Pular para o conteúdo principal

Destaques

The Puppet Master: Série documental da Netflix traz casos de vítimas de um sociopata vigarista

Para quem está procurando algo intrigante para assistir na Netflix , a série documental The Puppet Master: Hunting the Ultimate Conman apresenta uma daquelas histórias que as pessoas nunca se imaginam acontecendo com elas, até que o pior acontece. Um sociopata manipulador encontra várias presas fáceis, interessado no dinheiro delas, ao mesmo tempo em que conta histórias sem pé nem cabeça para isolá-las dos familiares e dos amigos, em uma jornada marcada pelo medo, fuga e diferentes estratégias de lavagem cerebral. Muitas vezes associada às seitas em uma escala maior, muita gente ainda desconhece os danos que uma pessoa manipuladora pode causar, a ponto de duvidar de si mesmo e da própria sanidade, situação que só piora quando ela é incentiva a cortar todos laços e fica presa num ciclo de total dependência da validação do outro, como se tivesse que pedir permissão até para existir. Quantas pessoas foram vítimas de Robert Hendy-Freegard ? A série documental se foca principalmente em tr

Jornalismo como Campo de Conhecimento

Com base no mapeamento dos estudos desenvolvidos na área do jornalismo, discutir a consolidação do jornalismo como campo de conhecimento é o objetivo do jornalista e Doutor em Jornalismo Elias Machado, em seu artigo 'Dos estudos sobre o jornalismo às teorias do jornalismo (Três pressupostos para a consolidação do jornalismo como campo de conhecimento)'. O artigo foi publicado em 2004 na revista eletrônica e-compós (Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação).


Jornalismo como objeto de pesquisa

Machado argumenta que até a metade do século XX o atraso das pesquisas acadêmicas no campo do jornalismo aconteceram porque o jornalismo era visto somente como uma prática profissional. Segundo o autor, a marginalização do curso do jornalismo se dava a dois fatos: a tardia incorporação do jornalismo à lista dos cursos oferecidos e ao ensino puramente técnico.

O Doutor em Jornalismo explica que o jornalismo desempenha três funções diferenciadas: de prática profissional (domínio de técnicas e conhecimentos específicos e conjunto de princípios e regras de conduta); de objeto científico (fundação de um campo de conhecimento especializado); de campo especializado de ensino (depende do desenvolvimento de metodologias especializadas, repasse das novas teorias e boa formação técnicas aos futuros profissionais).

Metodologias próprias ao campo

Em 100 anos, o pesquisador conta que as principais linhas de pesquisa em jornalismo realizadas no Brasil são: História do Jornalismo, Teorias do Jornalismo, Análise do discurso, Produção da Notícia, Recepção, Jornalismo Especializado, Jornalismo Digital e Teorias da Narrativa. Machado diz que existe um grande número de pesquisas sobre História do Jornalismo e Teorias do Jornalismo, já as seguintes áreas importantes contam com uma escassez enorme de títulos: Metodologias de ensino em jornalismo; Metodologias de Pesquisa em Jornalismo; Teorias da Narrativa em Jornalismo e Pesquisa Aplicada em Jornalismo.

Desenvolver metodologias adequadas ao campo especializado de ensino do jornalismo é um desafio tido como fundamental para Machado. O autor defende a diferenciação entre estudos do jornalismo e teorias do jornalismo, sendo a primeira realizadas com metodologias de outros campos de conhecimento, e a segunda realizadas com experimentação metodológica dentro do campo. "Representa, a meu ver, o primeiro passo para que possamos dar um salto qualitativo nas pesquisas em jornalismo e para que o jornalismo obtenha o certificado de objeto científico com status próprio", defende.

Pesquisas multidisciplinares

O jornalista defende a multidisciplinariedade da pesquisa aplicada, pois possibilita o estudo de um objeto através de diferentes visões, alcançando resultados complementares. Na prática esta pesquisa multidisciplinar não acontece, o que leva ao autor a duas conclusões: a necessidade de se repensar as bases epistemológicas de mapeamento das áreas de conhecimento ou o jornalismo pela falta de definição de metodologias próprias, não se constitui como um campo de conhecimento e não produz saberes para estabelecer parcerias com pesquisadores de outras áreas.

"Neste artigo, o que pretendemos que fique bem claro é que a superação do impasse pressupõe as contribuições dos estudiosos destas outras disciplinas, mas - para que o diálogo seja frutífero - o pesquisador em jornalismo deve perceber que sem metodologias específicas dificilmente o jornalismo vai poder contar com teorias próprias. E, sem teorias próprias, cabe ao pesquisador em jornalismo a ingrata tarefa de medir o próprio território com a vara alheia".

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana