Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

A Construção de Identidade Digital pelos usuários na Web

O artigo escrito por Judy Lima Tavares "A Construção do Persona Digital: Nova Identidade Assumida pelos Integrantes da Web 2.0" aborda e discute a construção da identidade dos participantes da Web 2.0, através das interações, que podem ser tanto exibicionistas ou de exercício da cidadania no espaço digital.

A autora comenta sobre a horizontalização da produção e compartilhamento de conteúdo que aconteceu após a criação da Web 2.0, em que o internauta interage, debate suas idéias e estabelece novas conexões com outros usuários.

De acordo com Tavares, na internet existem dois principais personas (espécie de máscara irreal usadas pelos usuários na internet ): o persona produtor de conteúdo e o persona leitor de conteúdo. Um persona não exclui o outro, em pouco tempo um persona-leitor pode tornar-se um persona-produtor e vice-versa.

"O persona-produtor de conteúdo é a representação idealizada do indivíduo que constrói na e para Internet uma identidade virtual, a qual pode ser irreal e trazer atributos que valorizem sua imagem diante de outros personas, mesmo que estes atributos não possam trazer elementos verdadeiros de sua personalidade e individualidade", conceitua. Esta persona pode ser tanto pessoal (em busca da popularidade, externa momentos felizes ou os que adotam uma atitude diferente das que adotam na vida real) quanto profissional (perfis corporativos , identidades menos formais, busca dialogar com os clientes).

"O persona-leitor pode agir de acordo com suas necessidades de conteúdo a ser absorvida, as quais podem envolvem as diferentes áreas que compõem o ambiente da rede", articula. Estas personas (sem identidade interativa, recebem informações de seu interesse) atuam menos do que os produtores, mas são elementos fundamentais no processo de mudança na circulação e uso da informação. Um dos exemplos de persona-leitor é o usuário que cria perfil falso para observar as informações.

Para a autora, construir as personas nas redes sociais pode estar relacionado ao aumento do capital social com os outros usuários que interagem. Tavares ressalta que deve-se ter cautela ao se criar uma persona, pois se esta variar muito da identidade no campo real: "pode tornar-se um elemento desfavorável no campo social, pela construção idealizada e distorcida do 'eu digital'".

A internet possibilitou ao internauta atuar como cidadão-jornalista, através da produção de notícias sobre situações vividas em sua realidade social. De acordo com o artigo está cada vez mais fácil ao usuário produzir seus próprios conteúdos, graças à popularização de aparelhos que possuem diversas ferramentas, como câmeras fotográfica, câmera de vídeo, gravador de voz e conexão à internet.

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana