Pular para o conteúdo principal

Destaques

Mindhunter Profile 2: Especialista em serial killers compartilha experiências após aposentadoria do FBI

Após se aposentar do FBI , o ex-agente especialista em assassinos continuou sendo convidado para colaborar em alguns casos que exigiam entender melhor o perfil psicológico dos criminosos. No livro Mindhunter Profile 2 , dos autores Robert K. Ressler e Tom Snachtman , é possível conhecer um pouco mais da história de vida desta figura que deixou uma boa contribuição para a criminologia e compreensão sobre as mentes de serial killers. A obra foi publicada pela editora DarkSide Books , em 2021, com tradução de Alexandre Boide. Compre o livro Mindhunter Profile 2:  https://amzn.to/39qJjId Entre os casos explorados no livro há um que desperta o interesse por envolver algo não tão desconhecido, como o uso de transtornos mentais para diminuir as penas. Ressler percebeu um fenômeno de ex-soldados que usavam o Transtorno do Estresse Pós-Traumático como uma justificativa quando cometiam crimes e notou que muitas vezes, os históricos dos assassinos não eram checados e muitos inventavam histórias

Jornalismo como Campo de Conhecimento

Com base no mapeamento dos estudos desenvolvidos na área do jornalismo, discutir a consolidação do jornalismo como campo de conhecimento é o objetivo do jornalista e Doutor em Jornalismo Elias Machado, em seu artigo 'Dos estudos sobre o jornalismo às teorias do jornalismo (Três pressupostos para a consolidação do jornalismo como campo de conhecimento)'. O artigo foi publicado em 2004 na revista eletrônica e-compós (Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação).


Jornalismo como objeto de pesquisa

Machado argumenta que até a metade do século XX o atraso das pesquisas acadêmicas no campo do jornalismo aconteceram porque o jornalismo era visto somente como uma prática profissional. Segundo o autor, a marginalização do curso do jornalismo se dava a dois fatos: a tardia incorporação do jornalismo à lista dos cursos oferecidos e ao ensino puramente técnico.

O Doutor em Jornalismo explica que o jornalismo desempenha três funções diferenciadas: de prática profissional (domínio de técnicas e conhecimentos específicos e conjunto de princípios e regras de conduta); de objeto científico (fundação de um campo de conhecimento especializado); de campo especializado de ensino (depende do desenvolvimento de metodologias especializadas, repasse das novas teorias e boa formação técnicas aos futuros profissionais).

Metodologias próprias ao campo

Em 100 anos, o pesquisador conta que as principais linhas de pesquisa em jornalismo realizadas no Brasil são: História do Jornalismo, Teorias do Jornalismo, Análise do discurso, Produção da Notícia, Recepção, Jornalismo Especializado, Jornalismo Digital e Teorias da Narrativa. Machado diz que existe um grande número de pesquisas sobre História do Jornalismo e Teorias do Jornalismo, já as seguintes áreas importantes contam com uma escassez enorme de títulos: Metodologias de ensino em jornalismo; Metodologias de Pesquisa em Jornalismo; Teorias da Narrativa em Jornalismo e Pesquisa Aplicada em Jornalismo.

Desenvolver metodologias adequadas ao campo especializado de ensino do jornalismo é um desafio tido como fundamental para Machado. O autor defende a diferenciação entre estudos do jornalismo e teorias do jornalismo, sendo a primeira realizadas com metodologias de outros campos de conhecimento, e a segunda realizadas com experimentação metodológica dentro do campo. "Representa, a meu ver, o primeiro passo para que possamos dar um salto qualitativo nas pesquisas em jornalismo e para que o jornalismo obtenha o certificado de objeto científico com status próprio", defende.

Pesquisas multidisciplinares

O jornalista defende a multidisciplinariedade da pesquisa aplicada, pois possibilita o estudo de um objeto através de diferentes visões, alcançando resultados complementares. Na prática esta pesquisa multidisciplinar não acontece, o que leva ao autor a duas conclusões: a necessidade de se repensar as bases epistemológicas de mapeamento das áreas de conhecimento ou o jornalismo pela falta de definição de metodologias próprias, não se constitui como um campo de conhecimento e não produz saberes para estabelecer parcerias com pesquisadores de outras áreas.

"Neste artigo, o que pretendemos que fique bem claro é que a superação do impasse pressupõe as contribuições dos estudiosos destas outras disciplinas, mas - para que o diálogo seja frutífero - o pesquisador em jornalismo deve perceber que sem metodologias específicas dificilmente o jornalismo vai poder contar com teorias próprias. E, sem teorias próprias, cabe ao pesquisador em jornalismo a ingrata tarefa de medir o próprio território com a vara alheia".

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana