Pular para o conteúdo principal

Destaques

12 Graphic Novels que você precisa ler

Começou como uma forma de experimentação na leitura. Apesar de gostar de tirinhas, nunca tinha me aventurado pelo universo das graphic novels, como aconteceu há alguns anos – pelo menos, não de forma que me interessasse.

Percebo que cada vez mais pessoas estão se interessando pelos diferentes formatos de narrativas. Acho válida toda forma de contação de histórias e acredito que elas podem criar experiências complementares. Há espaço para todos gostos.


Com doze indicações de leitura, dá para ler um livro por mês ou ler todos em um só mês, dependendo do ritmo de leitura e da fome por histórias de cada um. Entre temáticas mais sociais e outras mais fantasiosas, as graphic novels podem ser uma porta de entrada para outros livros, como podem ocupar um espaço central no coração de quem é aficionado por histórias ilustradas.

Histórias que podem ir muito além de um passa-tempo, como se acreditava antigamente, mas também proporcionar reflexões sobre a vida, juntando o melhor dos dois mundos: d…

Jornalismo como Campo de Conhecimento

Com base no mapeamento dos estudos desenvolvidos na área do jornalismo, discutir a consolidação do jornalismo como campo de conhecimento é o objetivo do jornalista e Doutor em Jornalismo Elias Machado, em seu artigo 'Dos estudos sobre o jornalismo às teorias do jornalismo (Três pressupostos para a consolidação do jornalismo como campo de conhecimento)'. O artigo foi publicado em 2004 na revista eletrônica e-compós (Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação).


Jornalismo como objeto de pesquisa

Machado argumenta que até a metade do século XX o atraso das pesquisas acadêmicas no campo do jornalismo aconteceram porque o jornalismo era visto somente como uma prática profissional. Segundo o autor, a marginalização do curso do jornalismo se dava a dois fatos: a tardia incorporação do jornalismo à lista dos cursos oferecidos e ao ensino puramente técnico.

O Doutor em Jornalismo explica que o jornalismo desempenha três funções diferenciadas: de prática profissional (domínio de técnicas e conhecimentos específicos e conjunto de princípios e regras de conduta); de objeto científico (fundação de um campo de conhecimento especializado); de campo especializado de ensino (depende do desenvolvimento de metodologias especializadas, repasse das novas teorias e boa formação técnicas aos futuros profissionais).

Metodologias próprias ao campo

Em 100 anos, o pesquisador conta que as principais linhas de pesquisa em jornalismo realizadas no Brasil são: História do Jornalismo, Teorias do Jornalismo, Análise do discurso, Produção da Notícia, Recepção, Jornalismo Especializado, Jornalismo Digital e Teorias da Narrativa. Machado diz que existe um grande número de pesquisas sobre História do Jornalismo e Teorias do Jornalismo, já as seguintes áreas importantes contam com uma escassez enorme de títulos: Metodologias de ensino em jornalismo; Metodologias de Pesquisa em Jornalismo; Teorias da Narrativa em Jornalismo e Pesquisa Aplicada em Jornalismo.

Desenvolver metodologias adequadas ao campo especializado de ensino do jornalismo é um desafio tido como fundamental para Machado. O autor defende a diferenciação entre estudos do jornalismo e teorias do jornalismo, sendo a primeira realizadas com metodologias de outros campos de conhecimento, e a segunda realizadas com experimentação metodológica dentro do campo. "Representa, a meu ver, o primeiro passo para que possamos dar um salto qualitativo nas pesquisas em jornalismo e para que o jornalismo obtenha o certificado de objeto científico com status próprio", defende.

Pesquisas multidisciplinares

O jornalista defende a multidisciplinariedade da pesquisa aplicada, pois possibilita o estudo de um objeto através de diferentes visões, alcançando resultados complementares. Na prática esta pesquisa multidisciplinar não acontece, o que leva ao autor a duas conclusões: a necessidade de se repensar as bases epistemológicas de mapeamento das áreas de conhecimento ou o jornalismo pela falta de definição de metodologias próprias, não se constitui como um campo de conhecimento e não produz saberes para estabelecer parcerias com pesquisadores de outras áreas.

"Neste artigo, o que pretendemos que fique bem claro é que a superação do impasse pressupõe as contribuições dos estudiosos destas outras disciplinas, mas - para que o diálogo seja frutífero - o pesquisador em jornalismo deve perceber que sem metodologias específicas dificilmente o jornalismo vai poder contar com teorias próprias. E, sem teorias próprias, cabe ao pesquisador em jornalismo a ingrata tarefa de medir o próprio território com a vara alheia".

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana