Pular para o conteúdo principal

Destaques

Neurodiversidade: Autismo não só biológico ou só identidade social

A Neurodiversidade dá um tiro no pé ao tratar o autismo como algo meramente social (identidade social), ignorando as particularidades neurobiológicas de CADA autista. Mas o extremismo científico também erra ao ver como algo meramente biológico, ou até mesmo patológico.


O ideal seria ver o melhor dos dois mundos, algo impossível diante da polarização. Todo mundo sai perdendo.

É utopia esperar que a sociedade vá se adequar completamente aos autistas, especialmente porque cada autista pode ser completamente diferente do outro. O ambiente adaptado para um autista, é o ambiente desadaptado para o outro – isso entre os próprios autistas.

Enquanto as pessoas continuarem tratando o autismo como algo 'universal', ignorando as especificidades, esse debate não vai para frente.

O Asperger que não precisa interagir com os outros, não precisa trabalhar, não precisa fazer nada que o tire da zona de conforto, talvez não sinta muita dificuldade em viver em um mundo não adaptado. Mas não é a re…

"A ética da imagem e a informação jornalística"

A professora do curso de Comunicação Social da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Veruska Sayonara de Góis, em seu artigo: "A ética da imagem e a informação jornalística", disserta sobre a influência, a linguagem e a ética jornalística na televisão.

A autora fala que devido às padronizações no telejornalismo, a televisão tem a capacidade de impor e até definir novos imaginários. Ainda segundo Góis, este meio de comunicação tem um grande poder creditado, definido por alguns como mortífero, pois alcança uma grande parcela da população através das imagens, nível físico (geográfico) e cultural. "Por não exigir um sistema letrado prévido para a decodificação, a comunicação visual é um código aberto e acessível", explica.

Para Veruska Góis, como a forma e o conteúdo estão relacionados é importante que a preparação para a TV possibilite a leitura dos códigos, tornando pré-requisitos a compreensão visual e o domínio tecnológico pelos construtores da informação.

A forte associação entre imagem e televisão pode ser observada nos telejornais, em que, segundo a professora de comunicação social, o público é rigoroso em relação aos padrões estéticos. Os telespectadores esperam que os profissionais do vídeo tenham 'boa presença' na tela, estejam apresentáveis e até mesmo, estejam dentro dos parâmetros da moda no momento. A população está mais preocupada com o que se vê, do que com a qualidade do conteúdo transmitido.

De acordo com Góis, "mesmo não parecendo existir perdedores nesse processo, já que o que está sendo ofertado é justamente o desejo da procura", a programação transmitida deve tornar-se um padrão de consumo.

Preocupados com os índices de audiência, novos formatos televisivos surgiram, a maioria deles com a qualidade duvidosa e imediatista. "A menina dos olhos das empresas privadas, devido ao retorno em forma de investimento publicitário", fala.

Góis questiona se a imagem fala mesmo, visto que apesar de poder ser lida imediatamente, todas as matérias vêm com caracteres explicativos e descritivos, além da narração verbal do repórter.

No texto é explicado que a televisão não é centrada em torno da grade programática, nem do público, nem da informação e da educação, mas na venda de audiência aos anuncantes, o estímulo à publicidade e de programas e profissionais de imagem vendáveis. Ressalta-se também a utilização da averiguação da audiência, como parâmetro ao uso da imagem e a fixação de preços.

A professora do curso de Comunicação Social da UERN chama a atenção para o impacto causado pela espetacularização da vida real e do tom novelesco dos telejornais.

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana