Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Candyman – Clive Barker

Um presente para os leitores de Clive Barker, assim é a edição para colecionadores de Candyman, publicada pela editora DarkSide Books, em janeiro de 2019, com tradução de Eduardo Alves e posfácio de Carlos Primati.


Encontre o livro Candyman (Clive Barker): https://amzn.to/2ZdA32y

Candyman (The Forbidden) é um conto, portanto a leitura é enxuta, mas envolvente, e transporta o leitor para o clima de lendas urbanas. Embora já não sejam mais comuns na tradição oral e tenham ganhado o ambiente virtual, histórias sobre acontecimentos assustadores e questionáveis fazem parte da existência humana.

Com uma atmosfera sombria e mais urbana, Clive Barker leva o leitor ao gueto, onde a violência e a criminalidade por si só já contrastam com a realidade de outros bairros da cidade e acabam tão banalizadas que a história faz a personagem principal, Helen, se interessar pelo caso contado por uma das moradoras.

“E as histórias que contaram para ela – seriam confissões de crimes não cometidos, relatos do …

Resenha: A vida Digital – Nicholas Negroponte

Publicado em 1995, pela editora Companhia das Letras, no Brasil, o livro: ‘A Vida Digital’, do arquiteto Nicholas Negroponte, trazia muitas previsões de como a tecnologia se integraria às nossas vidas, que hoje tornaram-se realidade.

Capa do livro A Vida Digital, Nicholas NegroponteNegroponte contava em seu livro que não há volta para a transformação de átomos em bits e que este processo poderia transformar a informação acessível a todos. Para a época em que foi lançado, o livro trazia dados interessantes sobre a popularização dos computadores, do acesso à internet e de outras tecnologias. O autor arriscou a dizer que com o aumento da interconexão, o espaço físico tornaría-se irrelevante e o tempo desempenharia um papel diferente.

De acordo com o autor, devido às vantagens da transformação de átomos em bits, muitos meios se digitalizarão com enorme rapidez, graças à conveniência, necessidade econômica e da desregulamentação. Negroponte dá como exemplo o livro digital, que sempre estará disponível à leitura, diferente dos livros impressos que podem sair de catálogo e a facilidade de acessar filmes nos meios digitais e se livrar do incoveniente de ter que devolver.

Algumas das possibilidades da digitalização para Negroponte são: a compressão de dados e a correção de erros, a transmissão com qualidade, a multimídia (mistura de áudio, vídeo e dados) e a informação sobre os bits.

Em 1995, Negroponte anunciava as mudanças que a TV Digital e a Internet trariam em nossas vidas, por exemplo, a forma de consumo (edição e seleção de conteúdo, independente do horário, dia ou tempo disponível para transmissão). O autor dizia que em 2005 os americanos passariam mais tempo na internet do que assistindo à televisão. Segundo alguns estudos, esta realidade já pode ser observada, entretanto existem aqueles que preferem utilizar a televisão e a internet ao mesmo tempo.

Há 16 anos, o pesquisador explicava a importância da multimídia, hoje tão presente em nossas vidas. "Pensar em multimídia implica se ter noção do movimento fluido de um meio para outro, dizendo a mesma coisa de maneiras diversas, invocando um ou outro dos sentidos humanos".

É interessante observar que Negroponte já falava sobre a personalização de conteúdos jornalísticos. O pesquisador acreditava que o leitor poderia selecionar as informações que julguem mais relevantes, além de se tornar um produtor de informações. Ainda sobre jornalismo, o autor do livro dizia que os e-mails seriam uma ótima ferramenta para os jornalistas realizarem entrevistas. “... além de menos enxeridas, permitem uma maior reflexão por parte do entrevistado”, justifica.

No livro também é comentado sobre: evolução dos computadores, computação gráfica, realidade virtual, holografia, teleconferência, sintetizador e reconhecimento de fala, roupas inteligentes, ambientes inteligentes, aparelhos inteligentes e interconetados, entre outros assuntos.

Comentários

Mais lidas da semana