Pular para o conteúdo principal

Destaques

Espectro Autista: Reflexão sobre conscientização do autismo

Vez ou outra eu recebo mensagens de pessoas pedindo ajuda sobre como trazer mais conscientização em lugares nos quais pouco se sabe sobre autismo. Nem toda cidade tem especialista em autismo, isso é um fato que todo mundo que já precisou de um, sabe como é. Minha dica é: compre/arrecade livros ATUALIZADOS sobre o assunto e/ou livros de ficção (com personagens autistas) e/ou livros escritos por autistas. Recomendo firmemente a literatura, já que a leitura trabalha a empatia e fica mais fácil dos neurotípicos entenderem como é estar 'na nossa pele', mesmo que por alguns minutos.


Não vai dar livro desatualizado, que é um desserviço. Já tem muita desinformação no Brasil. Eu poderia fazer uma lista sobre todos absurdos que leio, mas não vou.

Enfim, não dá para fugir da leitura. Infelizmente, muitos conteúdos brasileiros estão defasados, outros logo vão estar por causa das alterações do CID11 do Espectro Autista [só entra em vigor em 2022]. Tem muita coisa boa produzida pela comunid…

Ciber-Arte: Música & Pintura

Vivemos em uma era eletrônica/digital, os novos tipos de tecnologia que vieram para facilitar a nossa vida transformaram a nossa cultura (cibercultura), e consequentemente, a arte.

"A arte na era eletrônica vai abusar da interatividade, das possibilidades hipertextuais, das colagens ("sampling") de informações (bits), dos processos fractais e complexos, da não linearidade do discurso... A idéia de rede, aliada à possibilidade de recombinações sucessivas de informações e à uma comunicação interativa, tornam-se os motores principais dessa "ciber-arte" . A arte eletrônica é uma arte da comunicação", explica Andrè Lemos.

As novas tecnologias possibilitaram uma nova forma de arte, a ciberarte. Estas permitem a digitalização, reprodução, interação da fotografia, arquitetura, escultura, design, vídeo, pinturas entre outras formas de expressão artística. Um processo que demorava tempo considerável, atualmente pode ser feito e compartilhado em questão de segundos.

A portabilidade é uma das características mais marcantes da música nesta cultura, além dos aparelhos reprodutores e gravadores de músicas estarem cada vez menor, o som deixa de ser analógico e torna-se digital possibilitando e facilitando a reprodução, o compartilhamento, a gravação e a remixagem.

Digital painting


Quanto à pintura, esta também tornou-se digital. O processo que no início da digitalização era feito manualmente e exigia que se escaneasse a imagem para que se manipulasse, compartilhasse ou salvasse, agora pode ser feito totalmente de forma digital através do próprio mouse ou com um tablet, equipamento formado por uma caneta eletrônica e uma pequena prancheta sensível a esta caneta. As pinturas tornaram-se colaborativas, um artista pode começar a arte e pedir a cooperação de outros internautas para criar uma nova obra de arte.

A ciber-arte também envolve a questão dos direitos autorais. Nem tudo que se produz é de livre utilização, alguns produtos são livres e outros comerciais.


Links

Acesse o site da Ciberarte, revista eletrônica de literatura e artes visuais criada em 2000
Artigo do André Lemos: Arte eletrônica e cibercultura

Comentários

Mais lidas da semana