Pular para o conteúdo principal

Destaques

12 Graphic Novels que você precisa ler

Começou como uma forma de experimentação na leitura. Apesar de gostar de tirinhas, nunca tinha me aventurado pelo universo das graphic novels, como aconteceu há alguns anos – pelo menos, não de forma que me interessasse.

Percebo que cada vez mais pessoas estão se interessando pelos diferentes formatos de narrativas. Acho válida toda forma de contação de histórias e acredito que elas podem criar experiências complementares. Há espaço para todos gostos.


Com doze indicações de leitura, dá para ler um livro por mês ou ler todos em um só mês, dependendo do ritmo de leitura e da fome por histórias de cada um. Entre temáticas mais sociais e outras mais fantasiosas, as graphic novels podem ser uma porta de entrada para outros livros, como podem ocupar um espaço central no coração de quem é aficionado por histórias ilustradas.

Histórias que podem ir muito além de um passa-tempo, como se acreditava antigamente, mas também proporcionar reflexões sobre a vida, juntando o melhor dos dois mundos: d…

Resenha: A vida Digital – Nicholas Negroponte

Publicado em 1995, pela editora Companhia das Letras, no Brasil, o livro: ‘A Vida Digital’, do arquiteto Nicholas Negroponte, trazia muitas previsões de como a tecnologia se integraria às nossas vidas, que hoje tornaram-se realidade.

Capa do livro A Vida Digital, Nicholas NegroponteNegroponte contava em seu livro que não há volta para a transformação de átomos em bits e que este processo poderia transformar a informação acessível a todos. Para a época em que foi lançado, o livro trazia dados interessantes sobre a popularização dos computadores, do acesso à internet e de outras tecnologias. O autor arriscou a dizer que com o aumento da interconexão, o espaço físico tornaría-se irrelevante e o tempo desempenharia um papel diferente.

De acordo com o autor, devido às vantagens da transformação de átomos em bits, muitos meios se digitalizarão com enorme rapidez, graças à conveniência, necessidade econômica e da desregulamentação. Negroponte dá como exemplo o livro digital, que sempre estará disponível à leitura, diferente dos livros impressos que podem sair de catálogo e a facilidade de acessar filmes nos meios digitais e se livrar do incoveniente de ter que devolver.

Algumas das possibilidades da digitalização para Negroponte são: a compressão de dados e a correção de erros, a transmissão com qualidade, a multimídia (mistura de áudio, vídeo e dados) e a informação sobre os bits.

Em 1995, Negroponte anunciava as mudanças que a TV Digital e a Internet trariam em nossas vidas, por exemplo, a forma de consumo (edição e seleção de conteúdo, independente do horário, dia ou tempo disponível para transmissão). O autor dizia que em 2005 os americanos passariam mais tempo na internet do que assistindo à televisão. Segundo alguns estudos, esta realidade já pode ser observada, entretanto existem aqueles que preferem utilizar a televisão e a internet ao mesmo tempo.

Há 16 anos, o pesquisador explicava a importância da multimídia, hoje tão presente em nossas vidas. "Pensar em multimídia implica se ter noção do movimento fluido de um meio para outro, dizendo a mesma coisa de maneiras diversas, invocando um ou outro dos sentidos humanos".

É interessante observar que Negroponte já falava sobre a personalização de conteúdos jornalísticos. O pesquisador acreditava que o leitor poderia selecionar as informações que julguem mais relevantes, além de se tornar um produtor de informações. Ainda sobre jornalismo, o autor do livro dizia que os e-mails seriam uma ótima ferramenta para os jornalistas realizarem entrevistas. “... além de menos enxeridas, permitem uma maior reflexão por parte do entrevistado”, justifica.

No livro também é comentado sobre: evolução dos computadores, computação gráfica, realidade virtual, holografia, teleconferência, sintetizador e reconhecimento de fala, roupas inteligentes, ambientes inteligentes, aparelhos inteligentes e interconetados, entre outros assuntos.

Comentários

Mais lidas da semana