Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Corpos Ocultos – Caroline Kepnes

Segundo livro da série Você (YOU) , adaptada para a Netflix ,  Corpos Ocultos (Hidden Bodies) narra a mudança do psicopata Joe Goldberg de Nova Iorque para Los Angeles e tem uma pegada mais ácida e mais fluida do que o primeiro livro. No Brasil, o livro da Caroline Kepnes foi traduzido por Ryta Vinagre e publicado pela Editora Rocco , em 2019. Compre o livro Corpos Ocultos (Caroline Kepnes):  https://amzn.to/3o64zLs Embora a ficção não seja parâmetro para acompanhar o desenvolvimento de serial killers , Corpos Ocultos revela tanto os padrões de comportamento de Joe e as similaridades e diferenças entre as mulheres por quem ele fica obcecado, como o perigoso fascínio que assassinos desenvolvem quando cometem seus crimes, escapam impunes e seja por necessidade ou prazer, se sentem no controle a ponto de repetirem seus atos. Perseguidor e possessivo, entre os gatilhos para o modo de agir violento de Joe está a rejeição por figuras femininas pelas quais ele desenvolve uma paixão obsessiv

Ciber-Arte: Música & Pintura

Vivemos em uma era eletrônica/digital, os novos tipos de tecnologia que vieram para facilitar a nossa vida transformaram a nossa cultura (cibercultura), e consequentemente, a arte.

"A arte na era eletrônica vai abusar da interatividade, das possibilidades hipertextuais, das colagens ("sampling") de informações (bits), dos processos fractais e complexos, da não linearidade do discurso... A idéia de rede, aliada à possibilidade de recombinações sucessivas de informações e à uma comunicação interativa, tornam-se os motores principais dessa "ciber-arte" . A arte eletrônica é uma arte da comunicação", explica Andrè Lemos.

As novas tecnologias possibilitaram uma nova forma de arte, a ciberarte. Estas permitem a digitalização, reprodução, interação da fotografia, arquitetura, escultura, design, vídeo, pinturas entre outras formas de expressão artística. Um processo que demorava tempo considerável, atualmente pode ser feito e compartilhado em questão de segundos.

A portabilidade é uma das características mais marcantes da música nesta cultura, além dos aparelhos reprodutores e gravadores de músicas estarem cada vez menor, o som deixa de ser analógico e torna-se digital possibilitando e facilitando a reprodução, o compartilhamento, a gravação e a remixagem.

Digital painting


Quanto à pintura, esta também tornou-se digital. O processo que no início da digitalização era feito manualmente e exigia que se escaneasse a imagem para que se manipulasse, compartilhasse ou salvasse, agora pode ser feito totalmente de forma digital através do próprio mouse ou com um tablet, equipamento formado por uma caneta eletrônica e uma pequena prancheta sensível a esta caneta. As pinturas tornaram-se colaborativas, um artista pode começar a arte e pedir a cooperação de outros internautas para criar uma nova obra de arte.

A ciber-arte também envolve a questão dos direitos autorais. Nem tudo que se produz é de livre utilização, alguns produtos são livres e outros comerciais.


Links

Acesse o site da Ciberarte, revista eletrônica de literatura e artes visuais criada em 2000
Artigo do André Lemos: Arte eletrônica e cibercultura

Comentários

Mais lidas da semana