Pular para o conteúdo principal

Destaques

CPI da Pandemia: Osmar Terra serviu mais uma dose perigosa de negacionismo científico

Quantas informações falsas e duvidosas alguém é capaz de transmitir em nove horas? Nesta terça-feira, 22 de junho de 2021, o deputado Osmar Terra prestou depoimento à CPI da Pandemia . A sessão revelou a surpresa de alguns senadores diante de um depoente que insistiu em informações sobre a Covid-19 que foram desmentidas ao longo dos meses, irritação diante da previsibilidade e falta de responsabilidade em reconhecer os danos causados por fake news de saúde e bajulação por parte dos que compartilham pensamentos anticientíficos e conspiratórios parecidos – ou que assim o simulam, para proteger o presidente Jair Bolsonaro . A Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia era para ter iniciado mais cedo, mas havia resistência por parte do Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Após uma ação protocolada no STF pelos senadores Alessandro Vieira e Jorge Kajuru, houve votação e no dia 13 de maio de 2021, foi oficializada a criação. Embora o tempo todo alguns senadores defensores do Bolsona

"A ética da imagem e a informação jornalística"

A professora do curso de Comunicação Social da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Veruska Sayonara de Góis, em seu artigo: "A ética da imagem e a informação jornalística", disserta sobre a influência, a linguagem e a ética jornalística na televisão.

A autora fala que devido às padronizações no telejornalismo, a televisão tem a capacidade de impor e até definir novos imaginários. Ainda segundo Góis, este meio de comunicação tem um grande poder creditado, definido por alguns como mortífero, pois alcança uma grande parcela da população através das imagens, nível físico (geográfico) e cultural. "Por não exigir um sistema letrado prévido para a decodificação, a comunicação visual é um código aberto e acessível", explica.

Para Veruska Góis, como a forma e o conteúdo estão relacionados é importante que a preparação para a TV possibilite a leitura dos códigos, tornando pré-requisitos a compreensão visual e o domínio tecnológico pelos construtores da informação.

A forte associação entre imagem e televisão pode ser observada nos telejornais, em que, segundo a professora de comunicação social, o público é rigoroso em relação aos padrões estéticos. Os telespectadores esperam que os profissionais do vídeo tenham 'boa presença' na tela, estejam apresentáveis e até mesmo, estejam dentro dos parâmetros da moda no momento. A população está mais preocupada com o que se vê, do que com a qualidade do conteúdo transmitido.

De acordo com Góis, "mesmo não parecendo existir perdedores nesse processo, já que o que está sendo ofertado é justamente o desejo da procura", a programação transmitida deve tornar-se um padrão de consumo.

Preocupados com os índices de audiência, novos formatos televisivos surgiram, a maioria deles com a qualidade duvidosa e imediatista. "A menina dos olhos das empresas privadas, devido ao retorno em forma de investimento publicitário", fala.

Góis questiona se a imagem fala mesmo, visto que apesar de poder ser lida imediatamente, todas as matérias vêm com caracteres explicativos e descritivos, além da narração verbal do repórter.

No texto é explicado que a televisão não é centrada em torno da grade programática, nem do público, nem da informação e da educação, mas na venda de audiência aos anuncantes, o estímulo à publicidade e de programas e profissionais de imagem vendáveis. Ressalta-se também a utilização da averiguação da audiência, como parâmetro ao uso da imagem e a fixação de preços.

A professora do curso de Comunicação Social da UERN chama a atenção para o impacto causado pela espetacularização da vida real e do tom novelesco dos telejornais.

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana