Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Cibercultura: transformações marcadas pelas tecnologias

A cibercultura é muito mais do que a simples inserção de novas tecnologias na vida das pessoas, ela trouxe uma série de transformações. Os pesquisadores André Lemos e Pierre Levy buscam explicar esta “transformação profunda da noção de cultura”. Confira abaixo as definições e mudanças provocadas por esta cultura contemporânea marcada pelas tecnologias digitais.

De acordo com André Lemos, a cibercultura é uma forma sociocultural que emerge da relação simbiótica entre a sociedade, a cultura e as novas tecnologias de base micro-eletrônica que surgiram com a convergência das telecomunicações com a informática na década de 70. Diferente do que muitos podem achar, o filósofo Pierre Levy ressalta que esta não é uma cultura dos fanásticos da Internet.

As mudanças provocadas pela cibercultura no jornalismo e na publicidade podem ser observados nas novas práticas comunicacionais no ciberespaço (e-mail, blogs, jornalismo online etc), transformações culturais e éticas e a nova configuração comunicacional.

No jornalismo é observada a prática do jornalismo cidadão, em que os usuários passam a contribuir com a produção, difusão e compartilhamento de notícias. Com a descentralização do pólo de emissão, os usuários não estão mais à mercê das grandes empresas de comunicação, além de poderem buscar informações que existem de forma abundante no ciberespaço, estes podem filtrar os conteúdos de maior relevância. Esta facilidade na busca de informação fez com quê as pessoas desacreditassem na importância do jornalista, porém sabe-se que estes são fundamentais para a apuração e seleção de conteúdos de relevância à população.

Em relação à publicidade, novas formas de publicidade estão sendo criadas a todo instante. A divulgação antes era feita somente pelos meios tradicionais, agora acontece nas mais diversas maneiras, como por exemplo, nas redes sociais/mídias sociais, e-mail, blogs, realidade aumentada, geolocalização, mobile games etc.

É importante que se entenda o impacto da cibercultura em nossas vidas para que possamos nos tornar indivíduos participantes deste meio sociocultural dinâmico. A sociedade e a cultura estão relacionadas às novas tecnologias, portanto devemos estar preparados para as transformações que estão acontecendo e acontecerão.

Comentários

Mais lidas da semana