando se ingere bebidas alcoólicas, mesmo que em pequena quantidade, nosso organismo se modifica.


Comentários

Mais lidas da semana