Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

A Construção de Identidade Digital pelos usuários na Web

O artigo escrito por Judy Lima Tavares "A Construção do Persona Digital: Nova Identidade Assumida pelos Integrantes da Web 2.0" aborda e discute a construção da identidade dos participantes da Web 2.0, através das interações, que podem ser tanto exibicionistas ou de exercício da cidadania no espaço digital.

A autora comenta sobre a horizontalização da produção e compartilhamento de conteúdo que aconteceu após a criação da Web 2.0, em que o internauta interage, debate suas idéias e estabelece novas conexões com outros usuários.

De acordo com Tavares, na internet existem dois principais personas (espécie de máscara irreal usadas pelos usuários na internet ): o persona produtor de conteúdo e o persona leitor de conteúdo. Um persona não exclui o outro, em pouco tempo um persona-leitor pode tornar-se um persona-produtor e vice-versa.

"O persona-produtor de conteúdo é a representação idealizada do indivíduo que constrói na e para Internet uma identidade virtual, a qual pode ser irreal e trazer atributos que valorizem sua imagem diante de outros personas, mesmo que estes atributos não possam trazer elementos verdadeiros de sua personalidade e individualidade", conceitua. Esta persona pode ser tanto pessoal (em busca da popularidade, externa momentos felizes ou os que adotam uma atitude diferente das que adotam na vida real) quanto profissional (perfis corporativos , identidades menos formais, busca dialogar com os clientes).

"O persona-leitor pode agir de acordo com suas necessidades de conteúdo a ser absorvida, as quais podem envolvem as diferentes áreas que compõem o ambiente da rede", articula. Estas personas (sem identidade interativa, recebem informações de seu interesse) atuam menos do que os produtores, mas são elementos fundamentais no processo de mudança na circulação e uso da informação. Um dos exemplos de persona-leitor é o usuário que cria perfil falso para observar as informações.

Para a autora, construir as personas nas redes sociais pode estar relacionado ao aumento do capital social com os outros usuários que interagem. Tavares ressalta que deve-se ter cautela ao se criar uma persona, pois se esta variar muito da identidade no campo real: "pode tornar-se um elemento desfavorável no campo social, pela construção idealizada e distorcida do 'eu digital'".

A internet possibilitou ao internauta atuar como cidadão-jornalista, através da produção de notícias sobre situações vividas em sua realidade social. De acordo com o artigo está cada vez mais fácil ao usuário produzir seus próprios conteúdos, graças à popularização de aparelhos que possuem diversas ferramentas, como câmeras fotográfica, câmera de vídeo, gravador de voz e conexão à internet.

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana